Home / Animais / Quais Espécies de Baratas Existem no Brasil?

Quais Espécies de Baratas Existem no Brasil?

Até o momento, aproximadamente 4.600 espécies de baratas foram nomeadas e provavelmente há pelo menos o dobro desse número ainda por descobrir em todo o mundo. Embora a maioria das espécies seja encontrada nos trópicos, algumas ocorrem em regiões temperadas.

Lamentavelmente, a maioria das pessoas parece considerar todas as baratas como vermes ofensivos e destrutivos. No entanto, essa reputação é merecida por menos de 30 espécies de baratas,  a grande maioria sendo insetos secretos que nunca se associam ao homem. Como um grupo, as baratas exibem uma notável diversidade de tamanho, forma, coloração e comportamento e ocupam uma grande variedade de habitats, de cavernas a montanhas, de florestas tropicais a desertos.

Quais Espécies de Baratas Existem no Brasil?

Blatella germanica – As baratas alemãs, que se acredita originarias do sudeste da Ásia, são as pragas urbanas mais amplamente distribuídas. Elas foram introduzidas em todas as partes do globo, incluindo o Brasil. Essa onipresença torna as baratas alemãs cosmopolitas, com o único impedimento sendo as baixas temperaturas.

Blatella Germanica
Blatella Germanica

Periplaneta americana – As baratas americanas são encontradas em muitos habitats diferentes. Embora elas geralmente morem em áreas úmidas, elas podem sobreviver em áreas secas se tiverem acesso à água. Eles preferem temperaturas quentes e não toleram o frio.  Esses critérios geralmente são atendidos em grandes edifícios comerciais, como restaurantes, padarias, mercearias, fábricas de processamento de alimentos, hospitais, etc., onde baratas podem infestar áreas de armazenamento e preparação de alimentos, porões e túneis de vapor. Eles também são encontrados, embora não tão comumente, em residências. Durante os meses de verão, eles podem ser encontrados ao ar livre em pátios e becos, essa é a espécie mais comum encontrada nos sistemas de esgoto das cidades.

Periplaneta Americana
Periplaneta Americana

Blatta orientalis – A barata oriental é encontrada ao ar livre e dentro de casa. Pode ser encontrado no exterior, durante o tempo quente, em latas de lixo, esgotos ou mesmo sob folhas ou pedras velhas. Na Ásia, foi encontrado em cavernas onde morcegos vivem. No outono, no entanto, as baratas orientais podem se mover em grandes grupos para prédios sem aquecimento, pois preferem um ambiente mais fresco. É mais improvável encontrar orientalis Blatta em pisos de nível superior em edifícios. Provavelmente será encontrado no primeiro andar de um edifício. Gosta de áreas úmidas e viverá em porões úmidos, próximo a canos de água, esgotos com vazamentos ou áreas similares.

Blatta Orientalis
Blatta Orientalis

Xestoblatta Hebard – São baratas noturnas que habitam abrigos subterrâneos e serapilheira em florestas tropicais. Ocorrem do sul do Brasil (Santa Catarina) à América Central, no Panamá, Costa Rica e Guatemala.  Xestoblattafoi descrita no grupo “Ischnopterites” e distinguiu esse gênero de outros com base no tamanho médio e grande do corpo, pronoto largo sem sulcos e campo marginal da asa amarelo pálido.

Xestoblatta Hebard
Xestoblatta Hebard

Características das Baratas Tropicais

Barata Anfibia – Pensa-se que algumas baratas tropicais vivem apenas nos ninhos de insetos sociais e existem até espécies anfíbias que mergulham na água quando ameaçadas. Embora a maioria das baratas seja provavelmente onívora, a capacidade de se alimentar exclusivamente de madeira podre evoluiu pelo menos três vezes em separado: no ancestral de Cryptocercus e nos cupins; na subfamília blaberida Panesthiinae; e na blaserida Parasphaeria boleiriana .

Barata de Chifre – Muitas espécies de baratas não têm asas ou têm asas reduzidas e algumas (por exemplo, a barata escavadora cubana Byrsotria fumigata ) têm machos e fêmeas com asas totalmente reduzidas. As espécies asiáticas e australianas de Panesthia , que escavam madeira em decomposição, desenvolveram asas bem quando se tornaram adultos, mas logo se separam cerca de um terço do comprimento, presumivelmente quando os insetos se dispersam.

Barata de Chifre
Barata de Chifre

Muitas baratas são sexualmente dimórficas , por exemplo, as baratas sibilantes de Madagascar (Gromphadorhinae), que geralmente são mantidos como animais de estimação. Os machos dessas baratas desenvolveram ‘chifres’ bem desenvolvidos em sua pronota (a placa que cobre a cabeça) que eles usam para combater machos rivais – o maior indivíduo geralmente emergindo como vencedor.

Baratas Luminescentes – Os machos de uma barata sul-americana, Lucihormetica fenestrata, levantaram tubérculos amarelados em seus pronotos, que são bioluminescentes e podem desempenhar um papel no namoro. Atualmente, não se sabe como essa bioluminescência é produzida, mas uma sugestão é que o material esponjoso dentro dos tubérculos abrigue fungos ou bactérias bioluminescentes que a barata possa adquirir da madeira podre em que vive. As espécies relacionadas têm tubérculos semelhantes, que também podem emitir luz.

Mega Barata – A barata mais pesada do mundo é a barata de rinoceronte australiano sem asas (Macropanesthia rhinoceros ), que pesa até 33,5 gramas e tem um comprimento de corpo de até 80 mm. Possui uma das histórias de vida mais complexas de todas as baratas e, com uma vida útil de mais de 10 anos, está entre as mais longas de todos os insetos.

Mega Barata
Mega Barata

A espécie com maior envergadura é a Megaloblatta blaberoides da América Central e do Sul , com uma extensão de até 185 mm. O menor é o norte-americano Attaphila fungicola , que mede menos de 3 mm. de comprimento e vive nos ninhos das formigas cortadeiras.

Comportamentos Reprodutivos

As espécies das famílias Nocticolidae, Corydiidae, Blattidae, Lamproblattidae, Tryonicidae, Cryptocercidae e a maioria dos Ectobiidae produzem oothecae endurecidas (caixas de ovos) que são jogadas no chão, enterradas ou aderidas ao substrato usando cimento salivar. Por outro lado, as espécies da família Blaberidae mais algumas Ectobiidae têm oothecae membranosa que são incubadas em um saco de ninhada dentro do corpo da fêmea até que os ovos eclodam. Um blaberídeo, Diploptera punctata, possui uma membrana ootecal bastante reduzida que não cobre os ovos. Notavelmente, essa espécie produz um ‘leite’ nutritivo a partir da parede do saco da ninhada na qual os embriões em desenvolvimento se alimentam.

Reprodução da Barata
Reprodução da Barata

As espécies da subfamília Blaberid Geoscapheinae perderam completamente a membrana ootecal e os ovos são depositados diretamente no saco da ninhada. Essas baratas exibem um alto nível de cuidado dos pais. As ninfas vivem com a mãe em sua toca até que estejam quase na metade do crescimento e a fêmea lhes fornece alimento, puxando folhas mortas e outra vegetação para dentro da toca.

Cuidado Parental

O cuidado parental mais incomum é exibido por espécies nas subfamílias blaberídeos Epilamprinae e Perisphaerinae. Thorax porcellana, uma espécie da antiga subfamília da Índia, carrega seus filhotes (isto é, ninfas) sob seus antebraços abobadados nos dois primeiros instares. As ninfas obtêm alimento líquido de poros especializados na superfície superior do abdômen da mãe e também furam a cutícula com suas mandíbulas afiadas especializadas e se alimentam do sangue (hemolinfa)!

Espécies do gênero Perisphaerus (Perisphaerinae) do sudeste da Ásia e da Australásica têm uma relação mãe-filhos um pouco semelhante. Quando as ninfas nascem, elas são brancas, cegas e têm peças bucais semelhantes a tubos, únicas entre as baratas. A mãe tem quatro aberturas nas bases das pernas média e traseira, nas quais as partes bucais das ninfas se encaixam exatamente e acredita-se que as ninfas sugam um ‘leite’ nutritivo desses poros. As ninfas se agarram ao corpo da mãe nos dois primeiros instares e somente no terceiro instar desenvolvem olhos e pigmentação corporal normais.

Veja também

Pato-de-Crista: Características, Nome Cientifico, Habitat e Fotos

A criação de patos é muito comum no Brasil, já que não exige grande trabalho …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *