Home / Animais / Personalidade do Mastim Napolitano e Comportamento

Personalidade do Mastim Napolitano e Comportamento

Força e lealdade são características peculiares. Ser um cão agressivo e mordaz também, mas com um diferencial: esse cão nunca fará isso de modo descontrolado ou injustificado. É um defensor nato da propriedade e das pessoas que ama. O mastim napolitano será sempre um perfeito vigilante, exercendo essa natureza com inteligência e nobreza. Embora seja um cão com um tamanho considerável, se assim for necessário ele consegue atirar-se e intervir de uma maneira surpreendentemente rápida em uma situação de ameaça.

Estas características, combinadas com força, determinação e coragem, fazem do mastim napolitano um guardião natural e praticamente perfeito. Ele é um cão muito ligado ao dono e estabelece um vínculo muito próximo com as crianças. Apenas na aparência pode parecer dissimulado; o espírito do lutador é na realidade apenas dormente, pronto para despertar em caso de necessidade.

Personalidade do Mastim Napolitano e Comportamento

O mastim napolitano é uma raça canina que deriva do molosso rústico (mastiff romano), generalizada no interior das regiões do sul da Itália. A raça é um descendente direto dos grandes mastins assírio-babilônico, em seguida, espalhados pelos romanos em toda a Europa. Dada a sua forte historicidade, o mastim napolitano representa um verdadeiro “monumento vivo” dos amantes modernos de cães.

Durante o reinado de Bourbon foi usado como cão de guarda e mais tarde, durante a era do banditismo, foi usado como “soldado” contra o exército do Savoy. Tem um poder maxilar de cerca de 80 kg. Com risco de extinção no início do século 20, a raça foi redescoberta durante o segundo período do pós-guerra na zona rural napolitana e de Avelino, de onde se originou o nome atual de “Mastim Napolitano”.

Antes de mais nada devemos lembrar que o Mastim Napolitano é uma raça de utilidade, precisamente é um cão de guarda e defesa, com aspectos de caráter típicos e bem definidos. No melhoramento, portanto, é correto levar em conta o caráter do cão, para evitar que ele se perca no desequilíbrio emocional.

Não é incomum ver mastins que rosnam ameaçadoramente ao visitante, que está fora do portão da casa, para depois se acalmarem de repente, até ficarem indiferentes, quando a presença desse visitante é “aceita” pelo proprietário. Conforme relatado no padrão na verdade, o mastim não deve ser injustificadamente agressivo, um mastim que rosna, late ou morde indiscriminadamente não é um bom mastim.

Personalidade do Mastim Napolitano

Isso obviamente não significa que o Mastim Napolitano não é um cão de temperamento forte. A agressividade, na verdade, é inerente ao cão que se agarra, basta lembrar que seus ancestrais eram cães de guerra e de combate, mas como dissemos, no mastim “a agressividade deve estar sempre relacionada com a situação e regulada pela voz do mestre, o que não é de surpreender que os antigos costumavam dizer que o mastim deve manter o comando (cão controlado). Para entender melhor a personalidade do mastim e sua evolução é bom ter em mente, que até algumas décadas atrás, o cão foi selecionado apenas com base em seu caráter, o único aspecto relevante para os criadores desse período.

A Seleção do Mastim Napolitano

Particularmente na Campânia, as condições sócio econômicas persistiram favoráveis à proliferação desses cães: grande presença de fazendas, uma sociedade baseada na prevaricação pela força, etc. O cão de captura era, portanto, um precioso auxiliar, alguns eram usados para guardar gado, enquanto outros eram usados para proteger a propriedade e defender a pessoa.

Uma obrigação era para os chamados “guappi” ou homens de honra, a presença ao lado de um cão, usada tanto para defesa pessoal quanto para perseguir e intimidar os outros. Por esta razão, é fácil pensar quais eram os traços de caráter procurados na época, mas para ser ainda mais claro, cito um exemplo de seleção relatado por um escritor em seu livro:

“Uma prática seletiva e cruel foi aplicada. Na idade de 6 a 8 meses o mastim foi preso em um saco e espancado, às vezes o saco foi rolado por uma escarpa: se ao abrir o saco o cão se mostrasse assustado e tentasse escapar, era considerado imprestável; se ao invés disso ele se aproximasse, com um ar entre os intrigados e os agressivos, para seus atormentadores era o triunfo”.

Os cães que sobreviveram a essa seleção eram destemidos e implacáveis, mas muitas vezes pareciam ferozes, inacessíveis e, portanto, incontroláveis. Tais assuntos no contexto moderno teriam sido difíceis de tolerar e, portanto, ao longo dos anos, tentou-se mitigar esses aspectos, sem distorcer a função do cão e seu temperamento forte, mas torná-lo mais equilibrado.

Lealdade ao Mestre

Outro aspecto de caráter, no qual é importante enfatizar, é o da lealdade ao mestre. Uma ligação é criada entre o mastim e sua família, que não tem igual, a ponto de o cachorro sacrificar sua vida pelo homem. Existem numerosos exemplos na literatura mastiniana que apóiam esta afirmação, e podemos mencionar algumas para enfatizar melhor a conexão visceral que é estabelecida entre o mastim e o mestre.

“Giacchettella” e seu Masaniello, um romance napolitano ainda mais mítico. Diz-se que Masaniello costumava avisar o proprietário, enquanto o último estava empenhado em jogar, a chegada da polícia e carabinieri, considerados inimigos do mestre, e até mesmo para chamar sua atenção, ele virou a mesa de jogo de cabeça para baixo. Outra história, muito pungente, diz que Masaniello deixou-se morrer de fome sob a janela da cela onde seu mestre estava trancado, sem deixar ninguém se aproximar dele. Esses episódios, embora talvez um pouco romantizados, refletem a total dedicação do mastin em relação ao seu mestre.

Em conclusão, é correto ressaltar que o caráter típico do mastim não surge apenas da seleção e, portanto, da genética do cão. Obviamente, como foi escrito no início, é essencial reproduzir apenas os sujeitos que apresentam as características psíquicas corretas, mas também há outros elementos a serem levados em consideração.

Sugestões ao Selecionar seu Mastim

Primeiro de tudo, é importante dar ao cão a impressão correta através da mãe natural, desde os primeiros momentos da vida do filhote, transmitindo seus ensinamentos e experiências, mas muitas vezes vemos que os criadores usam mestiços como enfermeiras em vez de mães naturais. Assim então surge os questionamentos sobre como uma enfermeira pode transmitir as características típicas do filhote ao mastim. Portanto, é importante que a mãe alimente os filhotes, e é igualmente importante não separá-los cedo demais.

Outro elemento fundamental para garantir que o mastim desenvolva corretamente os traços de caráter que carrega em seus genes é a educação transmitida pelo mestre. Mestre que não deve exasperar certas características, como a agressividade, também porque o mastim não precisa de treinamento especial para desempenhar seu papel de guardião. É necessário porém que o cão seja estimulado, como se diz no napolitano “posto a mestiço”, que é posto a trabalhar, muitas vezes se vê cães, sobretudo em criadouros que passam a vida inteira fechada em gaiolas, e é normal que estes cães com o tempo eles se tornem apáticos, perdendo sua atitude proverbial para com a guarda.

O bom mestre deve ter o pulso para manter o temperamento forte do mastim à distância, sem no entanto usar violência, tratando-o como o guardião orgulhoso e valente que é. Também é importante tê-lo socializando com as pessoas e outros cães. O caráter típico do Mastim Napolitano será, portanto, obtido com a seleção genética correta assistida pela impressão materna e a educação correta recebida pelo mestre.

Veja também

Lista de Raças de Galinhas Gigantes Com Nome e Fotos

Se referir a galinhas gigantes relativiza muito a interpretação. Há raças que são tão fofas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *