Home / Animais / Ocorrência de Tubarão Branco no Brasil: Praias Que Eles Ficam

Ocorrência de Tubarão Branco no Brasil: Praias Que Eles Ficam

Encontrar um grande tubarão branco em águas marítimas brasileiras seria assustadoramente fenomenal. Embora possamos afirmar que nossa região não é definitivamente o local de habitat dessas criaturas grandiosas, isso não quer dizer que esses tubarões não são encontrados aqui.

Padrões de Migração de Grandes Tubarões Brancos

Os grandes tubarão brancos são animais extraordinários, e um dos segredos mais fascinantes destes viajantes náuticos são os seus padrões de migração. Foi apenas recentemente que se pôde desbloquear este segredo devido à recente marcação que cientistas conseguiram implementar em dezenas de espécies nos últimos anos.

A migração é um dos grandes mistérios do reino animal que continuam a enganar os cientistas em todo o mundo. Em termos gerais, migração refere-se ao movimento em larga escala de um grupo de animais de um lugar para outro. É difícil o suficiente tentar entender os movimentos de massas de animais terrestres ou padrões de migração, então imagine tentar entender as espécies aquáticas! A busca por entender os padrões mundiais de migração de tubarões tem sido uma tarefa assustadora, ainda mais com um assunto tão notoriamente difícil de se estudar como o grande tubarão branco.

Desde de 2002, diversos eventos de monitoramento vem tentando acompanhar e, principalmente entender, as longas viagens que a espécie faz no mar adentro. Existem registros de migração de grandes tubarões brancos marcados que ultrapassaram os 10.000 quilômetros de distância entre um pólo a outro. E esse comportamento intriga o meio científico ainda hoje. Mesmo hoje ainda há muito a ser analisado em busca de respostas.

Ocorrência de Tubarão Branco no Brasil: Praias que eles Ficam

O tubarão branco é um animal pelágico, mas se aproxima das costas, particularmente em áreas onde a plataforma continental é muito próxima a elas ou em áreas particularmente ricas em presas em potencial (como, por exemplo, colônias de leões-marinhos, focas ou pinguins). Não tolera água doce, mas pode frequentar áreas próximas a estuários e penetrar em baías de sal que não são afetadas pelas marés baixas, bem como em áreas onde há descargas de esgoto, já que os resíduos orgânicos atraem a atenção dos sentidos do tubarão.

Ele tende a ficar a uma profundidade que vai da superfície até os 250 metros, mesmo que possa descer muito mais, até 1.200 metros. A sua provável existência em mares brasileiros ainda é na verdade discutível. Existem ocorrências do grande tubarão branco nas águas oceânicas no sul do Brasil e raros registros até mesmo mais a sudeste. Porém, a grande maioria não tem comprovação de ocorrência sendo, portanto, meras conjecturas.

Alguns estudiosos que buscaram confirmar estes relatos perceberam que em sua maioria tratava-ze de deduções ou confusões, mas isso não significa que um tubarão com tamanho potencial migratório não se aventure mesmo em águas das costas brasileiras. No entanto, não são em nossas praias que essas espécies preferem gastar sua energia e potencial de caça predatória, até pela escassez de seu alimento preferido em nossos mares.

Ocorrência de Tubarão Branco no Brasil

Os tubarões brancos tem sua verdadeira área de habitat difundida particularmente em águas frias ou temperadas entre 11 e 24°C, na costa ou no mar, particularmente presente nas costas meridionais asiáticas e dos arquipélagos australianos, África do Sul, Califórnia, México, nordeste dos Estados Unidos e da ilha mexicana de Guadalupe, na Nova Zelândia. Há áreas que se tornaram particularmente interessantes devido ao grande número de espécimes presentes.

O charme dos tubarões brancos leva muitos turistas a irem a lugares onde podem ser vistos e observados debaixo d’água. Os locais mais populares para o “turismo de tubarões” são geralmente Seal Island na África do Sul, a ilha de Guadalupe no México, Rottnest Island na Austrália e Stewart Island na Nova Zelândia.

Viajam sem Comida? Como Sobrevivem em Mar Aberto?

Voltando a questão das migrações do tubarão branco, os questionamentos se voltavam, entre outras coisas, para as seguintes perguntas? Porque migram tão longe em mar aberto se o que comem encontra-se mais próximo as costas marítimas? E como sobrevivem tanto tempo nessas distância sem comida? Existem, afinal viagens migratórias que duraram mais de ano e distâncias superiores a 18.000 quilômetros.

Porém, as marcações que os cientistas conseguiram implantar em algumas espécies trouxeram alguma luz a pelo menos essas duas questões, apesar de ainda não ser respostas satisfatórias e concretas. E ambas estão relacionadas a riqueza alimentar de que esses tubarões tanto necessitam: a gordura. Mas como eles sobrevivem à migração para um novo campo de alimentação, através de um oceano aberto que é quase desprovido de sua comida?

Primeiramente pesquisadores descobriram recentemente evidências de que grandes migrações de tubarões brancos são alimentadas por grandes reservas de gordura armazenadas nos fígados deles. A gordura de baleia, rica em gordura, é uma importante fonte de energia para muitos animais migratórios durante suas longas viagens migratórias. Grandes tubarões brancos costumam atacar os mamíferos marinhos, como focas e baleias, em águas ao longo da costa. Mas o suprimento exato de comida para esses tubarões durante suas migrações não era conhecido.

A gordura é um componente importante dos lipídios, uma coleção de moléculas necessárias para a saúde e função das células, especialmente o armazenamento de energia. O fígado de um grande tubarão branco adulto é responsável por mais de um quarto do seu peso corporal. Quando está bem estocado em reservas de energia, cerca de 90% do fígado é absorvido por lipídios. Grandes tubarões brancos se movem em fases alternadas de natação e mergulho . O mergulho com tração é uma estratégia de economia de energia para percorrer mais distância.

Outra descoberta significativa veio da indagação: porque os tubarões mergulham tão fundo em mar aberto? Por que eles deixariam as águas densas em nutrientes, cheias de focas e leões-marinhos para engordar, pois a terra oceânica no mar é aparentemente estéril com seus quilômetros de largura, e isso era um mistério para os cientistas marinhos. O que iam fazer lá então, e pra quê? Uma grande hipótese foi levantada nesse monitoramento.

Os tubarões foram registrados fazendo mergulhos de até 915 metros (3.000 pés) usando correntes quentes para ajudar a descer a coluna de água. Quando chegaram ao seu destino em torno do final do inverno e início da primavera, os tubarões começaram a “saltar de mergulho” em formas em V, mergulhando a 100 ou 200 metros (330 a 650 pés) à noite. Durante o dia, os tubarões mergulharam até 450 metros de profundidade, onde a água é fria e baixa em oxigênio.

Enquanto imagens de satélite mostram uma paisagem pobre em nutrientes, o comportamento dos tubarões conta uma história diferente sobre o que se esconde por baixo – presumivelmente grandes grupos de fitoplâncton, peixes, lulas e águas-vivas que eles estão alimentando. Durante o dia eles vão logo abaixo de onde há luz e à noite eles chegam mais perto da superfície para águas mais quentes e produtivas sob a cobertura da escuridão.

Veja também

Besouro Serra Pau: Características, Nome Cientifico E Fotos

O besouro serra pau pertence a uma das maiores famílias de besouro, com mais de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *