Home / Animais / O que é Traqueite Canina, Como Tratar e Evitar

O que é Traqueite Canina, Como Tratar e Evitar

O cão foi domesticado por humanos há mais de 10.000 anos, enquanto estávamos no estágio de caçadores-coletores. Seu ancestral, o lobo, se aproximou das populações humanas da época e gradualmente se tornou o companheiro da vida que ele é hoje. Como ocorreu essa reaproximação? Por que duas espécies tão diferentes conseguiram estabelecer uma relação única no mundo?
O fruto de anos de evolução são centenas de espécies! E as vezes alguns problemas para nosso animalzinho. A seguir demonstraremos um panorama da relação entre humanos e cães, além de questões e cuidados com o seu bichinho com Traqueite.

Lobos e Cães

De acordo com o estudo genético e morfológico de populações de canídeos, os cientistas traçam a separação original entre as duas espécies de mais de 100.000 anos atrás. Eventos genéticos muito antigos marcando a separação permitiram esse namoro. Entre 30.000 e 50.000 anos atrás, um relacionamento comensalista foi estabelecido entre o homem e o cachorro: concretamente, o lobo se beneficiava de recursos alimentares fáceis, tirando proveito do nosso “lixo biológico”.

Nosso desperdício natural é uma fonte muito boa de nutrientes para um canino! A suposição de uma aproximação entre as duas espécies reflete-se na adaptação de uma à outra: os lobos gradualmente aprenderam a decodificar nossos comportamentos, o que os favoreceu pelo acesso aos nossos recursos.

Os estudos nos permitiram aprender sobre o modo de vida que nossos ancestrais compartilhavam com o cão: encontramos, por exemplo, os restos de refeições compartilhadas, baseadas em sementes e vegetais, no Neolítico. Rapidamente, a relação lobo-humano evolui para uma cooperação real, o lobo traz mais segurança aos grupos humanos e pode ser um parceiro de caça útil e eficaz. A dieta do lobo se torna mais flexível: de um predador estrito, ele se torna um limpador. As populações de lobos e humanos estão se aproximando, o medo que os separa é cada vez menos presente, a familiaridade se instala.

Uma Relação Baseada na Cooperação

A domesticação é definida como o processo no qual uma espécie animal se reproduz apenas em um ambiente humano ou em um ambiente humano que, então, seleciona. A domesticação do cão em si é cerca de 15.000 anos atrás, antes da sedentarização do homem. Muitos surtos de domesticação aparecem antes desta Revolução Neolítica, embora hoje o foco asiático seja o mais difundido.

Na antiguidade superior, antes -2000ans foi de 4 principais tipos morfológicos que emergem: lúpica sul, graioïde, lúpus norte e molossóide. Portanto, temos uma divergência que só poderia aparecer por seleção, e o fenômeno é lento, durou mais de 10.000 anos. No entanto, o homem controlou a evolução genética do cão para se adaptar às suas necessidades: caça, proteção, companhia.

O Aparecimento de Raças de Cães

Hoje, em mais de 2000 anos, existem quase 400 raças (se considerarmos as reconhecidas pela Federação Internacional de Cinética), com um forte aumento. Esse número realmente não faz sentido, uma vez que o termo raça é mal definido. Um zootécnico reconhecerá cem raças, com grandes diferenças morfológicas. O pastor belga é um bom exemplo, sendo uma raça com quatro subtipos. Mas o problema é político (e como impor uma raça nas autoridades policiais), porque, do ponto de vista genético, ainda não existem grandes diferenças na população canina, apesar da variedade de morfologias.

A mentalidade do treinador, ou seja, ter um objetivo claro de alcançar (morfologia, comportamento) apareceu apenas tarde, o que explica a lenta evolução das corridas. Os quatro tipos originais evoluíram pouco até muito recentemente, apenas alguns séculos atrás. Mas desde que o conhecimento do homem lhe permitiu controlar melhor a evolução do cão, vimos uma explosão no número de raças.

Nenhuma outra espécie na Terra foi capaz de evoluir nesse ambiente, causando tanta variabilidade. É tão rápido que hoje em dia um certo número de raças de cães não consegue nem se reproduzir, o que é, no entanto, a condição essencial para defini-las como pertencentes à mesma espécie! Este é um caso tão atípico entre as populações animais da Terra que hoje é difícil caracterizar corretamente as espécies caninas.

A traqueíte em cães não é nada diferente de inflamação da mucosa da traquéia. Essa condição mais ou menos séria geralmente provoca tosse e apatia. É importante tratar a tosse de um cão rapidamente para evitar complicações como o envolvimento da laringe.

Traqueíte Canina: Tipos e Causas

Cachorro Com Traqueíte Canina
Cachorro Com Traqueíte Canina

A traqueíte é conhecida como inflamação da traquéia em cães. Tal condição de saúde causa tosse seca e repetitiva. Muitas vezes, essa condição de saúde está associada à inflamação da laringe, chamada laringotraqueíte.

Os Diferentes Tipos de Traqueíte em Cães

Note-se que a traqueíte pode ser dividida em duas formas:

traqueíte aguda é uma traqueíte repentina e brutal, desencadeada por irritação (fumaça, latidos prematuros, etc.) ou por uma doença infecciosa ;
traqueíte crônica é uma tosse persistente que se espalha ao longo do tempo. Geralmente é desencadeada por um distúrbio cardíaco ou respiratório.
No caso de traqueíte aguda (desencadeada por doença ou distúrbio traqueal), a traqueíte pode ser:
primitivo: a inflamação da traquéia é causada por irritação (fumaça, aerossol, etc);
secundária: a inflamação da traquéia é o sintoma de outra doença (como a tosse do canil).

Seja como for, é importante identificar claramente a causa da traqueíte para que possa ser tratada rapidamente.

Causas de Traqueíte em Cães

Você entenderá que, dependendo do tipo de traqueíte do seu cão, as causas podem ser tão variadas quanto variadas. Em geral, a traqueíte canina pode ser desencadeada por:

doenças infecciosas;
irritação da traquéia (fumaça de cigarro, aerossol ou produto químico, latidos, pressão fria, etc.);
de alergias do cão;
distúrbios cardio-respiratórios.

Observe que muitas doenças contagiosas podem causar traqueíte. Portanto, é importante limitar o contato do cão com animais desconhecidos (e manter seu registro de vacinação). É bom saber: um cão que late o tempo todo ou vive no ambiente de um fumante pode ser mais facilmente tocado por um primitivo de traqueíte.

Sintomas

É fácil reconhecer um cão com traqueíte. E por uma boa razão, os sintomas dessa patologia são óbvios:

tosse, geralmente seca;
apatia do cachorro;
febre;

No caso de traqueíte, muitas vezes é suficiente tocar a traquéia para desencadear um ataque de tosse acentuado e rouco. É bom saber: a traqueíte aguda primitiva não causa febre e não afeta necessariamente a saúde do cão (se você sentir falta de tossir). No entanto, é aconselhável consultar um veterinário quando um cão tosse. A tosse pode ser um sintoma de uma doença ou condição séria, e a causa deve ser entendida.

Cachorro Com Traqueíte Canina Recebendo Cuidados
Cachorro Com Traqueíte Canina Recebendo Cuidados

Tratamento

É importante consultar um veterinário para casos de tosse em cães. O tratamento de uma traqueíte depende diretamente de sua causa.

Dependendo do caso, o tratamento pode consistir em:

administração de antitússicos em caso de traqueíte primária;
administração de antibióticos em casos de traqueíte secundária.
Medicamentos anti-inflamatórios podem ser prescritos para aliviar o animal.

No caso de traqueíte crônica, o veterinário precisará de testes adicionais (incluindo radiologia) para determinar o tratamento mais adequado. Em alguns casos, o tratamento cirúrgico pode ser necessário.

Veja também

Marreco Pompom: Características, Hábitat e Nome Científico

O marreco pompom (crested duck) é uma ave ornamental considerada uma variação genética do marreco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *