Home / Animais / O Que a Arara Representa? Ela Simboliza o Que?

O Que a Arara Representa? Ela Simboliza o Que?

O que a arara representa? Ela simboliza o que? Superação… Isso, principalmente a ararinha azul, que é considerada extinta desde 2000 na natureza, vítima de tanto descaso e ganância, hoje ainda oferece uma oportunidade de renovação à vida selvagem da espécie na natureza!

A Espécie Ameaçada da Arara

As araras são membros lindos e brilhantemente coloridos da família dos papagaios. Muitas araras têm uma plumagem vibrante. A coloração é adequada à vida nas florestas tropicais da América Central e do Sul, com suas copas verdes e frutas e flores coloridas.

Os pássaros possuem bicos grandes e poderosos que facilmente quebram nozes e sementes, enquanto suas línguas secas e escamosas têm um osso dentro delas, o que os torna uma ferramenta eficaz para a digestão de frutas.

Araras também têm dedos que seguram agarrar em galhos e agarrar, segurar e examinar itens. Os pássaros ostentam caudas graciosas que normalmente são muito longas. Os rebanhos dormem nas árvores à noite e, de manhã, podem voar longas distâncias para se alimentar de frutas, nozes, insetos e caracóis. Algumas espécies também comem terra úmida, o que pode ajudar a neutralizar substâncias químicas em sua dieta frutada e aliviar seus estômagos.

As araras são aves inteligentes e sociais que muitas vezes se reúnem em bandos de 10 a 30 indivíduos. Suas vozes altas, gritos e gritos ecoam pelo dossel da floresta. Araras vocalizam para se comunicar dentro do rebanho, marcar território e identificar um ao outro. Algumas espécies podem até imitar a fala humana.

Araras normalmente acasalam para a vida. Eles não só reproduzem, mas também compartilham alimentos com seus companheiros e desfrutam de cuidados mútuos. Na época de reprodução, as mães incubam os ovos enquanto os pais caçam e trazem comida para o ninho.

Existem pelo menos 17 espécies de araras, e várias estão ameaçadas de extinção. Essas aves brincalhonas são animais de estimação populares, e muitas são presas ilegalmente para esse comércio. As casas das florestas tropicais de muitas espécies também estão desaparecendo em um ritmo alarmante.

Ara rubrogenys (ararinha de testa vermelha) está correndo sério risco de extinção. Anodorhynchus glaucus (arara azul pequena) e cyanopsitta spixii (ararinha azul) já são consideradas aves extintas na natureza.

A História da Icônica Ararinha Azul

A Ararinha azul está extinta na natureza, mas várias aves em cativeiro são criadas, protegidas e conservadas por meio de um grande programa de reprodução em vários países do mundo. Esta arara foi descoberta pelo naturalista alemão Johann Baptist von Spix no nordeste árido do Brasil, por volta de 1819.

A ararinha azul é uma bela ave completamente azulada, relativamente pequena, medindo 56 cm de comprimento, uma envergadura de 64 cm e pesa entre 295 e 400 gramas. Sua longevidade é estimada em cerca de 28 anos na natureza, e outros 10 anos em cativeiro.

A plumagem azul torna-se mais escura nas asas e na cauda graduada. As penas inferiores são mais claros, bastante azul-cinza. As penas sub-caudais são cinza-claros e as partes inferiores das asas são cinza-pálido.

O pássaro vivia nas galerias florestais dentro das caatingas, com diversas variedades de árvores, cactos, euforbiáceas e outras plantas, especialmente a árvore “Tabebuia caraiba” usada para nidificação. Seu habitat natural é muito restrito ao longo dessas águas temporárias. Esta arara já viveu no vale do rio São Francisco, no nordeste do Brasil.

Está extinta na natureza, devido à perda de habitat, comércio ilegal e perseguição. Esta espécie viveu em um habitat muito restrito, e a perda quase total de seus locais de nidificação com a destruição das florestas de Tabebuia Caraiba desempenhou um papel importante nesta extinção.

Estas belas aves foram intensamente e ilegalmente presas para o comércio de aves ornamentais. Além disso, a introdução de abelhas africanizadas (apis mellifera scutellata) ou abate resultou em competição por cavidades de nidificação e abelhas mataram aves incubadas.

Ainda Existe Esperança?

No ano de 2016 uma ararinha azul foi flagrada e filmada em estado selvagem. O papagaio cinza-azulado de tamanho médio, que foi a inspiração para o filme de animação “Rio” (Blu em inglês), só havia sido visto pela última vez em 2000 e jaz considerado extinto na natureza. O último representante de vida livre da espécie, um macho, desapareceu abruptamente em 2000, após uma impressionante e desesperada tentativa de recuperação.

Este macho havia sido observado com uma fêmea de primolius maracana, e essas duas aves pareciam formar um casal. Para tentar uma reprodução futura, uma ararinha azul fêmea foi introduzida no território do macho, mas parece que a relação entre o macho e a fêmea da outra espécie era sólida, então a ararinha azul fêmea acabou rejeitada.

Casal de Primolius Maracanã
Casal de Primolius Maracanã

Mais tarde, depois de já passado muitos anos sem notícias concretas, um habitante local informou ter visto o corpo de uma ararinha azul fêmea debaixo de fios de alta tensão, eletrocutada. Desvaneceu-se então a esperança, embora os restos mortais dessa ave fêmea não tenha sido encontrado no local indicado. Quanto ao macho, também desapareceu logo depois, no ano 2000 como já mencionado.

O provável surgimento dessa ararinha azul capturada em vídeo dezesseis anos depois, portanto, reacendeu as esperanças de recuperação da espécie na natureza. Atualmente, 400 hectares são dedicados à reintrodução dessa espécie rara. Um aviário muito grande é instalado na zona de reintrodução, a fim de preparar a ave para sua liberdade futura.

Esta grande gaiola inclui algumas de suas árvores favoritas, bem como sua comida favorita e espaço suficiente para aprender a voar por longas distâncias. A arara precisa aprender a abrir uma noz dura depois de ter sido alimentada pelo homem por um longo tempo. Na região, a população local é educada e empacotada para proteger as araras contra os caçadores furtivos. As crianças pequenas aprendem tudo o que precisam saber sobre essa arara na escola.

Quanto a ave do vídeo, embora o vídeo seja retroiluminado e de má qualidade, a forma do pássaro em voo, a maneira como ele voa e sua voz confirmam que esta é uma ararinha azul de fato, de acordo com ornitologistas de um grupo de conservação sem fins lucrativos. Restava-se saber como foi que essa ave reapareceu repentinamente na natureza e também se seria possível usá-la como modelo para a reintrodução de outras da espécie junto a ela.

Porém, é provável que seja um ex-pássaro em cativeiro, porque os conservacionistas de olhos afiados e os moradores locais, que têm um profundo conhecimento de sua vida selvagem, teria visto um indivíduo selvagem há muito tempo. Infelizmente, quase nada se sabe sobre esse papagaio, porque não foi visto novamente desde o último avistamento de 2016, mas a área é muito grande, esses papagaios vagam por grandes extensões e algumas áreas são escarpadas e de difícil acesso.

Superação e Renovação

A ararinha azul ganhou grande representatividade no mundo inteiro. A história envolvendo a fêmea eletrocutada ganhou repercussão mundial e inspirou o filme de animação que conta a historinha de blu, uma ararinha azul macho que ganha uma parceira fêmea e vivem uma aventura cativante no Brasil. A possibilidade dessa ararinha solitária estar em nossa natureza agitou o mundo e renovou as esperanças. Essa falta de visão nos últimos dias não é muito preocupante.

Até onde sabemos, as raras e raras araras do Spix nunca foram muito numerosas. Por exemplo, esta espécie não foi vista viva novamente por 84 anos depois que o primeiro espécime foi coletado em 1819 pelo naturalista alemão Johann Baptist von Spix, nas margens do rio São Francisco, na parte norte do estado da Bahia, Brasil. A presença de uma ararinha selvagem é uma notícia bem-vinda, porque o pássaro poderia ajudar a orientar os pássaros criados em cativeiro, para que aprendam melhor a sobreviver em seu lar selvagem.

A extinção das espécies motivou vários criadores no Catar (Al Wabra Wildlife Preservation), na Alemanha (Associação para a Conservação de Papagaios ameaçados eV) e no Brasil (Fazenda Cachoeira) que mantêm os últimos remanescentes vivos dessa espécie em cativeiro para formar uma organização internacional, uma colaboração para criar este pássaro para que alguns dos descendentes possam ser libertados de volta à natureza em torno de Curaçá no futuro. Neste momento, existem cerca de 130 ararinhas em cativeiro.

Em um esforço para recuperar e restaurar o habitat da ararinha, que também está em perigo, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade iniciou o projeto Ararinha na Natureza, que criou mais de 100.000 acres de floresta protegida em torno da pequena cidade de Curaçá, em preparação para o retorno da ararinha azul. E a comunidade está eufórica sobre isso, esperando com grande expectativa pelo retorno da ave, pois a ararinha azul tornou-se agora uma espécie de símbolo da cidade. A esperança está de volta!

Veja também

Alimentação do Tubarão: O Que Eles Comem?

Os hábitos alimentares dos tubarões são muito diferentes se você levar em conta o número …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *