Home / Animais / Morcego-Arborícola-Gigante: Características, Fotos e Nome Científico

Morcego-Arborícola-Gigante: Características, Fotos e Nome Científico

Os morcegos fazem parte da ordem Chiroptera, é considerado um mamífero, e com uma das dietas mais variadas entre os animais, os morcegos comem desde sementes, frutos, pólen, néctar, até pequenos vertebrados, sangue ou peixe.

Entre os benefícios dos morcegos a humanidade, alguns deles são: dispersar as sementes, polinizar, comer insetos, aumentar nutrientes em cavernas, vetar doenças silvestres, entre outros.

Os morcegos estão associados na mente humana as mais antigas histórias da mitologia. Os mitos, mistérios e especulações são muito comuns em relação a eles. Mas, cada vez mais, os morcegos estão sendo desmistificados.

Hoje, iremos aprender um pouco sobre o morcego-arborícola-gigante. Onde ele vive, o que come, qual sua história, entre outros.

Nome Científico E Sua Classificação

O nome científico do morcego-arborícola-gigante é Nyctalus lasiopterus. Sua classificação se dá como:

Reino: animalia

Filo: craniata

Subfilo: vertebrata

Superclasse: gnathostomata

Classe: mammalia

Ordem: chiroptera

Família: vespertilionidae

Género: nyctalu

Características e Fotos

Na Europa, o morcego-arborícola-gigante é considerado o maior de todos. Com uma cabeça forte, robusto e com orelhas amplas, o seu pelo é considerado um pouco denso, sendo unicolor e também longo. As cores variam entre o castanha-avermelhado no seu dorso e ventre possui uma cor castanho-escuro.

Os pelos nos machos são um pouco mais longos do que o das fêmeas, e normalmente lembra as jubas de leões quando os pelos ficam arrepiados ou quando eles ficam agitados. Onde o morcego não possui pele são nas partes com cores pretas ou castanhas, e as suas asas possuem bastante pelos da cor castanha, principalmente na parte inferior.

Como o morcego-arborícola-gigante é, como o seu próprio nome diz, é muito grande, não existem espécies similares ou passíveis de confusão em Portugal, então normalmente quando ele é avistado, logo já se sabe qual espécie se trata.

Sua distribuição na Europa se dá de maneira amplas, porém bastante fragmentada. Os dados que há em Portugal sobre a espécie é muito pouco e insuficiente, mas dá para se dizer que em todo o território nacional a distribuição seja da mesma forma, com densidades muito baixas e ao mesmo tempo fragmentado.

O morcego-arborícola-gigante assim como os outros morcegos, possui um sistema de eco localização. Através de sinas emitidos pelos morcegos um som inaudível para os seres humanos, o sinal reflete nos obstáculos do ambiente e retornam para o morcego, e é assim que ele se movimenta e desvia das coisas.

A frequência do morcego-arborícola-gigante costuma ser acima dos 28ms, sendo ela também frequente e sua emissão é considerada baixa, entre cerca de 14 até 23 kHz. Em locais que são bastante abertos, os chamamentos que são denominados longos são entre 17 até 20 kHZ e, esse sim, dá para ser ouvido pelos ouvidos humanos.

As fêmeas costumam ficar grávidas no início do Outono, há alguns estudos, porém ainda não é um consenso se nascer gêmeos é ou não normal nesta espécie. Quando o mês de junho começa, as crias costumam nascer, e com um peso que varia entre 9 a 10 cm, e com seus antebraços que costumam medir entre 26 e 27 mm.

Na Espanha, alguns abrigos de criação foram encontrados contendo mais de 80 morcegos, sendo o grupo composto apenas por morcegos do gênero feminino, e foi descoberto também que em alguns países o morcego-arborícola-gigante pode compartilhar seu abrigo junto dos morcegos da espécie Nyctalus leisleri e noctula.

Nyctalus Leisleri
Nyctalus Leisleri

A mobilidade desses morcegos se dá em um voo de longas distâncias, no verão na Grécia costuma ter uma ausência muito grande das fêmeas, e no inverno, há menos migrações sazonais.

Alimentação e Onde Vivem

A alimentação base do morcego-arborícola-gigante são grandes insetos, como, por exemplo, traças, odonatas e alguns tipos de escaravelhos, e esses alimentos costumam ser caçados em locais abertos. Na Itália, na Espanha e na Grécia, foi encontrado também nas fezes um pouco de restos de aves.

O habita natural do morcego-arborícola-gigante são as espécies de florestas com folhosas muito bem desenvolvidas, ou as que são parecidas com essas. Nas árvores, cavidades ou buracos servem como abrigo para diversas espécies. Em cidades, eles poderão ocupar sótãos ou buracos em concretos de prédios e edifícios. Durante a noite, para caçar, vão se afastar no máximo 25km e depois voltam para o seu abrigo.

Filhote Morcego-Arborícola-Gigante
Filhote Morcego-Arborícola-Gigante

Apesar de em Portugal a espécie ser encontrada em diversos habitats, sua preferência sempre será em florestas autóctone e zonas ribeirinhas.

Na Europa, costuma ser encontrado em países no sul ou centro, visto também na África, na parte norte, na Ásia menor e em Cáucaso.

Medidas de Conservação e Fatores De Ameaça

Alguns fatores muito conhecidos e atuais podem influenciar na conservação dessa espécie. Como o morcego-arborícola-gigante vive em áreas com muita mata, a diminuição das árvores acaba atrapalhando ou impedindo que ele encontre um lugar para se abrigar. Com a diminuição das árvores, não apenas a área de habitação é afetada, mas também a alimentação. Com menos florestas, menos insetos terá.

Outro fator que costuma ser horrível para a espécie é a disseminação e uso constante de pesticidas. Esses produtos e substâncias químicas não apenas pode matar algumas presas do morcego, mas também pode os contaminar com doenças, e a doença pode ser espalhada de forma muito rápida entre outros da espécie.

Como existem poucos dados sobre o morcego-arborícola-gigante, o ideal e mais promissor, é o aumento de pesquisas sobre a espécie, para que se possa contabilizar quantos morcegos existem atualmente, onde existe o maior número deles, e assim, um plano realmente efetivo poderá ser criado.

No mais, ações simples e esperadas são: conservação das grandes florestas, árvores antigas, instalações de caixas-abrigo em locais que não há muitas tocas ou abrigos, uma diminuição do uso de pesticidas, entre outros, são muito importantes.

O morcego-arborícola-gigante é uma das várias espécies de morcegos que precisam de mais cuidado, mais estudo e mais atenção. A sua existência a longo prazo, como foi citado, traz diversos benefícios, e não podemos deixar um animal tão benéfico assim ser extinto.

E você? Alguma vez já viu um morcego-arborícola-gigante? Conte para a gente nos comentários a sua experiência.

Veja também

Ciclo de Vida do Pinguim: Quantos Anos Eles Vivem?

Entender o ciclo de vida de um animal é essencial para estudar ainda mais profundamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *