Home / Animais / Lúnula Bolacha do Mar: Partes do Corpo da Bolacha do Mar

Lúnula Bolacha do Mar: Partes do Corpo da Bolacha do Mar

As bolachas do mar são um tipo de invertebrado relacionado aos ouriços-do-mar, as estrelas-do-mar e os pepinos-do-mar, todos esses conhecidos como equinodermes. Os equinodermos são os parentes invertebrados vivos mais próximos dos vertebrados, então nosso primo invertebrado mais próximo pode ser apenas uma bolacha do mar. Anatomicamente, uma bolacha do mar é muito parecido com um ouriço do mar achatado com espinhas menores, mais parecidas com pêlos.

Bolacha do Mar

Bolacha do mar é o nome brasileiro dado a qualquer um dos animais marinhos invertebrados da ordem clypeastroida (classe echinoidea, filo echinodermata) que tem um corpo plano, em forma de disco. Eles são parentes próximos de ouriços do mar e ouriços do coração.

Bolacha do mar é particularmente bem adaptado para escavação em substratos arenosos. Espinhos muito pequenos usados para cavar e rastejar cobrem toda a superfície de seu corpo e são recalcados para trás em direção ao ânus posterior. A boca está localizada no centro do lado de baixo do corpo.

A superfície superior exibe simetria penta rádica, com um padrão de cinco “pétalas” se espalhando do centro. Algumas espécies encontradas encalhadas nas costas norte do Oceano Atlântico têm cinco ou seis lúnulas, através do esqueleto externo. A maioria das bolachas do mar mede de 5 a 10 cm de diâmetro. Espécies de tamanho comparável ocorrem em águas costeiras rasas em todo o resto do mundo, exceto na Europa e na Antártida.

Bolacha do Mar – Lúnulas E Partes Do Corpo

Os clypeastróides são como ouriços do mar irregulares de forma achatada, geralmente discoides. Seus corpos podem ter “indentações” e/ou perfurações chamadas lúnulas. Os radíolos são geralmente muito pequenos (como tapete de pêlos finos) para permitir uma melhor progressão na areia. A boca ocupa uma posição central, e a lanterna de Aristóteles (mastigador) lembra a forma de um redemoinho (?).

O ânus migrou para uma borda do esqueleto externo, para formar um “dorso”: essas bolachas do mar têm um eixo antero-posterior e uma simetria axial bilateral (que não é o caso de ouriços do mar padrão cuja simetria é radial). O sistema apical dos clipeastroides é composto de uma grande placa central e cinco minúsculas placas terminais.

O rosto aboral é decorado com uma “flor” de 5 pétalas, que são na verdade as ambulacres; cada placa ambulacral tem múltiplos poros sendo muitos desses evidentes. Notamos dois grandes grupos morfológicos nesta ordem: os clypeasterina, muitas vezes angulares, mais ou menos de fronte espessa scutellina, em forma de disco.

O esqueleto externo (também chamado de ‘teste’) consiste em placas de carbonato de cálcio dispostas em um padrão radial quíntuplo. Em indivíduos vivos, o ‘teste’ é coberto por uma pele de espinhos com textura de veludo como já dissemos, que são cobertos com pêlos muito pequenos (cílios). Movimentos coordenados dos espinhos permitem que as bolachas do mar se movam pelo leito dos oceanos.

Os espinhos aveludados das bolachas do mar vivas aparecem em uma variedade de cores: verde, azul, violeta ou roxo, dependendo da espécie. Indivíduos que morreram ou recentemente convalescentes (moribundos) são às vezes encontrados em praias com grande parte da morfologia externa ainda intacta. Indivíduos mortos são comumente encontrados com seu ‘teste vazio’, desprovido de todo o material da superfície e branqueado pela luz solar.

Bolacha do Mar na Mão de um Homem
Bolacha do Mar na Mão de um Homem

O padrão semelhante a uma pétala em bolachas do mar consiste em cinco fileiras de poros pareados. Os poros são perfurações no endosqueleto através do qual provavelmente a espécie troca de gás do corpo. A boca da bolacha do mar está localizada no fundo de seu corpo, no centro do padrão semelhante a uma pétala, enquanto o ânus está localizado na parte de trás, e não no topo, como na maioria dos ouriços.

Estilo de Vida E Habitat

Bolachas do mar vivem além da linha de água baixa média em cima ou logo abaixo da superfície de áreas arenosas ou lamacentas. Os espinhos na parte inferior do animal, um tanto achatada, permitem que ela se enterre ou se desloque lentamente através do sedimento. Junto há também os cabelo como cílios cobrindo os minúsculos espinhos.

Podem alinhar as ranhuras sobre os alimentos a fim de movê-los para a abertura da boca, que está no centro das ranhuras em forma de estrela na parte inferior do animal (chamado de superfície oral). Sua comida consiste de larvas de crustáceos, pequenos copépodes, diatomáceas, algas e detritos.

No fundo do oceano, as bolachas do mar são freqüentemente encontradas juntas. Isto deve-se em parte à sua preferência por áreas de fundo macio, que são convenientes para a sua reprodução. Os sexos são separados e, como a maioria dos equinoides, os gametas são liberados na coluna de água e são concebidos por fertilização externa. As larvas se metamorfoseiam por vários estágios antes que o esqueleto externo comece a se formar, quando então se tornariam bentônicos.

Os cientistas descobriram que as larvas da bolacha do mar se clonam como mecanismo de autodefesa. A clonagem é um mecanismo reprodutivo assexual, em que o custo é suportado pela larva tanto em recursos como em tempo de desenvolvimento. As larvas submetem-se a esse processo quando a comida é abundante ou as condições de temperatura são ótimas. Também deduz-se que a clonagem talvez ocorra para utilizar os tecidos que são normalmente perdidos durante a metamorfose.

As larvas menores são mais capazes de escapar da detecção por peixes, mas podem ser mais vulneráveis à predação por animais menores, como fases larvárias pelágicas e planctônicas de crustáceos. Bolachas do mar em sua forma madura têm poucos predadores naturais, embora as aves marinhas e algumas espécies de estrelas do mar sejam conhecidas por comê-las de vez em quando.

Curiosidades Sobra a Bolacha Do Mar

Bolachas do mar não são brancas, como muitas vezes é como as vemos em lojas de presentes. Quando estão vivas, na verdade possuem outras cores e são cobertas de minúsculas cerdas flexíveis. Quando elas morrem, seus esqueletos são branqueados pelo sol, tornando-as brancas, e os pequenos espinhos se desvanecem. O familiar padrão de estrelas visto claramente na concha branqueada é mais oculto quando elas estão vivas.

Os minúsculos espinhos móveis da bolacha do mar, que abrangem toda a concha, são o que permite que ela coma uma dieta de larvas de crustáceos, pequenos copépodes e algas. Sua boca tem uma mandíbula com cinco seções parecidas com dentes para moer a comida, o que pode fazer por até 15 minutos antes de engolir. Pode levar dois dias para digerir a comida.

A bolacha do mar tem cinco conjuntos de poros dispostos em um padrão de pétala que são usados para mover a água do mar para seu sistema interno de água vascular e permitir assim que se movimente. Pra ficar paradas, no entanto, as bolachas do mar podem fincar-se em uma extremidade com a outra extremidade enterrada na areia. Se a água do mar estiver muito agitada, elas se deitam ou se enterram sob a areia para se manterem firmes.

Bolachas do mar também desenvolveram outros truques para se manter quietas em um ponto. Os adultos podem crescer esqueletos mais pesados e jovens bolachas do mar engolem grãos de areia para ajudar a pesá-las e se manterem firmes onde estão.

Se você acha que dividir um quarto com alguém é incômodo e perturbador às vezes, agradeça por não ter nascido bolacha do mar então. Imagine centenas de membros da família embolados quase todos no mesmo espaço? Pesquisadores afirmam que podem viver mais de 600 bolachas do mar em um único metro quadrado.

Assim como contar os anéis em um tronco de árvore, você pode contar os anéis de crescimento nas placas do exoesqueleto para ver quantos anos tem uma bolacha do mar, de acordo com pesquisadores. Elas geralmente vivem de seis a dez anos.

Veja também

Ficha Técnica do Macaco: Peso, Altura, Tamanho e Imagens

Os macacos são animais típicos de ambientes tropicais ou equatoriais, que conseguem se adaptar muito …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *