Home / Animais / Lista de Nomes de Especies de Baleias e Tipos Existentes com Fotos

Lista de Nomes de Especies de Baleias e Tipos Existentes com Fotos

Cetáceos… este táxon inclui os maiores animais que existiram na Terra, incluindo as 14 espécies de baleias, incluindo a baleia azul. Eles são considerados um dos grupos de espécies mais divergentes de outros mamíferos. Essas espécies são conhecidas por terem uma inteligência notável.

A disciplina da zoologia que os estuda chama-se cetologia. Sua caça também desempenhou um importante papel econômico para muitos países, mas agora é muito limitada. Vamos analisar um pouco de cada uma dessas espécies?

Ziphius Cavirostris

Este é o nome científico da baleia bicuda de cuvier. Também é conhecida em alguns países como baleia de ganso. Apesar de ser considerada uma espécie abundante, sua aparição é tida como discreta nos mares e o conhecimento sobre ela não é tão extenso. Essa baleia mede em torno de 06 metros e pesa cerca de 05 ou até 07 toneladas.

Uma característica marcante nessas baleias são os riscos ou marcas que se estendem por todo o corpo dessa baleia como se fossem cicatrizes. São tantas espalhadas por todo o seu corpo que pensa-se ser até uma forma de impressão digital pois é dificílimo imaginar que existam duas com essas marcas exatamente iguais pelo corpo.

Não existem dados concludentes sobre a distribuição dessas baleias, mas em geral elas são muito vistas pelo Mar Mediterrâneo, pelo mar do Japão e também pela região do Havaí.

Tasmacetus Shepherdi

Este é o nome científico da baleia bicuda de shepherd. É considerada uma espécie circumpolar baseada nos poucos encontros com espécies no hemisfério sul. Elas são conhecidas principalmente de algumas dezenas de encostas, todas ao redor da Nova Zelândia, sul da Austrália, sul da América do Sul, Ilhas Juan Fernández e Tristão da Cunha.

Avistamentos confirmados foram do sul da Austrália e da Tasmânia, Nova Zelândia, e águas oceânicas do Atlântico Sul. É possível que a espécie seja um pouco mais difundida do que os registros limitados sugerem, uma vez que não era provável que fosse identificada com precisão no mar até sua recente re-descrição em 2006.

Tasmacetus Shepherdi

Esta espécie geralmente vive longe da costa; no entanto, onde há uma plataforma continental estreita, elas podem às vezes ocorrer em águas profundas perto da costa. A informação sobre esta espécie é derivada de um número muito limitado de avistamentos verificados e um punhado de encalhamentos, portanto suas preferências de habitat permanecem pouco compreendidas.

Mesoplodon Bidens

Este é o nome científico da baleia bicuda de sowerby. Esta espécie vive no Oceano Atlântico ocidental de Nantucket a Labrador e o Atlântico oriental da Madeira ao Mar da Noruega. Geralmente vive em águas de 200 a 1.500 metros de profundidade. Muito pouco se conhece da biologia populacional desta espécie. É um dos mesoplodontes mais comumente vistos em algumas partes de sua gama.

Tal como acontece com outros membros do gênero, essas baleias ocorrem quase exclusivamente em águas profundas além da borda da plataforma continental. Embora seja uma das espécies de mesoplodon mais comumente encalhadas , houve poucas observações no mar e é pouco conhecida. As baleias de bico de sowerby são conhecidas quase exclusivamente das águas mais frias do Atlântico Norte.

Não se acredita que seja incomum, mas é potencialmente vulnerável a ameaças de baixo nível e uma redução global de 30% ao longo de três gerações não pode ser descartada.

Bowdoini Mesoplodon

Este é o nome científico da baleia bicuda de bowdoin. É considerada uma baleia de aspecto corporal bastante massivo comparado a outros membros do gênero mesoplodon. Essa baleia vive no hemisfério sul e sua distribuição exata é incerta. Esta distribuição pode ser circumpolar, no entanto, nenhuma observação apoiou esta tese.

Bowdoini Mesoplodon

Cerca de 35 espécimes encalhados foram registrados na Austrália e Nova Zelândia, Ilha Macquarie, Malvinas, País de Gales e no Arquipélago Tristão da Cunha. Também houve encalhes registrados no Kerguelen. O comportamento da espécie é completamente desconhecido. Fêmeas adultas podem atingir 4,9 m de comprimento, machos 4,5 m.

Mesoplodon Carlhubbsi

Este é o nome científico da baleia bicuda de hubbs. Muito pouco se sabe sobre a biologia desta espécie já que foram feitos poucos avistamentos confiáveis ​​no mar. Além de sua distribuição no Pacífico Norte, as preferências específicas de habitat das baleias de bico de hubbs não são conhecidas com certeza.

No entanto, como outros membros do gênero, a espécie é encontrada em águas oceânicas profundas. Elas parecem se alimentar de lulas (incluindo os gêneros gonatus, onychoteuthis, octopoteuthis, histioteuthis e mastigoteuthis) e alguns peixes de águas profundas. Os produtos de carne de baleia desta espécie ocasionalmente aparecem no mercado japonês.

A baleia de bico de hubbs é conhecida do centro da Columbia Britânica para o sul da Califórnia no leste, e do Japão (incluindo o Mar do Japão) no oeste. Embora a grande maioria dos registros seja de encalhes, avistamentos foram feitos ao largo da costa de Oregon e Washington.

Mesoplodon Densirostris

Este é o nome científico da baleia bicuda de blainville. É a maior e provavelmente a mais bem documentada baleia do mundo. A espécie parece ser bastante comum na maioria dos mares tropicais.  Esta espécie é pescada artesanalmente. Mas a espécie é pouco conhecida no que diz respeito à abundância, padrões migratórios, taxas de capturas acessórias e capturas diretas.

Mesoplodon Densirostris

Estas podem ser áreas de maior disponibilidade de presas causadas por interações de correntes e topografia local. As lulas são aparentemente os principais itens alimentares, mas alguns peixes em águas profundas também podem ser consumidos. Como a maioria dos cetáceos da família, acredita-se que sejam alimentadores de sucção.

Mesoplodon Europaeus

Este é o nome científico da baleia bicuda de gervais. O habitat preferido dessas baleias parece ser as águas temperadas e tropicais mornas. Como outros membros do gênero, a espécie prefere águas profundas com base na presença de presas de tais habitats no conteúdo estomacal e na falta de avistamentos próximos à costa.

Sabe-se que as baleias de bico de gervais se alimentam principalmente de lulas, embora alguns peixes também possam ser tomados. Há também um registro de um camarão misterioso encontrado no estômago de um espécime encalhado. Algumas vezes essa baleia é descrita como uma endemia do Atlântico Norte.

Porém, pode se afirmar que provavelmente está distribuída em águas profundas através do Oceano Atlântico tropical e temperado, tanto a norte como a sul do equador. Não há estimativas de abundância para a espécie.

Mesoplodon Ginkgodens

Este é o nome científico da baleia bicuda de ginkgo. São baleias encontradas nas águas temperadas tropicais e quentes do Indo-Pacífico. Como outras espécies do gênero, acredita-se que ocorram principalmente em águas profundas e no alto mar.

Esta baleia é conhecida a partir de apenas algumas dúzias de encalhes e capturas dispersas em águas temperadas e tropicais do Oceano Indo-Pacífico, do leste do Sri Lanka até a costa da América do Norte. Houve alguns registros da Nova Zelândia e Austrália, indicando que esta espécie também habita o sul do Indo-Pacífico. A maioria dos registros é dos mares ao redor do Japão.

Mesoplodon Grayi

Este é o nome científico da baleia bicuda de gray. A baleia de bico de gray ocorre principalmente em águas profundas além da borda da plataforma continental. Alguns avistamentos foram feitos em águas muito rasas; geralmente de animais doentes chegando à praia. Esta espécie pode não ser tão rara quanto algumas outras espécies do gênero mesoplodon, com base no número de registros.

Em particular, eles parecem ser bastante comuns na Nova Zelândia, com base na frequência de encalhes. Essa baleia é primariamente uma espécie de clima temperado frio do hemisfério sul, que aparentemente é circunjacente à ocorrência. Muitos dos registros de encalhe são da Nova Zelândia, sul da Austrália, África do Sul, Argentina, Chile e Peru.

Mesoplodon Grayi

Existem muitos registros de observação dessa baleias também nas águas antárticas e subantárticas, e nos meses de verão aparecem perto da Península Antártica e ao longo das margens do continente (às vezes no gelo marinho).

Mesoplodon Hectori

Este é o nome científico da baleia bicuda de hector. Na única identificação confirmada conhecida desta espécie viva no mar, um único indivíduo foi observado em águas rasas, perto da costa na Austrália Ocidental, quase definitivamente atípico para as espécies. Presume-se que ocorra em águas profundas além da borda da plataforma continental, assim como outros membros do gênero.

Mesoplodon Hectori

A baleia de bico de hector é considerada uma espécie fria de clima temperado do Hemisfério Sul. Os registros (na maior parte encalhamentos) são do sul da América do Sul, África do Sul, sul da Austrália e Nova Zelândia. O registro de avistamento confirmado é do sudoeste da Austrália. Embora não haja registros atuais do centro e leste do Oceano Pacífico, o alcance pode ser circumpolar.

Mesoplodon Layardii

Este é o nome científico da baleia bicuda de layard. Como todas as baleias de bico, estas baleias ocorrem principalmente em águas profundas além da borda da plataforma continental. A dieta é composta quase inteiramente de lulas oceânicas, algumas ocorrendo a grandes profundidades

Mesoplodon Layardii

Aparentemente essa baleia têm uma distribuição contínua em águas frias e temperadas do hemisfério sul. Tem havido encalhes na África do Sul, Austrália, Tasmânia, Nova Zelândia, Ilhas Kerguelen, Ilha Heard, Argentina, Uruguai, Brasil e Ilhas Falkland. A sazonalidade dos encalhes sugere que esta espécie pode migrar. Há alguma evidência de segregação sexual na distribuição.

Mesoplodon Mirus

Este é o nome científico da baleia bicuda de true. Uma baleia que atinge cerca de 5,3 m para um peso de 1400 kg para fêmeas e 1010 kg para machos. Como muitas de seu gênero, ela parece um golfinho. Ela foi vista vivendo em pequenos grupos, e presume-se que ela se alimenta principalmente de lulas e também podem pescar, pelo menos ocasionalmente. É provavelmente uma espécie pelágica de águas profundas.

As baleias de bico de true parecem ter uma distribuição dis-tropical e anti-tropical. No hemisfério norte, eles são conhecidos apenas no Atlântico Norte, desde registros no leste da América do Norte (Nova Escócia à Flórida), Bermuda, Europa até as Ilhas Canárias, o Golfo da Biscaia e os Açores. Eles também ocorrem pelo menos no sul do Oceano Índico, da África do Sul, Madagascar, sul da Austrália e da costa Atlântica do Brasil.

Mesoplodon Mirus

Até recentemente, as baleias de bico de true raramente eram identificadas no mar e não há estimativas de abundância. No entanto, a espécie não é considerada rara no Atlântico Norte.

Mesoplodon Perrini

Este é o nome científico da baleia bicuda de perrin. Os avistamentos que se pensa serem dessa espécie ocorreram em águas profundas. Todos os cinco exemplares até agora examinados foram do sul e centro da Califórnia e é provável que esta espécie seja endêmica do Oceano Pacífico Norte (possivelmente até o Pacífico Norte oriental). Pode ser confundido com os outros mesoplodons do Pacífico Norte.

Mesoplodon Perrini

Muito poucas observações foram feitas, mas parece que se move sozinho ou em pequenos grupos. Esta espécie é conhecida apenas por encalhamentos na costa da Califórnia e algumas observações no mar.

Mesoplodon Peruvianus

Este é o nome científico da baleia bicuda pigmeia. Esta baleia é conhecida a partir de um punhado de espécimes e dezenas de avistamentos do Pacífico tropical/temperado quente do leste, incluindo o Golfo da Califórnia. Esta espécie pode ser uma endemia do Pacífico oriental. No entanto, há um único registro de um encalhe na Nova Zelândia, possivelmente sugerindo que essa espécie pode ter uma distribuição mais extensa do que se acreditava anteriormente.

Mesoplodon Peruvianus

Alternativamente, o registro da Nova Zelândia pode ser um desvio fora de rota. Algumas baleias pigmeias são capturadas incidentalmente em redes de emalhar de deriva para tubarões no Peru. O entrelaçamento em artes de pesca, especialmente redes de espera em águas profundas é provavelmente a ameaça mais significativa.

Mesoplodon Stejnegeri

Este é o nome científico da baleia bicuda de stejneger. São encontradas nas águas continentais e oceânicas da Bacia do Pacífico Norte, do sul da Califórnia, norte até o Mar de Bering, e sul até o Mar do Japão (presumivelmente incluindo pelo menos o sul do Okhotsk Sea). Esta parece ser primariamente uma espécie fria temperada e subártica, e esta é provavelmente a única espécie do gênero comum nas águas do Alasca. É mais comumente encalhado no Alasca, especialmente ao longo das Ilhas Aleutas.

Mesoplodon Stejnegeri

Além disso, tem havido um grande número de encalhes (pelo menos 34) ao longo da costa do Japão no Mar do Japão, e muito menos ao longo da costa do Pacífico. O grande pico de encalhes nessa área no inverno e na primavera sugere que as espécies podem migrar para o norte no verão.

Mesoplodon Traversii

Este é o nome científico da baleia bicuda de bahamonde. Ela era conhecida apenas com base em partes do esqueleto até que uma mãe de cinco metros e seu filhote, foram encontrados inteiros em uma praia da Nova Zelândia. Ainda assim, nada se sabe sobre o habitat desta espécie. Os três exemplares até agora examinados vieram da Nova Zelândia (Ilha Branca e Ilhas Chatham [Ilha Pitt]) e Chile (Ilha Robinson Crusoé no Arquipélago Juan Fernandez).

Mesoplodon Traversii

Portanto, esta é provavelmente uma espécie do hemisfério sul (possivelmente circum-antártica). No entanto, pode ser muito mais amplamente distribuído, e até que mais registros estejam disponíveis, isso permanecerá desconhecido.

Indopacetus Pacificus

Este é o nome científico da baleia bicuda de longman. Os avistamentos desta espécie vêm de locais dispersos, muitos em profundas águas oceânicas, no Indo-Pacífico tropical para o subtropical. Embora certamente não seja a mais rara das baleias bicudas, a escassez de avistamentos recentes dela indicam também que não é particularmente comum.

Indopacetus Pacificus

Houve muitos avistamentos em locais espalhados nos oceanos tropicais Pacífico e Índico. Essas baleias são relativamente pouco vistas no Pacífico tropical oriental e podem ser mais comuns no Pacífico ocidental. Elas também parecem ser mais comuns no Oceano Índico ocidental, especialmente ao redor do arquipélago das Maldivas.

Hyperoodon Ampullatus

Este é o nome científico da baleia bicuda de cabeça plana do norte. Esta espécie foi fortemente explorada no passado para múltiplos propósitos, mas agora existe apenas uma pescaria em pequena escala nas Ilhas Faroe. Baleias cujos maiores comprimentos foram observados em machos com cerca de 09 metros e pesando em torno de 10 toneladas.

Essas baleias temperadas e subárticas são encontradas em águas profundas, principalmente em direção ao mar da plataforma continental (e geralmente acima de 500 a 1.500 m de profundidade) e próximo a desfiladeiros submarinos. Eles às vezes viajam vários quilômetros em campos de gelo quebrados, mas são mais comuns em águas abertas.

São baleias encontradas apenas no Atlântico Norte, desde a Nova Inglaterra, EUA até a Ilha de Baffin e no sul da Groenlândia a oeste e do Estreito de Gibraltar até Svalbard no leste.

Hyperoodon Planifrons

Este é o nome científico da baleia nariz de garrafa do sul. No Brasil também é chamada de botinhoso do sul. Essa baleia raramente é encontrado em águas com menos de 200 m de profundidade. No verão, essa espécie é vista com mais frequência em cerca de 100 km da borda de gelo da Antártida, onde parece ser relativamente comum.

Hyperoodon Planifrons

Elas têm uma distribuição circumpolar no hemisfério sul. Existem áreas conhecidas de concentração nos setores do Oceano Atlântico e do Oceano Índico Oriental de sua faixa. Isso inclui alguns bons avistamentos nos mares do sul no Brasil.

Berardius Arnuxii

Este é o nome científico da baleia bicuda de arnoux. Esta espécie geralmente ocorre em águas profundas, temperadas e subpolares frias, especialmente em áreas com encostas de fundo íngreme além da borda da plataforma continental. A espécie parece bem adaptada à vida em águas cobertas de gelo e pode ser capaz de explorar recursos alimentares inacessíveis a outros predadores na região.

Berardius Arnuxii

São encontradas em um padrão circumpolar no hemisfério sul, desde o continente antártico até as bordas de gelo, podendo no Atlântico Sul da América do Sul. A maioria dos avistamentos relatados são do Mar da Tasmânia e ao redor da Cordilheira do Albatroz no Pacífico Sul. A esmagadora maioria dos encalhes tem vindo da Nova Zelândia. Os registros mais ao norte são encalhamentos do Brasil, Argentina, África do Sul e Austrália.

Berardius Bairdii

Este é o nome científico da baleia bicuda de baird. As baleias bicudas de baird se movem em grupos pequenos e intimamente relacionados de 3 a 10 indivíduos, grupos de 50 sendo observados em circunstâncias excepcionais. Esta espécie é caçada para fins culinários. É principalmente no oeste do Pacífico Norte que essas baleias são exploradas há séculos.

Berardius Bairdii

São supostamente consideradas abundantes no Mar do Japão, Mar de Okhotsk e Oceano Pacífico, mas seus limites distributivos em águas oceânicas do meio-Pacífico também não são bem conhecidos. Embora não exista necessariamente um controle da cota anual das baleias de bico de baird, presume-se que os atuais níveis de captura durante um curto período não afetariam seriamente a subpopulação.

Physeter Macrocephalus

Este é o nome científico da baleia cacharréu; aquela que conhecemos mais com cachalote. Essa é uma das baleias mais famosas e já ganhou muita notoriedade em filmes, desenhos e documentários, principalmente por causa daquela cachalote de 25 metros que afundou um baleeiro americano no século 19. Já ouviu falar em moby-dick? Pois é inspirado nessa baleia.

Apesar da fama, espécies tão grandes hoje em dia são extremamente raras ou talvez já inexistentes e tudo graças a caça implacável do homem, pra variar. Apesar das restrições que proibiram a caça em grande escala da espécie, a pesca em pequena escala continua no Japão e na Indonésia. O habitat do cachalote é o mar aberto.

Pode ser visto em quase todas as regiões marinhas, desde o equador até altas latitudes, mas geralmente é encontrado em encostas continentais ou águas mais profundas. A distribuição se estende a muitos mares fechados ou parcialmente fechados, como o Mar Mediterrâneo, o Mar de Okhotsk, o Golfo da Califórnia e o Golfo do México.

Kogia Breviceps

Este é o nome científico da cachalote pigmeu. Diferente da cachalote acima, aqui falamos de uma baleia que mede em torno de 3,5 m e pesa menos de meia tonelada. Apesar do nome comum, essa baleia não é uma versão em miniatura da cachalote e nem tem características tão semelhantes assim com a anterior.

Kogia Breviceps

A cachalote pigmeu é raramente vista no mar; tende a viver a uma grande distância da costa e tem hábitos pouco visíveis. Estudos de hábitos alimentares, baseados no conteúdo estomacal de animais encalhados, sugerem que esta espécie se alimenta em águas profundas, principalmente de cefalópodes e, menos frequentemente, de peixes de profundidade e camarões.

Kogia Simus

Este é o nome científico da cachalote anã, pertencente ao mesmo gênero e, portanto, prima da anterior. Uma baleia que se desenvolve até uma média inferior a 3 m e peso médio de 250 kg. Existe caças a essa baleia mas num nível muito baixo. A espécie ocorre no mar do Japão e no golfo Pérsico.

Kogia Simus

Esta espécie parece estar amplamente distribuída em águas offshore de zonas temperadas tropicais e quentes, aparentemente preferindo águas mais quentes e talvez mais águas marítimas. Sua distribuição mostra um pouco mais de uma preferência por águas mais quentes do que a do cachalote pigmeu; essa espécie provavelmente não alcança tanto as águas de alta latitude.

Globicephala Macrorhynchus

Este é o nome científico da baleia piloto de aleta curta. Pra variar, os baleeiros japoneses são os maiores responsáveis por caçar a espécies, mas também são capturadas em São Vicente e Granadinas e na Indonésia. A carne é vendida localmente em todos os três locais.

Essas baleias são geralmente nômades embora residentes ou pelo menos populações semi-residentes tenham sido documentadas no Havaí, no Arquipélago da Madeira e litoral da Califórnia. No Japão, a espécie ocorre dentro da Corrente Kuroshio aquecida e da Corrente de Contagem de Kuroshio ou limitada a uma área menor dentro da Corrente Oyashio, rica e rica em nutrientes.

Globicephala Melas

Este é o nome científico da baleia piloto de barbatana longa. Esta espécie está intimamente relacionada com a anterior, quase como irmãs. A duas maiores diferenças notáveis pode estar no fato dessa baleia aqui ter barbatanas peitorais mais longas e também no seu alcance geográfico diferente da sua irmã globicéfalo.

Globicephala Melas

As únicas prováveis sobreposições entre as duas baleias no mar se limita a algumas áreas, incluindo a costa leste dos Estados Unidos, a costa leste da Austrália e as duas costas da América do Sul e da África. Mas evidências indicam que a baleia piloto de barbatana longa procurar nadar em águas mais quentes que a baleia piloto de aleta curta.

Orcinus Orca

Este é o nome científico da mal afamada baleia orca assassina. Nem é uma das maiores baleias; dificilmente atinge medidas superiores a dez metros. Também não é uma das baleias mais pesadas; dificilmente passa das dez toneladas. Ainda assim, é considerada uma baleia assassina pois não perdoa quase nada que puder capturar no mar, inclusive humanos. Calma, elas não se alimentam de humanos!

As orcas se alimentam de de uma grande variedade de presas, incluindo a maioria das espécies de mamíferos marinhos (exceto golfinhos e peixes-boi), aves marinhas, tartarugas marinhas, muitas espécies de peixes (incluindo tubarões e raias) e cefalópodes. A orca assassina é a mais cosmopolita de todas as espécies de cetáceos e pode ser a segunda espécie de mamíferos mais abrangente do planeta.

Balaenoptera Acutorostrata

Este é o nome científico da baleia minke. Ocorre em águas costeiras e no mar e explora uma variedade de espécies de presas em diferentes áreas de acordo com a disponibilidade. Também é conhecida como baleia anã ou baleiote, não tanto por suas medidas visto que tem altura e peso semelhante a orca, mas devido suas características físicas.

Balaenoptera Acutorostrata

A baleiote é uma espécie cosmopolita encontrada em todos os oceanos e em quase todas as latitudes, ocorrendo no Atlântico Norte, no Pacífico Norte, em todo o Hemisfério Sul e possivelmente também no norte do Oceano Índico. Elas foram pesadamente caçadas no passado, e caça em um nível reduzido está em curso em partes do Atlântico Norte e Pacífico Norte.

Balaenoptera Bonaerensis

Este é o nome científico da baleia minke austral. É uma espécie intimamente relacionada com a irmã anterior, a baleia minke, mas frequenta apenas os mares da antártica, embora haja registros da espécie fora desse habitat no verão. Se bem que os dados de avistamentos dela são ambíguos com relação à identificação como baleias minke austrais ou comuns, de tal forma que não está claro se um número significativo de baleias minke antárticas ocorre mesmo fora da Antártida no verão.

Balaenoptera Bonaerensis

As baleias minke austrais são caçadas sob permissão especial emitida pelo governo do Japão para fins científicos, de acordo com o Artigo VIII da Convenção Internacional para Regulamentação da Pesca da Baleia. Os produtos das baleias tiradas sob licenças especiais são vendidos apenas no mercado interno japonês.

Balaenoptera Borealis

Este é o nome científico da baleia boreal. A baleia boreal é uma espécie cosmopolita, com distribuição principalmente offshore. A espécie ocorre no Atlântico Norte, Pacífico Norte e Hemisfério Sul. As aparições de baleias nos trópicos e subtrópicos podem ser difíceis de confirmar devido à dificuldade em diferenciá-las de outra espécie.

Balaenoptera Borealis

A caça comercial de baleias boreais cessaram no final do século passado, mas as capturas sob autorização especial retomou no Pacífico Norte em 2004 ao nível de 100 por ano (aumento de 134 por ano em 2017). Os produtos são vendidos nos mercados domésticos japoneses. Essas baleias foram protegidas especificamente da caça comercial gradativamente desde a década de 70 e também foram protegidos pela moratória geral sobre a caça comercial, embora isso não cubra as capturas feitas sob licença científica.

Balaenoptera Edeni

Este é o nome científico da baleia de bryde. Esta espécie foi menos afetada pela caça comercial do que algumas das outras espécies de baleias de grande porte. É uma baleia que pode ultrapassar os 15 metros de comprimento. É incrivelmente semelhante a baleia anterior, a baleia boreal, a exceção de três cristas paralelas entre a ponta do focinho e as aberturas.

Balaenoptera Edeni

Não existe uma estimativa abrangente da população mundial para as baleias de bryde, mas as estimativas para as áreas offshore do Pacífico Norte e do Hemisfério Sul totalizam quase 80.000 baleias. É um pouco difícil confirmar os dados em função da grande semelhança entre as duas baleias (baleia de bryde e baleia boreal), mas pode-se presumir que consistam principalmente das baleia de bryde.

Balaenoptera Musculus

Este é o nome científico da baleia azul. Este é atualmente o maior ser vivo e mamífero existente no planeta (até que se prove o contrário), podendo ultrapassar os 30 metros de comprimento e pesar muito mais de 150 toneladas. Apesar do seu tamanho espetacular, as baleias-azuis alimentam-se quase exclusivamente de krill, com uma variedade de espécies sendo capturadas por diferentes populações de baleias azuis pelos oceanos.

Balaenoptera Musculus

Esta baleia é uma espécie cosmopolita, encontrada em todos os oceanos, mas ausente de alguns mares regionais, como os mares Mediterrâneo, Okhotsk e Bering. É uma espécie ameaçada de extinção mas há evidências de aumento da abundância, pelo menos até o ano 2000, na Antártida e no Atlântico Norte e, pelo menos, estabilidade no Pacífico Norte.

Balaenoptera Omurai

Este é o nome científico da baleia de omura. A classificação desta baleia foi feita somente neste século 21. São baleias pequenas, com menos de 10 metros de comprimento, e provavelmente comedoras de krill. O alcance da baleia de omura é pouco conhecido porque poucos espécimes foram confirmados até o momento. A única população geneticamente confirmada de baleias de omura até hoje ocorre no noroeste de Madagascar.

Balaenoptera Omurai

Espécimes encalhados, capturados e museológicos foram confirmados geneticamente ou morfologicamente no Japão, China (incluindo Hong Kong e Taiwan), em todo o sudeste da Ásia (Tailândia, Vietnã, Malásia, Filipinas e Indonésia), Ilhas Salomão, Austrália do Sul, Austrália Ocidental e Cocos. Ilhas, Sri Lanka, o Golfo Pérsico e no Mar Vermelho. No Atlântico, houve um encalhe confirmado no nordeste do Brasil e outro na Mauritânia.

Balaenoptera Physalus

Este é o nome científico da baleia rorqual comum. É considerada assim como comum porque as baleias comuns ocorrem em todo o mundo, principalmente, mas não exclusivamente, em águas offshore das zonas temperadas e subpolar. Esta é uma baleia que pode se tornar tão grande quanto a baleia azul mas, em média atingem em torno de 15 ou 20 metros.

Balaenoptera Physalus

É o segundo maior animal vivo no planeta e o mais ruidoso mamífero marinho. Ela é encontrado em todos os oceanos, assim como no Mar Mediterrâneo e tem uma vida longa, provavelmente cem anos. A captura comercial em larga escala desta espécie parece ter cessado, mas os produtos congelados provavelmente ainda estão em negociação. A espécie deixou de ser considerada ‘ameaçadas de extinção’ e passou a ser considerada espécie ‘vulnerável’.

Caperea Marginata

Este é o nome científico da baleia franca pigméia. É uma baleia pouco conhecida e raramente avistada, sem estimativa do tamanho da população global, principalmente devido ao seu comportamento inconspícuo.

Caperea Marginata

Existem apenas alguns registros confirmados de baleias vivas no mar, mas foram relatados encalhes da Argentina, Ilhas Falkland (Malvinas), Namíbia, África do Sul, Chile, costa oeste, sul e leste da Austrália, e Ilhas Norte e Sul da Nova Zelândia. Essa baleia é uma das menos conhecidas espécies de baleias de barbatana, e há poucos registros para tentar estimar o tamanho da população, mesmo em uma ordem de grandeza.

Megaptera Novaeangliae

Este é o nome científico da baleia jubarte. São baleias que atingem média de 15 metros (podendo chegar a 20), e pesam em torno de 40 toneladas. É uma das baleias que mais encantam turistas por conta de sua sonorização peculiar. A baleia jubarte pode realizar saltos espetaculares fora da água. Suas nadadeiras peitorais são grandes, ao contrário das de outros cetáceos. Talvez isso contribua também pra impressionante velocidade que essa baleia enorme consegue empregar no oceano.

Megaptera Novaeangliae

As baleias jubarte foram registradas na maior parte do Pacífico Sul, embora as densidades variem de grandes números no leste da Austrália a números muito baixos em Fiji e em partes da Polinésia Francesa. Eles são encontrados regularmente em torno de grupos de ilhas, mas também em águas abertas, longe das ilhas. As jubartes foram registradas em todo o oceano do sul, incluindo o sul até a borda do gelo e no mar de Ross.

Balaena Mysticetus

Este é o nome científico da baleia da Groenlândia. Levando-se em consideração por onde essa baleia nada, se alimentar é uma tarefa difícil. A distribuição sazonal dessas baleias é fortemente influenciada pela disponibilidade de presas e condições de gelo. Durante o inverno, elas ocorrem dentro de áreas de gelo marinho, e parecem se alimentar principalmente perto do fundo. Durante a primavera, eles usam pontas e rachaduras no gelo para penetrar em áreas inacessíveis durante o inverno devido à cobertura pesada de gelo.

Balaena Mysticetus

Durante o verão e o outono, concentram-se em áreas onde a produção de zooplâncton é alta ou onde processos biofísicos em larga escala criam concentrações locais de copépodes calanoides e parecem se alimentar principalmente em águas intermediárias e próximas superfície. Até recentemente, eles passaram grande parte de suas vidas dentro e perto do gelo do mar e migram sazonalmente para evitar o aprisionamento de gelo e aproveitar as concentrações de alimentos. Com a redução da cobertura de gelo marinho, as baleias-bravas agora ocorrem cada vez mais em águas abertas durante o verão.

Eubalaena Australis

Este é o nome científico da baleia franca austral. A caça indiscriminada deste tipo de baleia, devido à quantidade de óleo possuída por exemplar, deixou-a quase em perigo de extinção. Desde o século 19, a população destes animais foi reduzida em 90%. Essa baleia distingue-se das outras pelas calosidades que possui na cabeça, pela ausência de barbatana dorsal e pelo arco que descreve a sua boca, que começa acima do olho. Foram bem estudadas em suas áreas de inverno, especialmente na Península Valdês, na costa sul da Austrália e na África do Sul.

A baleia franca austral têm uma distribuição circumpolar no hemisfério sul. A distribuição no inverno, pelo menos do componente reprodutivo da população, concentra-se perto das costas na parte norte da cordilheira. As principais áreas de reprodução atuais estão fora do sul da Austrália, Nova Zelândia (particularmente Ilhas Auckland e Ilhas Campbell), costa atlântica da América do Sul (Argentina e Brasil) e sul da África (África do Sul e Namíbia). Pequenos números também são vistos na região central do Chile, Peru, Tristão da Cunha e na costa leste de Madagascar.

Eubalaena Glacialis

Este é o nome científico da baleia franca do atlântico norte. Maciça, imponente, de cor castanha clara ao negro azul, a baleia ostenta na cabeça curiosos crescimentos insensíveis invadidos por pulgas do mar, de cor amarelo claro, laranja ou rosa. O padrão de distribuição dessas calosidades, acima dos olhos e ao redor do rostro, facilita a identificação e o monitoramento de um indivíduo. A simples visão de uma barbatana peitoral ou uma barbatana caudal é suficiente para que observadores experientes a identifiquem.

Registos de capturas do século 19 e mais recentes capturas soviéticas mostram que as baleias francas do atlântico norte foram amplamente distribuídos em águas costeiras e offshore do Pacífico Norte, especialmente no sul do Golfo do Alasca, no sudeste do mar de Bering, no noroeste Pacífico Norte e Mar do Japão. No entanto, é evidente que o intervalo atual é reduzido, especialmente no leste do Pacífico Norte.

Acredite se quiser mas uma das maiores ameaças a vida desta baleia envolve atropelamentos. Sua área de navegação se confunde com as principais rotas comerciais de navegação do hemisfério norte e, consequentemente, colisões entre essa baleia e barcos tornou-se uma preocupação.

Eubalaena Japonica

Este é o nome científico da baleia franca do pacífico. Esta é uma baleia intimamente relacionada com a anterior e que, infelizmente encontra-se em estágio crítico de extinção iminente. Acreditava-se que, em 2018, restavam apenas cerca de 500 baleias desta espécie. Em 2019, a quantidade de baleias é estimada em apenas 30 animais. Essas baleias nadam lentamente, mas são capazes de realizar acrobacias surpreendentes. São também curiosas e cutucam objetos que encontram na água. Sua natureza amigável as faz se aproximar de barcos ou simplesmente deixar que os barcos se aproximem.

Eubalaena Japonica

Infelizmente, esse comportamento amistoso a tornou uma presa fácil para baleeiros e, consequentemente, vulnerável a pesca predatória. Elas foram legalmente protegidas da caça comercial por acordos internacionais desde a década de 1930, mas isso só foi totalmente respeitado na prática desde a década de 1970. Infelizmente, porém, talvez seja tarde demais!

Eschrichtius Robustus

Este é o nome científico da baleia cinzenta. Baleias cinzentas agora são encontradas regularmente apenas no Pacífico Norte e nos mares adjacentes. Já habitaram o oceano atlântico mas atualmente sumiram de lá graças a raça humana gananciosa. Elas se reúnem no inverno ou em torno de várias lagoas ao longo da costa oeste da Baixa Califórnia (México) e pequenos números também ocorrem no inverno no Golfo da Califórnia e ao longo do continente mexicano.

Eschrichtius Robustus

A caça comercial de baleias cinzentas cessou, mas a caça à subsistência continua aborígene, principalmente fora de Chukotka, com algumas tomadas em alguns anos no Alasca. A população está atualmente limitada ao Pacífico. As baleias viajam anualmente entre o Oceano Ártico, onde se alimentam de crustáceos bentônicos, localizados entre o Mar de Barents e o Mar de Okhotsk (entre o Alasca e o leste da Sibéria) e criadouros ao redor do Golfo da Califórnia e do Mar da China Oriental (Mar da Coreia).

Veja também

Camaleão Rhampholeon

Camaleão Rhampholeon: Características, Nome Científico e Fotos

Entender mais sobre os animais que habitam o nosso planeta é entender mais sobre nós …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *