Home / Animais / História do Guepardo e Origem do Animal

História do Guepardo e Origem do Animal

Um dos felinos mais conhecidos do mundo, conhecido especialmente por sua velocidade, é o guepardo. Ele é também um tanto admirado e conhecido pela beleza que ele trás com suas típicas manchas pretas quase que inteiramente por todo o corpo, em um fundo de amarelo pálido. Que tal conhecer mais sobre esse felino tão fascinante e belo?

Nome Científico e Características

O guepardo, cujo nome científico é acinonyx jubatus, é um grande “gato” da subfamília felinae (ou felídeos) que tem origem no norte, sul e leste da África, e também algumas localidades no Irã. A espécie habita uma grande variedade de habitats áridos, como florestas secas, florestas arbustivas e savanas.

Em 2016, a população global de guepardos foi estimada em aproximadamente 7.100 indivíduos na natureza. Vários países africanos tomaram medidas para melhorar as medidas de conservação dos guepardos.

O guepardo é o único membro existente do gênero acinonyx. Sua pelagem amarronzada, castanha acinzentada ou amarelada é uniformemente coberta com quase 2.000 manchas pretas sólidas. Seu corpo é esbelto, com uma pequena cabeça arredondada, estrias pretas no rosto, peito largo, longas pernas finas e rabo longo manchado. Atinge 70 a 90 cm no ombro e pesa entre 36 a 72 kg.

Taxonomia e Origem do Animal

O vernáculo guepardo ou como também é chamado chita é derivado de “cita” que por sua vez vem do sânscrito “citra” que significa adornada, pintada. O nome genérico acinonyx é derivado da combinação de duas palavras gregas: “akinitos”, que significa impassível ou imóvel e a palavra “onyx” que significa unha ou casco. Uma tradução grosseira da palavra seria “pregos imóveis”, uma referência à capacidade limitada do guepardo de retrair suas garras.

Felis jubatus foi o nome científico usado por Johann Christian Daniel von Schreber em 1777, que baseou sua descrição da espécie em descrições anteriores de Comte de Buffon e Thomas Pennant. O nome genérico acinonyx foi proposto por Joshua Brookes em 1828.

Os parentes mais próximos da chita são o puma concolor e o herpailurus yagouaroundi. Essas três espécies juntas formam a linhagem puma, uma das oito linhagens de felidae. Embora o guepardo seja um felino do Velho Mundo, evidências moleculares indicam que as três espécies da linhagem puma evoluíram na América do Norte de dois a três milhões de anos atrás, onde possivelmente tiveram um ancestral comum durante o Mioceno. Eles possivelmente divergiram deste ancestral 8,25 milhões de anos atrás.

O Guepardo divergiu das outras duas espécies em torno de 6,7 milhões de anos atrás. Um estudo do genoma sugere que os guepardos experimentaram dois gargalos genéticos em sua história, a primeira há cerca de 100.000 anos e a segunda há cerca de 12.000 anos, diminuindo muito sua variabilidade genética.

Esses gargalos podem ter sido associados a migrações na Ásia e na África (com a atual população africana fundada há cerca de 12.000 anos) e / ou com o esgotamento de espécies de presas no final do Pleistoceno.

Os fósseis de guepardo encontrados nos leitos inferiores do desfiladeiro de Olduvai, no norte da Tanzânia, remontam ao Pleistoceno. As espécies extintas de acinonyx são mais antigas que os guepardos, com as mais antigas conhecidas do final do Plioceno; esses fósseis têm cerca de três milhões de anos.

História do Guepardo

O guepardo vive em associação com seres humanos desde pelo menos 3000 AC , quando os sumérios descreveram um guepardo controlado com um capuz na cabeça em um selo oficial. Durante este período no Egito, o guepardo foi reverenciado como um símbolo da realeza na forma da deusa dos gatos Mafdet.

Os guepardos foram mantidos como animais de estimação por muitas figuras históricas famosas, como Genghis Khan, Carlos Magno e Akbar, o Grande da Índia (que tinha mais de 9.000 em seu estábulo). Estes felinos também foram usados para o esporte. Treinados e mansos, eles normalmente eram encapuzados e levados a cavalo ou em um carrinho, depois dementados e soltos perto de sua presa.

Apesar do grande número de leopardos mantidos em cativeiro pela realeza durante os séculos 14 e 16, quase todos foram capturados na natureza, porque não havia essencialmente reprodução em cativeiro. Devido a esse contínuo escoamento de populações asiáticas selvagens, os guepardos da África estavam sendo importados para a Índia e o Irã durante o início do século XX.

Em 1900, cerca de 100.000 guepardos foram encontrados em habitats em toda a África continental, do Oriente Médio e da Península Arábica até a Índia. Hoje os guepardos foram extirpadas de uma grande parte desta área. Na Ásia eles são quase extintos, com a maior população confirmada (algumas dezenas) habitando o nordeste do Irã.

Na África, estima-se entre 9.000 e 12.000 guepardos, com as maiores populações existentes na Namíbia, Botsuana e Zimbábue na África Austral e no Quênia e Tanzânia na África Oriental. Populações menores e mais isoladas existem em outros países, incluindo a África do Sul, Congo (Kinshasa), Zâmbia, Somália, Etiópia, Mali, Níger, Camarões, Chade e a República Centro-Africana.

Todas as populações estão ameaçadas, mesmo dentro de áreas protegidas, devido ao aumento da competição de grandes predadores, como leões e hienas. Fora das reservas, os seres humanos representam uma ameaça em várias formas, incluindo a perda de habitat, a caça furtiva e armadilhas e tiroteios indiscriminados para proteger o gado.

O guepardo era comum em toda a América do Norte, Europa e Ásia até o final da última era do gelo, cerca de 11.700 anos atrás, um período coincidente com o desaparecimento de um grande número de mamíferos em todo o hemisfério norte. Todas as chitas norte-americanas e europeias e a maioria das da Ásia desapareceram.

Por volta dessa mesma época, as populações de guepardos parecem ter experimentado o que pode ter sido a primeira e mais severa de uma série de reduções de tamanho (gargalos demográficos). Os guepardos modernos retêm evidências desse evento histórico em seu DNA.

Existe um nível muito alto de similaridade genética em todas as partes do genoma dos guepardos, com a maior rapidez de evolução, o que faz com que todos os indivíduos de hoje pareçam altamente endogâmicos. Os primeiros taxonomistas interpretaram os numerosos traços especializados dos guepardos como prova de que divergiram das outras espécies de felinos no início da história evolutiva da família dos felinos. O guepardo foi, portanto, concedido status taxonômico único, e desde o início de 1900 foi classificada como a única espécie do gênero acinonyx.

Guepardo Filhote Correndo

Os guepardos são freqüentemente divididas em cinco subespécies, sendo: Acinonyx jubatus na África Meridional, acinonyx jubatus fearsoni (incluindo acinonyx jubatus velox e acinonyx jubatus raineyi) da África Oriental, acinonyx jubatus soemmeringii da Nigéria à Somália, acinonyx jubatus hecki do noroeste da África e acinonyx jubatus venaticus da Arábia para a Índia central.

Veja também

Quais os Sintomas de Infecção em Cachorros?

Os cães são animais extremamente presentes na maioria das famílias brasileiras, já que é extremamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *