Home / Animais / Helicoprion, O Tubarão Boca de Serra: Características e Fotos

Helicoprion, O Tubarão Boca de Serra: Características e Fotos

Esse tubarão já não existe mais, já deixou de existir a milhões de anos atrás. Mas até hoje desperta muita curiosidade no mundo científico, e por uma peculiaridade única muito curiosa: esse tubarão tinha uma serra em espiral no corpo. Será isso é parte da arcada dentária desse tubarão?

Helicoprion, O Tubarão Boca De Serra: Características E Fotos

Helicoprion é um gênero extinto de peixes cartilaginosos, intimamente associados a tubarões devido sua dentição serrada. Pertencem a uma ordem também extinta de peixes chamados eugeneodontídeos, peixes cartilaginosos bizarros que possuíam uma “espiral de dentes” única na sínfise do maxilar inferior e nas barbatanas peitorais apoiadas por radiais longos.

Fazer uma descrição exata destas espécies é quase impossível, visto que até hoje quase nada de fóssil tem sido encontrado com sorte nos locais de pesquisa prováveis do gênero. Além disso, são peixes cujos esqueletos se desintegra quando começa a decair, a menos que circunstâncias excepcionais o preservem.

Em 2011, uma espiral de dente de um helicoprion foi descoberta no local de pesquisa da phosphoria em Idaho. A espiral do dente mede 45 cm de comprimento. Comparações com outros espécimes helicoprion mostram que o animal que ostentava este verticilo teria 10 m de comprimento, e outro, ainda maior, que foi descoberto na década de 1980 e publicado em 2013 cuja espiral incompleta teria 60 cm de comprimento e teria pertencido então a um animal que possivelmente ultrapassou 12 m de comprimento, tornando o gênero helicoprion o maior eugeneodontídeo conhecido.

Até 2013, os únicos fósseis conhecidos deste gênero registrados eram os dentes, dispostos em uma “espiral de dentes” que lembrava fortemente uma serra circular. Não se tinha nenhuma noção concreta de onde existia ao certo esse espiral de dentes no animal até a descoberta de uma espécie em 2013, cujo gênero está intimamente relacionado aos eugeneodontídeos, o gênero ornithoprion.

O espiral de dente foi comparado a todos os dentes produzidos por esse indivíduo na mandíbula inferior; à medida que o indivíduo crescia, os dentes menores e mais antigos eram movidos para o centro do redemoinho, formando dentes maiores e mais novos. A partir dessa semelhança, modelos do chicote de dentes do gênero helicoprion foram feitos.

Existe um fóssil de espiral de dentes que alega-se pertencer a um helicoprion sierrensis, em exibição na Universidade de Nevada, através do qual tentam entender o posicionamento correto em que esse espiral se encontrava na boca das espécies de helicoprion. Criou-se uma hipótese baseada no posicionamento dos dentes na espiral em comparação com o que pode ser visto em espécie de gêneros correlacionados.

Fóssil de Espiral
Fóssil de Espiral

Outros peixes extintos, como onychodontiformes, têm verticilos de dentes análogos na frente da mandíbula, sugerindo que tais verticilos não são um impedimento tão grande para nadar como sugerido por hipóteses anteriores. Embora nenhum crânio completo do helicoprion tenha sido oficialmente descrito, o fato de espécies relacionadas de condroitiosídeos terem focinhos longos e pontiagudos sugere que o helicoprion também o tinha.

Helicoprion E Sua Provável Distribuição

Helicoprion viveu nos oceanos do início do Permiano, 290 milhões de anos atrás, com espécies conhecidas da América do Norte, Europa Oriental, Ásia e Austrália. Deduz-se que as espécies helicoprion proliferaram muito durante o início do Permiano. Fósseis foram encontrados nos Montes Urais, Austrália Ocidental, China (juntamente com os gêneros relacionados sinohelicoprion e hunanohelicoprion) e oeste da América do Norte, incluindo o Ártico canadense, México, Idaho, Nevada, Wyoming, Texas, Utah e Califórnia.

Mais de 50% das amostras helicoprion são conhecidas de Idaho, com um adicional de 25% sendo encontrado nos Montes Urais. Devido às localizações dos fósseis, as várias espécies de helicoprion podem ter provavelmente vivido na costa sudoeste de Gondwana e, mais tarde, em Pangea.

Descrições Baseadas Nos Fósseis Encontrados

O helicoprion foi descrito pela primeira vez em 1899 a partir de um fóssil encontrado nos calcários de idade Artinskiana dos Montes Urais. A partir desse fóssil nomeou-se a espécie-tipo helicoprion bessonowi; esta espécie pode ser diferenciada de outras por um pequeno e curto dente dentado, pontas de dentes direcionadas para trás, bases de dentes obtusamente angulosas e um eixo de rotação consistentemente estreito.

O helicoprion nevadensis é baseada em um único fóssil parcial encontrado em 1929. Foi considerou ser da idade de Artinskian. No entanto, outras considerações tornou a verdadeira idade deste fóssil desconhecida. O helicoprion nevadensis foi diferenciado de helicoprion bessonowi pelo seu padrão de expansão e altura do dente, mas em 2013 outros pesquisadores atestaram que estes eram consistentes com helicoprion bessonowi no estágio de desenvolvimento que o espécime representa.

Baseado em dentes isolados e espirais parciais encontradas na ilha de Spitsbergen, Noruega , helicoprion svalis foi descrito em 1970. A diferenciação se deu visto que o grande verticilo, cujos dentes estreitos aparentemente não parecia correlacionado com nenhum dos outros. No entanto, isso parece ser uma consequência de apenas a parte central dos dentes ser preservada, de acordo com pesquisadores. Uma vez que a haste da espiral é parcialmente obscurecida, helicoprion svalis não pode ser definitivamente atribuído a helicoprion bessonowi, mas aproxima-se da segunda espécie em muitos aspectos de suas proporções.

Helicoprion davisii foi descrito inicialmente de uma série de 15 dentes encontrados na Austrália Ocidental. Eles foram descritos em 1886 como uma espécie de edestus davisii. Ao nomear helicoprion bessonowi, a taxonomia também transferiu essa espécie para helicoprion, uma identificação posteriormente apoiada pela descoberta de duas espirais de dente adicionais e mais completas na Austrália Ocidental. A espécie é caracterizada por um verticilo alto e amplamente espaçado, que se torna mais pronunciado com a idade. Os dentes também se curvam para a frente. Durante o Kungurian e Roadian, esta espécie era muito comum em todo o mundo.

Ilustração de um Tubarão Helicoprion no Fundo do Mar
Ilustração de um Tubarão Helicoprion no Fundo do Mar

Helicoprion ferrieri foi originalmente descrita como uma espécie do gênero lissoprion em 1907, a partir de fósseis encontrados na formação phosphoria de Idaho. Um exemplar adicional, provisoriamente referido a helicoprion ferrieri, foi descrito em 1955. Esse espécime foi encontrado em quartzitos expostos há seis milhas a sudeste de Contact, Nevada. O fóssil com 100 mm de largura consiste de um e três quartos e cerca de 61 dentes preservados. Embora inicialmente diferenciadas usando as métricas de ângulo e altura dos dentes, pesquisadores consideraram essas características intraespecificamente variáveis, realocando helicoprion ferrieri a helicoprion davisii.

O helicoprion jingmenense foi descrito em 2007 a partir de uma espiral de dentes quase completo com quatro e uma terceira voltas (partida e contrapartida) encontradas na Formação Qixia do Permiano Inferior da Província de Hubei, China. Foi descoberto durante a construção da estrada. A amostra é muito semelhante a helicoprion ferrieri e helicoprion bessonowi, embora difira da primeira por ter dentes com uma lâmina de corte mais larga, e uma menor raiz composta, e difere da última por ter menos de 39 dentes por volução. Pesquisadores argumentaram que o espécime foi parcialmente obscurecido pela matriz circundante, resultando em uma subestimação da altura do dente. Considerando a variação intraespecífica, eles sinonimizaram com helicoprion davisii.

Helicoprion ergassaminon, a espécie mais rara da Formação Phosphoria, foi descrita em detalhes em uma monografia de 1966. A amostra do holótipo, agora perdida, apresentava marcas de ruptura e desgaste indicativas de seu uso na alimentação. Existem vários espécimes referidos, nenhum dos quais apresenta marcas de desgaste. Esta espécie é aproximadamente intermediária entre as duas formas contrastantes representadas por helicoprion bessonowi e helicoprion davisii, possuindo dentes altos mas estreitamente espaçados. Seus dentes também são suavemente curvados, com bases dentárias obtusamente anguladas.

Veja também

Tartaruga De Aquário

Tartaruga De Aquário: Como Cuidar, O Que Dar Para Comer E Fotos

A gama de animais de estimação é muito grande pra escolher, e entre alguns dos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *