Home / Animais / Gorila Koko Fantástico: Treinada em Linguagens de Sinais

Gorila Koko Fantástico: Treinada em Linguagens de Sinais

A primatologia e a genética nos ensinam as estreitas analogias que existem entre nossa espécie e os macacos. Inteligência e cromossomos à parte, permanece um grande enigma que distingue as duas realidades taxonômicas: o uso da palavra.

Como se sabe, de fato, os homens podem falar, mas não outros primatas. Os macacos, se é que alguma coisa gritam, emitem sons guturais, mas é impossível relacionar suas intenções vocais à voz articulada de um homem.

No entanto, existem sinais: escritos que também podem ser interpretados por outros mamíferos e movimentos dos membros capazes de sugerir intenções, pensamentos e necessidades. Bem, essa atitude também está viva em macacos.

Gorila Koko Fantástico: Treinada em Linguagens de Sinais

Nem todo mundo conhece a gorila koko, cuja história acabou a consolidando como a espécie mais inteligente que já viveu até o momento. Estamos falando de uma primata nascida logo no início da década de 70 em São Francisco, num zoológico. Acabou adotada por uma psicóloga francesa que, graças a seus estudos e pesquisas na Universidade de Stanford, nos EUA, tornou a koko famosa.

A princípio, pretendia-se realizar um experimento linguístico. O psicólogo deveria ter ensinado ao gorila a linguagem de sinais para surdos e mudos, no estilo americano. A idéia era estabelecer uma comunicação com a gorila e tentar explorar o pensamento de um primata. Traz à tona Victor Hugo, ao escrever: “Antes de tudo, era necessário civilizar o homem em relação ao homem. Agora é necessário civilizar o homem em relação à natureza e aos animais”.

Depois de trabalhar com koko por 43 anos, foi possível notar que esse gorila nunca deixou de surpreender seus interlocutores. Seu progresso foi impressionante pois ela não apenas aprendeu a língua de sinais com perfeição, mas também deu mensagens ternas ao mundo e mostrou que dentro de si ele vive muito mais do que uma série de habilidades de aprendizado. Este caso confirma o que muitas pessoas sentem há muito tempo: animais e seres humanos formam uma irmandade na qual há mais semelhanças do que diferenças.

Sua instrutora e cuidadora, Francine Patterson, relatou que koko conseguiu entender mais de 1.000 sinais do que Patterson chama de “linguagem de sinais de gorila” (GSL). Ao contrário de outras experiências que tentam ensinar a linguagem de sinais a primatas não humanos, Patterson expõe simultaneamente koko ao inglês falado desde tenra idade. Foi relatado que koko incluiu cerca de 2000 palavras do inglês falado, além dos sinais.

A vida e o processo de aprendizagem de koko foram descritos por Patterson e vários colaboradores em vários livros, artigos científicos e em um site. Como em outros experimentos linguísticos, é discutido até que ponto koko dominou e demonstrou a linguagem através do uso desses sinais. É geralmente aceito que ele não usou sintaxe ou gramática e que seu uso da linguagem não excedeu o de uma criança humana jovem.

No entanto, ela pontuou entre 70 e 90 em várias escalas de QI e alguns especialistas, incluindo Mary Lee Jensvold, dizem que “Koko … [usava] a linguagem da mesma maneira que as pessoas”. O experimento com koko demonstra não apenas que sua espécie possui grande inteligência, mas também que possui um mundo emocional muito rico. Podemos deduzir que os gorilas são capazes de fazer julgamentos morais e racionais.

A História Fantástica de Hanabi-ko

Hanabi-ko, apelidado de koko, era uma fêmea do gorila da planície ocidental (gorila gorila gorila) conhecida por ter aprendido um grande número de sinais de uma versão modificada da linguagem gestual americana (ASL). Koko nasceu em 4 de julho de 1971 no zoológico de São Francisco, filho de Jacqueline, sua mãe, e Bwana, seu pai. Koko foi o 50º gorila nascido em cativeiro e um dos primeiros gorilas nascidos em cativeiro a serem aceitos pela mãe.

Koko ficou com a mãe até um ano de idade, quando foi levada ao hospital do zoológico para ser tratada de uma doença que colocava sua vida em perigo. Francine Patterson originalmente cuidou de Koko no zoológico de São Francisco como parte de sua pesquisa de doutorado depois que koko desenvolveu essa doença com risco de vida. Koko foi emprestado a Patterson e posteriormente ficou com ela, com o apoio da “Fundação Gorilla”.

Depois que a pesquisa de Patterson com Koko foi concluída na Universidade de Stanford, o gorila mudou-se para uma reserva em Woodside, Califórnia. O peso de koko de 127 kg foi maior do que seria normal para um gorila na natureza, onde o peso médio é de 70 a 90 kg, mas a fundação alegou que koko “é, como sua mãe, uma gorila gigante.” Koko morreu aos 46 anos, enquanto ainda dormia segundo relatos, em 22 de junho de 2018.

Treinamento de Primatas em Linguagens de Sinais

Esta história gerou polêmica desde o início. No começo, era duvidoso que koko fosse capaz de aprender a linguagem de sinais. Acreditava-se que ela poderia, no máximo, repetir os gestos feitos por seu “professor”, mas sem entender o significado deles. A Dra. Patterson, por outro lado, estava convencida do contrário, então ela instruiu a gorila com muita paciência.

Isso também traz a recordação o desaparecimento de um dos poucos primatas “que frequentaram a faculdade”: chantek. Convidado de um zoológico em Atlanta, EUA, o orangotango morreu aos 39 anos, devido a complicações com uma doença cardíaca. Ele era o orangotango mais antigo dos EUA, assim descrito pelos veterinários que o trataram: “Um animal com uma personalidade particular e envolvente, capaz de se comunicar sem problemas com aqueles que tiveram a sorte de conhecê-lo, embora sejam animais tímidos e pouco dispostos a se apresentar com estranhos”.

Treinamento de Primatas por Sinais
Treinamento de Primatas por Sinais

Koko, diferente do orangotango chantek, chegou além, podendo decifrar mais de mil sinais (presentes no “vocabulário” dos sinais de gorilas) e 2 mil palavras em inglês escrito. Mas chantek também provou que a habilidade existe e indicava facilmente o que queria ou precisava usando linguagem de sinais. Indicava, por exemplo, o caminho a seguir para chegar a seu restaurante favorito nas salas de aula da universidade.

Antes deles, washoe, um chimpanzé que morreu em 2007, também relatou suas habilidades de comunicação; o primata até transmitiu o conhecimento de alguns gestos a outros animais com os quais se encontrou coabitando. Orangotangos, gorilas e chimpanzés, espécies evidentemente dotadas de grande inteligência; assim como corvos, golfinhos e ratos, todos caracterizados por atitudes tipicamente humanas, e frequentemente subestimados por suas habilidades emocionais e relacionais.

Gorilas e Chimpanzés
Gorilas e Chimpanzés

Os resultados são, portanto, uma prerrogativa da literatura científica internacional e nos oferecem ferramentas únicas e muito úteis para entender os mecanismos da comunicação não verbal. Chantek indicou o que precisava, e koko proporcionou o mais fantástico exemplo disso. Atualmente permanece a consciência de que, graças à essas experiências, a pesquisa nesse campo só pode progredir; ilustrando o caminho evolutivo da linguagem, suas relações com o aprimoramento das habilidades intelectuais e mais uma vez a incrível semelhança que se relaciona com o mundo dos macacos com o qual, sem surpresa, compartilhamos.

Veja também

Como Cuidar de um Basset Hound Filhote: Cuidados e Doenças

Você já ouviu falar do cão Basset Hound? Pois bem, esta raça possui cãezinhos bastante …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *