Home / Animais / Ficha Técnica dos Elefantes e Taxonomia

Ficha Técnica dos Elefantes e Taxonomia

Elefante, do latim elephantus. Grande mamífero herbívoro com pele espessa, membros em pilares, trato respiratório nasal longo, olfativo e envolvente, com incisivos superiores desenvolvidos nas presas.

Os gregos descobriram os elefantes durante a campanha de Alexander para a Índia: no período helenístico, estes animais foram utilizados em todos os exércitos reais, mesmo no Egito, onde os Ptolomeus teve de se contentar com elefantes africanos, consideradas inferiores aos Elefantes asiáticos.

Os romanos tiveram que enfrentá-lo durante as guerras de Pirro e luta contra Cartago (passagem dos Alpes por Aníbal). Depois de algumas dificuldades, eles souberam superá-los, mas os temeram o suficiente para proibir os reis selêucidas reprodutores durante o tratado de Apamea.

Elefante Ficha Técnica

Até 2 a 4 m de altura e pesando até 7 t, o elefante é hoje o maior animal terrestre. O grupo elefantes inclui formas pré histórico, agora extinto, tal como mastodons ou mamutes. É representado apenas por duas espécies, uma na África e outra na Ásia, ambas ameaçadas de extinção por causa da destruição de seu habitat.

Além disso, embora o comércio internacional de marfim tenha sido banido desde 1989, a caça furtiva por elefantes africanos é difícil de parar. Além disso, a concentração de certas populações selvagens em áreas limitadas (parques nacionais ou reservas) apresenta problemas de gestão.

O elefante africano (loxodonta), o maior, é representado por duas subespécies: o elefante da savana (loxodonta africana) e o elefante da floresta (loxodonta cyclotis). O elefante asiático (elephas indicus), conhecido por três subespécies geográficas (no Sri Lanka, Indochina e Sumatra), é domesticado; tornou-se raro na natureza.

O elefante asiático distingue-se do elefante africano pelo seu tamanho menor, suas orelhas reduzidas, suas presas mais curtas e ausentes nas fêmeas e suas costas protuberantes. A gestação dura 22 meses em elefantes africanos e 28 meses em elefantes asiáticos. A fêmea cria apenas um filhote a cada 3 a 4 anos. A longevidade pode atingir 80 anos.

Características Gerais

As pernas dos elefantes são retas e maciças. As pontas dos dedos estão envoltas em uma casca fibrosa e repousam sobre uma enorme almofada anti-derrapante. Os ossos do crânio, iluminados, são cavados vastas cavidades cheias de ar (ossos pneumatizados): esse recurso compensa o enorme peso das defesas (incisivos superiores). O cérebro é altamente desenvolvido e as áreas envolvidas na memória são muito extensas.

A pele dos elefantes, quase nuas, é áspera e muito grossa, que é a fonte de seu antigo nome de paquidermes (grego pakhus, espessura, e derma, pele). O cabelo elástico grande adorna a ponta da cauda. As orelhas, que têm muitos vasos sanguíneos, são usadas como superfície de resfriamento.

Os elefantes têm apenas 6 dentes (2 incisivos [defesas] e 4 molares). Os molares, com crescimento contínuo, são substituídos 6 vezes durante a vida. Quando seus últimos dentes estão desgastados, os velhos elefantes estão condenados a morrer de fome.

Se a visão é pobre, a audição é muito boa e até mesmo o cheiro mais sutil pode ser sentido pois o animal tem nariz ajustável, através de seu tronco. Isso é formado pelo nariz e pelo lábio superior. Muito enervado e vascularizado fornecido com uma musculatura permitindo que realize movimento em todas as direções, e lhe fornece uma ampla variedade de funções.

Além disso é útil na condução do ar e do palato, também permite a aspiração de água (até cinco litros de uma vez, para beber ou tomar banho), pulverização de pó, movimentos potentes (seja pra derrubar uma árvore) ou, inversamente, aqueles de extrema delicadeza (carícias, escolhendo um ramo, eliminar uma lágrima súbita). O tronco termina com lóbulos (2 no elefante africano, formando um “grampo”, um único no elefante asiático).

Estilo de Vida e Comportamento

Caminhando a uma velocidade de 7 km / h, os elefantes são, em comparação com o seu tamanho, animais ágeis que podem trotar, carregar a mais de 40 km / h, subir encostas íngremes e nadar com facilidade. Eles tomam banhos de lama ou polvilham-se com poeira para proteger sua pele de parasitas.

Tanto a comida quanto a bebida são trazidas à boca pelo tronco. Os elefantes consomem cerca de 200 kg de grama, folhagem, frutas e casca a cada dia, aos quais devem ser acrescentados 150 litros de água usados para beber ou tomar banho.

O plano básico de organização social é o clã matriarcal, composto de uma fêmea e seus descendentes. No elefante africano, as tropas, compostas de fêmeas e jovens, são lideradas por uma mulher idosa; no elefante asiático, essa estrutura também inclui um macho grande. Em ambas as espécies, os machos jovens, logo que são capazes de se reproduzir (entre 11 e 18 anos), organizam-se em cachos únicos. Os machos velhos vivem sozinhos.

A comunicação entre indivíduos inclui pistas olfactivas, visuais (onde os movimentos de ouvido são importantes), tátil (acaricia o tronco) e auditiva (e alardeando emissão infrassom perceptível até 2 km de distância).

Elefantes Taxonomia

Espécies de Elefantes
Espécies de Elefantes

O elephantidae ou simplesmente os elefantes são uma família de mamíferos da ordem proboscidea. É a única família dessa ordem que ainda existe hoje. Continha muitas espécies que estão extintas, incluindo mamutes do gênero mammuthus. Todos eles são animais muito grandes com um chifre característico.

Uma vez que, recentes estudos genéticos identificaram duas subespécies africanas distintas loxodonta africana africana (elefante da savana) e loxodonta africana cyclotis (elefante da floresta), as espécies de elefantes que vivem hoje são, portanto:

Lexodonta africana africana: O elefante africano da savana; mede cerca de 4 metros na cernelha, possui dois “dedos” preênseis no final do chifre e orelhas grandes para regular sua temperatura interna. O crânio é quase plano e todos os indivíduos usam presas. Em estado vulnerável de extinção.

Lexodonta africana cyclotis: O elefante da floresta também vive na África, com orelhas geralmente menores e mais circulares do que o elefante da savana, e presas mais finas e eretas. Em estado vulnerável de extinção.

Elephas maximus: O elefante asiático; mede de 2 a 3,50 metros na cernelha, apresenta apenas um “dedo” preênsil no final do tronco e tem orelhas bem pequenas. O crânio tem duas protuberâncias proeminentes e as defesas estão ausentes nas fêmeas, ou mesmo em alguns machos. Em real perigo de extinção.

Elephas Maximus
Elephas Maximus

Os diferentes elefantes africanos têm sido considerados como representantes de subespécies do táxon loxodonta africana. Estudos sobre quatro genes, em 2001, mostraram que os dois principais subespécies africanas loxodonta africana africana e loxodonta africana cyclotis eram na verdade duas espécies filogenéticas distintas na África.

Estes resultados, desafiados por outros cientistas, foram confirmados por um estudo de 375 regiões do seu DNA em comparação com o elefante asiático e dois “primos” extintos, mammut americanum e mammuthus primigenius. A divergência entre as duas espécies ocorreu ao mesmo tempo que a divergência entre o elefante asiático e o mamute lanoso, enquanto a separação entre o elefante africano e o elefante asiático remonta a 4 ou 9 milhões de anos.

Veja também

Escorpião Preto É Venenoso? Ele Pode Matar?

Presente na mitologia greco-romana, onde se depara com o caçador Orion, ou mesmo associado aos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *