Home / Animais / Esqueleto Interno da Ariranha e Ossos do Animal

Esqueleto Interno da Ariranha e Ossos do Animal

Esqueletos são uma coleção de ossos  e cartilagens, formada variedades de estruturas ósseas. Os ossos do corpo desempenham as seguintes funções: mecânica relacionada a movimentação do corpo dentro do espaço; biológico ditando a construção de formas que superem a gravidade; hematopoiético relacionado a produção de medula óssea; metabólico – troca de minerais entre estruturas do organismo.

Dentro dos ossos estão constantemente ocorrendo  dois processos opostos que são a essência do ajuste fisiológico: criação (regeneração) de nova substância óssea e destruição (reabsorção) de estruturas ósseas antigas . Isenta a destruição de minerais ósseos novamente usada para construir substância óssea e incluída no metabolismo geral.

A maioria dos ossos do corpo (o número total de ossos em animais variando de 207 a 282 dependendo da espécie) formam tecido ósseo lamelar maduro, que consiste em placas ósseas separadas dispostas concentricamente em torno do canal vascular (havorsova). O estudo do esqueleto dos mamíferos é importante porque a aparência fenotípica da ossada das espécies animais e a forma destas estruturas contribuem para o conhecimento anatômico.

Características

No comprimento do corpo, a ariranha, cujo nome científico é Pteronura brasiliensis,é a maior das 13 espécies de lontras do mundo (a lontra do mar, com seu corpo mais compacto, pode pesar consideravelmente mais). As ariranhas atingem um comprimento total entre 1,5 a 1,8 cm. e um peso entre 26 e 32 kg. Não há disformismo sexual entre as ariranhas.

A cabeça é larga e em forma de bala, com um focinho rombudo e inclinado, e é sustentada por um longo pescoço musculoso (Duplaix, 1980). Longos e muitos bigodes faciais sobressaem do focinho, testa e têmporas e acredita-se serem altamente sensíveis para facilitar a localização das presas em águas turvas, quando a visão é prejudicada. As narinas das lontras (colocadas para a frente no topo da cabeça) e suas orelhas pequenas e redondas (colocadas altas e bem atrás) podem ser fechadas para evitar a entrada de água durante o mergulho.

A garganta e o tórax são geralmente marcados com manchas irregulares de cor creme (que podem estar praticamente ausentes ou formar uma grande área branca); o focinho, lábios e queixo são frequentemente manchados de branco.

Os membros curtos e agachados terminam em grandes pés carnudos com uma teia muito bem desenvolvida, estendendo-se até as pontas dos dedos com garras. A cauda é achatada dorsoventralmente como a de um castor e grossa e musculosa na base.

Habitat

A ariranha gigante frequenta rios, córregos, lagos e pântanos de florestas tropicais de terras baixas. Esta espécie é particularmente vulnerável a perturbações humanas. As lontras gigantes vivem em rios, lagos e riachos de água doce que se movem lentamente, com margens levemente inclinadas e vegetação saliente.

Eles preferem áreas com presas abundantes em águas relativamente rasas, com fácil acesso a riachos ou pântanos. Água limpa torna a caça mais fácil, então, se disponível, eles escolhem águas escuras, onde a água é clara, mas manchada de escuro com produtos de decomposição da vegetação florestal, embora esses ambientes suportem menos presas que áreas de água branca, pois o ácido húmico não favorece os microrganismos que as espécies de presas se alimentam.

No Peru, onde a água branca, ou seja, água com alta carga de sedimentos, é mais comum, as ariranhas escolhem lagos marginais, onde o sedimento tende a se depositar no fundo. Eles também são encontrados em pântanos e pântanos, e ocasionalmente foram registrados em reservatórios e canais agrícolas.

Anatomia

Anatomia Óssea da Ariranha
Anatomia Óssea da Ariranha

Na maioria das espécies de mamíferos, o esqueleto cardíaco é composto por fibras colágenas grossas, fibrocartilagem e pedaços de cartilagem hialina. O esqueleto do coração da ariranha é composto de fibras colágenas grossas com pedaços intercalados de cartilagem fibrosa e hialina, cartilagem calcificada e osso lamelar com medula vermelha ou branca. Em ambos os sexos, a quantidade de cartilagem e ossos aumenta conforme a idade.

Estudos anatômicos realizados em ariranhas de rios utilizaram métodos de dissecação grosseira de nove espécimes, radiografia de 18 lontras vivas e exame físico de 170 lontras.

Órgãos Internos da Ariranha

A gordura corporal nas ariranhas é armazenada principalmente por via subcutânea na base da cauda e nas axilas, portanto a falta de detalhes viscerais nas radiografias abdominais é devida à falta de gordura celômica. O coração e os grandes vasos são orientados como no cão. A silhueta radiográfica cardíaca mede três espaços intercostais lateralmente entre a quarta e a sexta costelas.

A estimativa subjetiva da idade pela avaliação do desgaste dentário é confirmada pelo exame histológico dos anéis do cemento. Estruturas dos pés foram visualizadas por técnica mamográfica de alta resolução. O timo adulto era proeminente, mas a glândula era pequena no animal juvenil estudado. O baço era inesperadamente grande, mas consistente com os achados de outras espécies de lontras europeias (Lutra lutra). Como em outras lontras e mamíferos, os rins são reniculados.

As estruturas do tórax são os ossos do esqueleto que mais informações oferece sobre a vida de um animal. Para um estudo anatômico dos ossos internos da ariranha foram analisados ossos de 24 espécimes adultos coletados mortos em rodovias, através da descrição macroscópica, comparativa, radiográfica e osteométrica do esqueleto.

Ossos Internos da Ariranha

Os ossos internos da ariranha apresentaram adaptações em todos os segmentos relacionados a locomoção do animal e alguma capacidade de pronação e supinação para captura de presas menores, conforme descrições macroscópicas e imagens radiográficas, investigativas de padrões de trabeculação e topografia ósseas, mensurações lineares e tridimensionais e avaliações histológicas das clavículas.

O estudo do crânio dos mamíferos é importante porque a aparência fenotípica da cabeça das espécies animais e a forma desta estrutura contribuem para o conhecimento anatômico e a morfologia do crânio também tem sido usada como estrutura esquelética principal para determinar afiliações taxonômicas.

Ossos Internos da Ariranha
Ossos Internos da Ariranha

Com base no resultado de exames da osteologia e anatomia radiográfica, o crânio foi descrito macroscopicamente de acordo com vistas padrão, ou seja, dorsal e caudal, lateral, ventral e sagital mediana.O crânio pode ser dividido em regiões facial (viscerocranium) e cranial (neurocrânio). A região facial era alongada e mais desenvolvida que o neurocrânio. O forame supraorbital estava ausente. A bula timpânica não está bem desenvolvida. O arco zigomático foi formado por processo zigomático do osso temporal, processo zigomático da maxila e processo temporal do osso zigomático.

Houve uma tendência para os ossos serem mais longos nos machos, especialmente na extremidade distal do úmero, presumivelmente para a fixação de músculos antebraquiais mais fortes. O osso da clavícula vestigial foi encontrado em todos os indivíduos, tinha uma natureza predominantemente cartilaginosa e era significativamente maior no sexo masculino.

Veja também

Canguru Vermelho

Quais São os Predadores do Canguru e Seus Inimigos Naturais?

O Canguru é um animal muito conhecido e muito popular, ele é um mamífero que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *