Home / Animais / Doninha Europeia ou Vison Europeu: Características e Fotos

Doninha Europeia ou Vison Europeu: Características e Fotos

Durante o século 20, o número de doninhas europeias diminuiu em toda a sua extensão e foi levantada a hipótese de que, por trás desse declínio, há uma combinação de fatores, incluindo mudança climática, concorrência com as doninhas americanas introduzidas pelo homem assim como as doenças transmitidas por elas, destruição de habitat, diminuição de alimentos e hibridação.

Doninha Europeia Ou Vison Europeu: Características E Fotos

O vison europeu, cujo nome científico é mustela lutreola, é muito parecido com o vison americano (neovison vison), mas é um pouco menor e possui um crânio menos especializado. Apesar de ter um nome semelhante, estrutura física e comportamento, o vison europeu não é um parente próximo deste mustelídeo mas está mais intimamente relacionado com o tourão (mustela putorius) e a doninha siberiana (mustela sibirica).

A doninha européia é um representante típico do gênero mustela, com corpo muito alongado e pernas curtas. Tem uma cabeça grande e larga com orelhas curtas. Os membros são curtos, com membranas interdigitais relativamente bem desenvolvidas, principalmente as das patas traseiras. A cauda é curta e nunca excede a metade do comprimento do corpo (constitui cerca de 40% do comprimento total).

O crânio do vison europeu é menos alongado do que o da doninha siberiana, com arcos zigomáticos mais largos e uma região facial menos massiva. No aspecto geral, o crânio tem uma forma intermediária entre a da doninha siberiana e o tourão. No geral, é menos especializado para a dieta carnívora do que a de gambás e martas americanas. Os machos têm um comprimento do tronco da cabeça de 37 a 45 cm, as fêmeas de 35 a 40 cm. A cauda mede 15 a 20 cm nos machos e 15 a 18 cm nas fêmeas. O peso é 550 a 800 gramas.

O vison europeu é semelhante ao vison americano, mas difere dele sob algumas características importantes. Nas espécies americanas, a cauda é mais longa e atinge quase metade do comprimento do corpo. O pêlo de inverno do vison americano é mais espesso, mais longo e se torna muito mais difícil de se destacar da pele subjacente do que o do vison europeu.

Diferentemente do último, que tem manchas brancas nos lábios superior e inferior, o vison americano tem manchas brancas apenas no lábio superior e apenas muito raramente. O crânio do vison europeu é muito menos especializado em dieta carnívora do que o das espécies americanas, apresentando características mais infantis, como dentição mais fraca e projeções muito menos desenvolvidas. Também foi relatado que o vison europeu é menos eficiente debaixo d’água do que as espécies americanas.

Doninha Europeia Ou Vison Europeu: Comportamento E Dieta

O território ocupado por um vison europeu não é muito extenso, talvez porque, ao longo das margens dos pequenos corpos de água em que vive, é possível encontrar um suprimento abundante de alimentos. O tamanho do território varia de acordo com a disponibilidade de alimentos: em áreas ocupadas por prados aquáticos, onde os alimentos são escassos, um território também pode se estender por 60 a 100 hectares, mas geralmente sua área é de 12 a 14 hectares.

Doninha Europeia Dentro da Água
Doninha Europeia Dentro da Água

Os territórios de verão são menos extensos que os de inverno. Ao longo das margens de um riacho, um território pode se estender por 250 a 2.000 m de comprimento e 50 a 60 m de largura. A doninha europeia ocupa um esconderijo permanente e vários abrigos temporários. O primeiro é usado durante todo o ano, exceto no período de inundação, e está localizado a não mais de 6 a 10 metros da costa.

A construção da cova não é uma operação complexa, pois consiste em uma ou duas passagens de 8 a 10 cm de diâmetro e 140 a 150 cm de comprimento, que levam a um ninho de 48 × 55 cm. O chão da sala do ninho é coberto com palha, musgo, pêlos de roedor e penas. A espécie leva uma existência mais sedentária do que o vison americano e, quando o clima é particularmente rígido, passa longos períodos de tempo dentro da cova.

O vison europeu tem uma dieta diversificada, composta em grande parte por representantes da fauna aquática e ribeirinha, não diferindo muito do vison americano nesse sentido. As ratazanas são sua principal fonte de alimento, seguida de perto por crustáceos, sapos e insetos aquáticos. Os peixes são uma importante fonte de alimento; em alguns casos, as doninhas conseguiam capturar peixes com peso entre 1,0 e 1,2 kg. O requisito alimentar diário do vison europeu é de 140 a 180 g. Nos momentos em que a comida é abundante, o vison se esconde um pouco em esconderijos seguros.

Doninha Europeia Ou Vison Europeu: Alcance Geográfico

Doninha Europeia Fotografada de Pé
Doninha Europeia Fotografada de Pé

O alcance histórico do vison europeu se estendeu da Finlândia ao leste dos montes Urais, ao norte da Espanha e aos montes caucasianos. A descoberta relativamente recente do vison europeu na França e no leste da Espanha sugere expansão tardia da espécie para o oeste. No entanto, nos últimos 150 anos, declinou gravemente e foi extirpado ou bastante reduzido na maior parte de sua faixa anterior.

A faixa atual consiste em alguns fragmentos isolados: no norte da Espanha e no oeste da França, no delta do Danúbio na Romênia, na Ucrânia e na Rússia. Na Estônia, o último indivíduo selvagem foi preso em 1996. O estabelecimento de uma população insular na Estônia começou em 2000 e resultou em uma pequena população reprodutora de menos de 100 indivíduos na Ilha Hiiumaa. A espécie está em declínio, mesmo em seus enclaves atualmente remanescentes.

Somente a Romênia pode, talvez, ser considerada uma exceção. Na Romênia, a presença do vison europeu no delta do Danúbio foi confirmada relativamente recentemente. Os resultados de uma missão de pesquisa para a Romênia mostraram que a população do delta do Danúbio é claramente a mais viável do mundo: de acordo com a avaliação, a população no delta pode ser de 1.000 a 1.500 indivíduos. Há algumas informações sobre a presença do vison europeu também nos Cárpatos Romenos.

Doninha Europeia Ou Vison Europeu: Ameaçada De Extinção

Esta espécie está listada como ameaçada de extinção por causa de uma redução contínua da população. O declínio e a extinção da doninha europeia ou vison europeu não podem ser explicados com um único fator universal. Os principais fatores que operam a extinção foram perda de habitat, superexploração e o impacto invasivo do vison americano em seu habitat natural. No continente europeu, as atividades humanas resultaram em alterações de paisagens em larga escala, que tiveram um impacto substancial em vários habitats e suas espécies.

O vison europeu provou ser sensível às mudanças e perturbações ambientais induzidas pelo homem. Como o tipo e a extensão da influência humana sobre as espécies e seu biótopo variaram no tempo e entre as regiões da Europa, também variam o conjunto de fatores que contribuem para a extinção. Vários fatores frequentemente atuam em conjunto com um efeito cumulativo.

Doninha Europeia Em Cima de um Galho na Árvore
Doninha Europeia Em Cima de um Galho na Árvore

O impacto da caça excessiva e/ou mudança de habitat enfraqueceu as populações e acelerou o impacto da propagação subsequente do vison americano com a influência adicional de outros fatores. Pode ser que às vezes o intercâmbio de fatores-chave no tempo e/ou o impacto simultâneo de vários fatores tenham levado a um efeito sinérgico no vison europeu. Além disso, o tempo entre a introdução da ameaça e a extinção das espécies pode ser altamente variável, resultando na chamada extinção ou atraso de declínio.

Veja também

História da Harpia e Origem do Animal

Você já ouviu falar da harpia ? Pois bem, essa ave é o mesmo conhecido …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *