Home / Animais / Comportamento da Baleia, Hábitos e Modo de Vida do Animal

Comportamento da Baleia, Hábitos e Modo de Vida do Animal

As baleias que conhecemos hoje são extraordinariamente adaptadas à vida aquática. Milhões de anos no mar promoveram transformações favoráveis à vida nesse novo ambiente.

A História Evolutiva da Baleia

Assim como a história de nosso planeta, a história da baleia também está parcialmente inscrito nas rochas. Os primeiros cetáceos apareceram há cerca de 50 milhões de anos, quando os dinossauros já haviam desaparecido.

Têm por ancestral um antigo artiodátilo, isto é um mamífero terrestre quadrúpede, ungulado, com dedos iguais, bem adaptado para a raça. Os artiodátilos de hoje (por exemplo, a vaca, o porco, o camelo, o hipopótamo e a girafa) e os cetáceos descendem do mesmo ancestral. Eles são parentes tão próximos que os cientistas propõem colocá-los no mesmo grupo: cetartiodátilos. O caminho que esse mamífero terrestre levou para retornar ao mar é difícil de rastrear.

Por um lado, os paleontologistas há muito acreditam que os mesoniquídeos, um grupo de ungulados já extintos, eram os ancestrais mais prováveis dos cetáceos. Por outro lado, vários índices genéticos e moleculares mostraram uma estreita ligação entre os cetáceos e os artiodátilos, particularmente o hipopótamo.

Em 2001, os paleontologistas descobriram o “elo perdido” dos esqueletos de animais com típicos tornozelos artiodátilos e um típico crânio de cetáceos. Os esqueletos descobertos no Paquistão são os do pakicetus, o mais antigo cetáceo conhecido.

Ao contrário das baleias de hoje, este animal não era aquático e seus tornozelos mostram suas habilidades de corrida. Esta descoberta permite excluir mesoniquídeos como possíveis ancestrais dos cetáceos. Por outro lado, as ligações entre o hipopótamo e os cetáceos não são claras.

Milhões de anos no mar promoveram transformações favoráveis à vida nesse novo ambiente. As narinas, tornam-se aberturas, estão agora localizadas no topo da cabeça. Os membros posteriores desapareceram e as patas dianteiras se transformaram em barbatanas.

O corpo perdeu sua pele e quase todos os seus cabelos. Ele está rasgado. Uma cauda horizontal, hélice poderosa, presa à espinha. Essas adaptações escondem o parentesco existente entre as baleias e seus parentes mais próximos atuais. Mas as baleias são como nós mamíferos. Eles criam e amamentam seus filhotes como nós.

Comportamento da Baleia

Sob as primeiras dezenas de metros, onde os raios do sol ainda penetram, o mar é o domínio das trevas. Neste mundo, os sons substituem a luz. A capacidade de produzir e perceber uma gama muito ampla de sons é uma das adaptações mais impressionantes das baleias.

Estudar esses sons é essencial para entender como as baleias vivem neste ambiente tridimensional sem fronteiras. As baleias azuis podem produzir sons omnidirecionais de frequências muito baixas, inaudíveis pelo ouvido humano.

Esses sons podem viajar centenas de quilômetros. Ninguém sabe até que ponto essas baleias podem realmente se comunicar umas com as outras. Parece que as “mensagens” transportadas por esses sons podem ser transformadas com a distância, o que tornaria a comunicação impossível além de um certo limite.

Comportamento da Baleia

Se observadas de um avião, por exemplo, duas baleias comuns a poucos quilômetros de distância aparecem naturalmente como dois indivíduos isolados. Na verdade, essas duas baleias podem viajar juntas de maneira bem coordenada enquanto trocam informações sobre a presença de comida ou barcos.

Por exemplo, belugas têm repertórios vocais muito variados. Ninguém poderia reconhecer uma forma de linguagem nesses diretórios. A variedade de sons que eles usam pode estar associada ao seu comportamento social desenvolvido.

No caso da baleia beluga, que gasta uma parte da sua vida perto do bloco de gelo, onde o movimento do gelo produz um ruído de fundo muito poderoso, a capacidade de emitir uma ampla gama de sons pode ser essencial para manter a baleia em contato com outros membros de um grupo.

Belugas também usam sons para “ver” no escuro. Ao emitir séries ultra-sônicas que conseguem direcionar com muita precisão, elas navegam, assim como os morcegos e o capitão de um navio na neblina, usando um radar. Esse sistema de ecolocalização permite localizar objetos muito precisos invisíveis ao olho, identificar sua natureza e até mesmo conhecer seu movimento.

O canto melodioso das baleias jubarte, os ultra-sons da beluga e os dialetos familiares das orcas desempenham cada um uma função muito diferente na vida desses animais. Seja para cortejar, garantir a coesão do grupo, navegar ou até localizar alimentos, todas as espécies de baleias desenvolveram adaptações especiais que aproveitam a qualidade da propagação do som no ambiente aquático.

Hábitos da Baleia

As baleias vivem em migrações habitualmente. A migração é frequentemente motivada pela necessidade de encontrar áreas de alimentação altamente produtivas. Este poderia ser o caso das baleias anãs que vão para o Ártico no verão. A migração também pode ser motivada por estratégias reprodutivas. Isso é provavelmente o que faz as baleias jubarte se reunirem nas águas do Caribe no inverno. Essas grandes reuniões podem facilitar encontros entre machos e fêmeas.

A falta de coleta de dados das baleias comuns e baleias azuis no inverno levanta questões fascinantes. É possível que os sons de freqüência muito baixa emitidos por essas duas espécies permitam que machos e fêmeas saibam sua respectiva posição, mesmo que estejam espalhados no Atlântico. De acordo com a Rede de Espionagem Submarina da Marinha dos Estados Unidos, as baleias azuis emitem frequências de infravermelho tão baixas quanto 17 Hz, com duração média de 16 segundos, e podem ser ouvidas a centenas de quilômetros!

Modo de Vida da Baleia

Uma vasta campanha de “rotação” realizada por grupos de cientistas de ambos os lados do Atlântico tentaram acompanhar o paradeiro de várias espécies de baleias, com os cientistas usando foto-identificação, uma técnica que envolve fotografar as marcas naturais, cicatrizes ou barbatanas dorsais das baleias para reconhecê-las individualmente.

Assim desenvolveram fichas de observação para várias centenas de indivíduos. Essas fichas conseguiram mostrar, entre outras coisas, que a baleia azul é mais nômade que a baleia comum, ou seja, suas visitas a determinados lugares são menos regulares e mais curtas. A baleia azul provavelmente adapta seu itinerário a flutuações na abundância de krill que a alimenta. De acordo com esses relatórios, das cerca de 350 baleias azuis fotografadas, menos de um quarto são revistas regularmente nos mesmos lugares.

Já as baleias comuns e as baleias jubarte no Atlântico Norte são distribuídas no verão entre diversas áreas de alimentação, às quais são razoavelmente fiéis. Cada outono, eles deixam a área de alimentação para realizar uma migração impressionante. Algumas pessoas viajam até 5.000 quilômetros para chegar às águas temperadas e protegidas do Caribe, onde a população se concentra durante o inverno.

A maioria das grandes baleias com migração documentada segue o modelo de baleia jubarte. Elas se alimentam nas ricas águas de altas latitudes durante o verão e se reúnem em águas tropicais e subtropicais durante o inverno. No entanto, nenhuma reunião comparável para baleias comuns ou baleias azuis no Atlântico Norte é conhecida.

Veja também

Diferenças Entre Raças de Cães Maltês, Poodle, Shih-Tzu, Yorkshire e Bichon Frise

Porque as necessidades de todos são tão diferentes, vamos nos concentrar na comparação entre algumas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *