Home / Animais / Cobras Aquáticas Brasileiras: Conhecendo as Principais Espécies

Cobras Aquáticas Brasileiras: Conhecendo as Principais Espécies

O Brasil é um território rico em rios e zonas litorâneas. A presença de cobras marinhas ainda não está totalmente certificada. No entanto, as cobras aquáticas brasileiras são bem conhecidas, tanto nacionalmente, quanto internacionalmente.

Para coletar um exemplo disso, é só lançar a pergunta: quem aqui nunca assistiu ao filme Anaconda? Esse filme ficou famoso por mostrar gringos sendo atacados pela Sucuri em território amazônico. As gravações foram realizadas no Brasil e no Peru.

Ou quem nunca ouviu relatos sobre ataque de cobras próximo a rios? Relatos que vem principalmente do povo ribeirinho. A lenda da cobra grande, inclusive,  teria derivado de histórias sobre a própria cobra Sucuri (ou Anaconda).

Pois bem, caro leitor, hoje você vai conhecer um pouco mais sobre essas cobras aquáticas brasileiras, seus hábitos, suas características e algumas curiosidades.

Venha conosco e boa leitura!

Principais Características das Cobras Aquáticas Brasileiras

As cobras aquáticas são conhecidas por esse termo por habitarem territórios próximos a rios, e passarem boa parte do tempo submersas, rastejando na profundidade dos rios. Algumas espécies de cobras aquáticas brasileiras também estão presentes em zonas marinhas.

Para nadar, elas aproveitam a tensão superficial da água, de modo a deslizar através dela. São capazes de erguer entre ¼ a 1/3 da sua superfície corporal para fora da água.

Cobra Nadando
Cobra Nadando

Quando uma cobra aquática está nadando, dificilmente poderá atacar, isso ocorre porque a maioria das cobras (terrestres e aquáticas) precisam de uma superfície sólida na qual possam se apoiar. O risco de ataque é mais frequente quando elas estão rastejando no fundo dos rios, e são, descuidadamente, pisadas por banhistas.

Principais Espécies de Cobras Aquáticas Brasileiras

Sucuri

A cobra Sucuri é a famosa Anaconda. Também recebe outras terminologias de origem indígena, como cobra Arigbóia, Boiaçu, Boiçu, Viborões, Boiguaçu, Boiatipóias, Sucurijós, entre outras.

A família das cobras sucuris é a família Boidae, que também abrange as cobras jiboias. De modo geral, as cobras sucuris não são muito ágeis em ambientes terrestres, porém no meio aquático movem-se com mais rapidez e podem ficar até 30 minutos sem respirar.

As sucuris são cobras ovíparas e podem parir até 50 filhotes de uma única vez. Ao nascerem, os filhotes tem, em média, 60 centímetros de comprimento. A gestação dessa cobra dura 8 meses. A expectativa de vida das sucuris estende-se a 30 anos, sendo que aos 6 anos elas atingem a maturidade sexual.

Utilizam como estratégia de caça a espreita e o bote. Surpreendentemente, não são ofídios venenosos, mas desferem uma mordida forte o suficiente para atordoar a vítima, enquanto a envolvem com a sua musculatura. Frequentemente a morte da presa ocorre por constrição e afogamento.

A alimentação das sucuris é composta basicamente por vertebrados, dentre eles o roedores, lagartos, peixes, rãs, aves e jacarés.

Sucuri Agarrado a Bezerro
Sucuri Agarrado a Bezerro

A fêmea é bem maior do que o macho, e após a cópula, pode digerir o macho.

A pele da Sucuri é muito valiosa no mercado internacional, contribuindo para que esta espécie seja constantemente ameaçada de extinção pelo homem. Apesar da imagem repassada no filme “Anaconda”, cobras sucuris não tem o hábito de atacar seres humanos.

Em termos de comprimento, ela não é a maior cobra do mundo. A liderança fica a cargo da cobra Píton reticulada encontrada no sudeste asiático. A Ananconda atinge o máximo de 6 metros de comprimento, e a Píton 11 metros. Porém, a largura da Anaconda é maior.

Espécies de Cobras Sucuris

As cobras sucuris pertencem ao gênero Eunectes, o qual é característico da América Latina e engloba 4 espécies, são elas a Eunectes notaeus,  Eunectes murinus, Eunectes deschauensis e a Eunectes beniensis.

Dessas 4 espécies, a única que não é encontrada no Brasil é a Eunectes beniensis, a qual é característica da Bolívia. A sucuri mais popular por aqui é a Eunectes murinus (conhecido como Sucuri-verde), encontrada no Cerrado e na Amazônia, ela pode atingir até 5 metros de comprimento.

A Eunectes notaeus é a Sucuri-amarela, muito comuns em regiões de cerrado. Em nosso estado do Pará, no arquipélago do Marajó, é encontrada a Eunectes deschauenseei, também conhecida como Sucuri-malhada.

A Eunectes murinus tem uma coloração variante de verde-oliva a preto, manchas escuras em pares ao logo do dorso, e o ventre amarelado. Esta coloração auxilia bastante durante a camuflagem.

A Eunectes notaeus tem tons amarelados e coloridos ao longo do corpo. Algumas manchas pretas na cauda, que atravessam o dorso.

 Helicops Angulatus

Essa cobra também é conhecida pelo nome de Cobra d’água. É encontrada tanto em ambientes de água doce, quanto de água salobra. No Brasil, ela também pode ser encontrada em zonas litorâneas, por isso recebe a denominação “Cobra d’água do litoral”. Pertence à ordem Squamata e família Colubridae.

Esse ofídio é típico de países tropicais, por isso é encontrado na América Latina e nos países caribenhos de Trinidad e Tobago. É uma cobra pequena, tendo, em média, 70 cm de comprimento. Sua alimentação é através de peixes pequenos, enguias e rãs.

Suas características anatômicas incluem olhos pequenos, direcionados para cima; pupila redonda e ligeiramente semielíptica, escama internasal pequena e simples. A coloração do seu dorso varia entre verde-oliva e castanho-amarronzado. Apresenta manchas em tons de marrom no dorso, e de cor preta ventro-lateralmente e na parte de trás da cabeça. O ventre pode apresentação tonalidade amarelada, com algumas manchas marrons.

Os olhos direcionados para cima permitem que esta cobra fique na linha na linha d’água, parcialmente emersa, percebendo a movimentação ao seu redor. As escamas desse ofídio são bem ásperas, o que denomina-se escamas carenadas, ou seja, formada por quilhas.

Mas será que a Helicops angulatus é uma cobra venenosa?

Não, ela não se enquadra nessa característica. Inclusive, não tem fosseta loreal entre o olho e a narina.

*

E aí o que você achou da leitura?

Gostou de aprender um pouco mais sobre as características das cobras aquáticas brasileiras?

Então, compartilhe esse artigo nas suas redes sociais.

Continue navegando em nosso site e conhece outros artigos também.

Venha ser um expert na natureza conosco.

Até as próximas leituras!

REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, S. Conhecendo a cobra d’água- Helicops. Disponível em : < https://www.youtube.com/watch?v=cN0bmhaXdnc>;

CRUZ, C. O. Infoescola. Sucuri. Disponível em: < https://www.infoescola.com/ repteis/sucuri/>;

IBAMA. 2011. Disponível em: <https://detvsites- ibama.webnode.com.br/products /sucuri-/> ;

Helicops angulatus. Culebras de agua anguladas. Disponível em: < https://bio web.bio/faunaweb/reptiliaweb/FichaEspecie/Helicops%20angulatus>;

UETZ, P; FRED, P. & Jirí Hošek (eds.). 2016. The Reptile Database. Disponível em: <https://www.reptile-database.org/>.

Veja também

Araçari-Miúdo-de-Bico-Riscado: Características, Habitat e Fotos

Tucanos e araçaris são um grupo de aves neotropicais facilmente reconhecidas por seus bicos coloridos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *