Home / Animais / Cobertura do Corpo do Sapo

Cobertura do Corpo do Sapo

Na primeira abordagem inofensiva, os anfíbios podem ter armas de defesa potencialmente perigosas para um animal de estimação despreocupado. O cão é a primeira vítima de envenenamento por veneno de sapo. Uma evolução fatal não é rara. Um aviso é útil para uma intoxicação pouco conhecida.

Cobertura do Corpo do Sapo

Os sapos são anfíbios anuros (sem cauda) que representam mais de 500 espécies em todo o mundo. Eles são animais terrestres (e não aquáticos), noturnos ou crepusculares que passam o dia escondidos sob uma pedra ou em um buraco. Eles se alimentam principalmente de insetos e outros pequenos animais (lesmas, minhocas, centopéias, etc).

Na primavera, todos convergem em um ponto de água (aquele em que nasceram) para se reproduzir. Lá, após o acasalamento, os ovos são fertilizados em água e geram girinos, que em poucas semanas darão pequenos sapos. Durante o período de outono e inverno, os sapos geralmente hibernam em uma cavidade livre do frio e próximo de seu local de nidificação.

Estes animais poiquilotérmicos (cuja temperatura varia de acordo com o meio) têm uma pele rugosa cravejada de “verrugas”, glândulas granulares onde o veneno é produzido. Seu tegumento também tem muitas glândulas mucosas produzindo um muco que o protege da desidratação.

Benefícios e Malefícios Desse Corpo

Existe um remédio conhecido da farmacopeia chinesa e usado há séculos como anti-inflamatório e analgésico. É usado, por exemplo, contra a dor de garganta, como cardiotônico, diurético anti-hemorrágico e tratamento antitumoral.

Suas propriedades terapêuticas estão ligadas à sua composição de bufadienolidos, esteroides e em particular bufalina, cuja atividade anti-tumoral foi estabelecida. Outro componente, a bufotenina, é conhecido por seus efeitos alucinógenos (age como o LSD).

Os malefícios do corpo do sapo está em sua toxicidade, causada pelo veneno de aparência branca e cremosa produzida pelas glândulas granulares presentes na derme na parte dorsal do corpo do sapo.

As maiores e mais venenosas, as glândulas paratóides, estão atrás da cabeça. Eles representam um mecanismo de defesa passiva do animal (não o inocula voluntariamente). Quando o corpo está sob pressão excessiva (cão mordendo o sapo, por exemplo), as glândulas liberam o veneno sob a ação dos músculos ao seu redor.

O veneno tem um coquetel de moléculas tóxicas; derivados de esteroides efeitos cardíacos (bradicardia, paragem cardíaca atrial) com bufadienolidos, os bufotoxinas e bufagina, alcaloides vasoconstritor (constrição dos vasos sanguíneos), catecolaminas (adrenalina, noradrenalina) e moléculas efeito alucinogênios. Ácido, este veneno também é irritante para as membranas mucosas.

As Principais Vítimas

Em teoria, qualquer animal é suscetível a veneno de sapo, exceto seus predadores naturais, alguns até mesmo sendo provavelmente imunes ao veneno. Na medicina veterinária, são os animais domésticos as principais vítimas embora envenenamento de gado, acidental, também já tenha sido documentado.

Os casos de intoxicação são observados principalmente em cães e muito raramente em gatos (que não são tão tendenciosos a abocanhar esse batráquio tanto quanto os cães). É preciso, de fato, uma alta pressão no corpo do sapo para que o veneno seja ejetado.

O cão é quem mais encara o sapo como uma presa em potencial ou brinquedo, agarra-o com suas mandíbulas e é imediatamente exposto ao veneno liberado. Raramente ingere o animal por causa da acidez do veneno, que é rapidamente absorvido pelas membranas mucosas digestivas. O envenenamento ocorre invariavelmente da primavera ao início do outono, com um pico no verão.

Para os humanos, tocar no sapo não é necessariamente perigoso porque o veneno não penetra na pele. Ainda é aconselhável lavar as mãos depois. Lembre-se que estamos falando de tocar, e não comer (o ato de comer obviamente potencializará o risco de envenenamento, sem dúvida).

Os Sintomas e os Primeiros Socorros

Falando especificamente de cães ou gatos, os primeiros sintomas aparecem assim que o animal abocanhar o sapo e o veneno for liberado. O animal tem hipersalivação que dura pelo menos 12 horas, devido à inflamação grave da cavidade oral e faringe. A anorexia é observada por 48 horas. Se a intoxicação é mínima, apenas estes sinais estão presentes, então tudo poderá retornar ao normal.

Cachorro e Sapo se Encarando
Cachorro e Sapo se Encarando

Em casos mais graves (relacionados com a doença sistêmica), vômitos com diarreia, dor abdominal são possíveis 24 horas após a intoxicação e, em seguida, aparecem hipertermia, depressão, dificuldade em respirar, incoordenação dos membros (marcha anormal), tremores e convulsões. Os sinais cardíacos são detectáveis ​​na auscultação e no eletrocardiograma (bradicardia ou taquicardia, arritmias).

O prognóstico fatal é acometido quando o animal é jovem e/ou de pequeno tamanho (gato, pinscher, chihuahua …). A morte pode ser rápida (menos de 24 horas). Em cães maiores, uma melhoria é real após apenas 6 dias, mas o animal ainda tem uma longa letargia e incoordenação dos membros. Às vezes, o veneno ejetado entra em contato com o olho e provoca grave ceratoconjuntivite.

Não há antídoto e qualquer contato oral com um sapo requer consulta de emergência. Portanto, se viu o sapo e notou seu animal doméstico salivando muito, leve-o ao veterinário imediatamente. As primeiras doze horas após o contato são fundamentais para salvar seu cão ou gato. A evolução depende da quantidade de veneno ingerido, da velocidade de intervenção e do tamanho do animal.

O primeiro passo é lavar a boca durante muito tempo com água (garrafa de água, jato de água …). Se o olho for afetado, recomenda-se enxaguar com solução salina morna. O tratamento clínico é então bochechos sintomáticos com bicarbonato de sódio (para neutralizar a acidez do veneno), fluidos intravenosos, injeção de corticosteroides, choque dose de ação rápida, atadura gástrica. O monitoramento cardíaco essencial é implementado com a medicação apropriada.

Prevenção é Sempre o Melhor

Muito poucas pessoas estão cientes do perigo associado aos sapos. A prevenção passa pela informação e o aviso aos donos de cães e gatos. Um ptialismo súbito e inexplicado em um animal que esteve no quintal deve levar a uma consulta de emergência.

Não se trata de implementar agora uma caça ao sapo. Cuidado com isso, aliás, porque a matança de sapo é proibido em muitos lugares. E eles não tem culpa!

Homem Segurando Sapo
Homem Segurando Sapo

Uma informação importante nesse caso está em distinguir, diferenciar rãs e sapos (ou pererecas). Todos os três são anuros, a denominação dada a esses anfíbios sem cauda na fase adulta, mas cada um deles possuem denominações distintas que os caracterizam como espécies completamente diferentes baseadas em sua morfologia.

A perereca, por exemplo, é sempre menorzinho que rãs ou sapos, habitam invariavelmente as árvores e a maioria possuem uma espécie de ventosa nas suas patas traseiras.

As rãs não são a fêmea do sapo, nada haver. Rãs são aquelas espécies de pele lisinha, bem úmidas, que vivem nas águas. Suas pernas traseiras geralmente são longas, ás vezes até maiores que o próprio corpo, lhes dando a habilidade de pular longas distâncias.

O sapo, por outro lado, tem pele grossa, “pustular” e seca. Tem um focinho arredondado e pernas curtas. Geralmente se movem principalmente andando desajeitados, ou com pulinho bem curtos. Esses últimos verrugosos é que são os tipos que seu cãozinho deve evitar!

Veja também

Toucanet-Amarela: Características, Nome Cientifico e Fotos

As aves são animais que se destacam de maneira bastante evidente em todo o planeta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *