Home / Animais / Cavalo da Mongólia: Características, Nome Cientifico e Fotos

Cavalo da Mongólia: Características, Nome Cientifico e Fotos

O cavalo da Mongólia, também chamado de cavalo selvagem ou cavalo Dzungarian, é um equino nativo raro e ameaçado, advindo dos estepes da Ásia central.

Ao mesmo tempo extinto da natureza, foi reintroduzido em seu habitat nativo na Mongólia no Parque Nacional Khustain Nuruu. A maior parte dos exemplares atuais são realmente cavalos selvagens descendentes dos domesticados. Estes escaparam e foram adaptados à vida silvestre. Mas o cavalo da Mongólia é considerado o único cavalo selvagem “verdadeiro” existente no mundo hoje.

Quer conhecer mais à respeito desse equino? No artigo que segue abaixo temos todas as informações de que precisa. Confira!

Características do Cavalo da Mongólia

Essa espécie de cavalo é robusto em comparação aos outros equinos, tendo pernas mais curtas. A altura típica é de aproximadamente de 1,20 a 1,40 m, com o comprimento é de cerca de 2,1 m. Ele pesa cerca de 300 kg.

Seu pelo é de cor variante entre castanho escuro em torno da crina e castanho claro nos flancos. Além disso, tem também amarelado-branco sobre a barriga e em todo o focinho.

Cavalo da Mongólia Características

As pernas do cavalo da Mongólia costumam ser levemente listradas, também típicas de marcas primitivas. A cauda tem cerca de 90 cm de comprimento, com uma doca mais longa e pelos mais curtos do que os encontrados em outras espécies.

Ecologia e Comportamento

Na natureza, os cavalos de nome científico Equus ferus przewalskii, vivem em pequenos grupos familiares permanentes, constituídos por:

  • Um garanhão adulto;
  • Uma a três éguas;
  • Seus descendentes comuns.

Os filhos permanecem no grupo familiar até que não sejam mais dependentes, geralmente com dois ou três anos de idade. Garanhões solteiros, e às vezes garanhões velhos, se juntam a grupos de solteiros.

Os padrões de suas vidas diárias exibem comportamentos semelhantes ao dos rebanhos de cavalos selvagens. Os garanhões agrupam, dirigem e defendem todos os membros de sua família, enquanto as éguas frequentemente exibem liderança.

Garanhões e éguas ficam com seus parceiros preferidos por anos. Embora a sincronização comportamental seja alta entre as fêmeas, os machos que não sejam o harém principal são geralmente menos estáveis ​​nesse aspecto.

Esses animais mantêm contato visual com o rebanho o tempo todo e têm várias maneiras de se comunicar, incluindo:

  • Vocalizações;
  • Marcação de cheiro;
  • E uma ampla gama de sinais visuais e táteis.

Dieta do Animal

A dieta do cavalo da Mongólia consiste principalmente de vegetação. Muitas espécies de plantas estão em um ambiente típico, mas os animais tendem a favorecer um tipo ou outro durante uma época específica do ano. Em outras palavras, a sua preferência alimentar é sazonal.

O acasalamento ocorre no final da primavera ou no início do verão. Os garanhões acasalados não começam a procurar parceiros até os cinco anos de idade. Eles reúnem grupos de éguas ou desafiam o líder de outro grupo pelo domínio.

As fêmeas são capazes de dar à luz aos três anos de idade e têm um período de gestação de até 12 meses. Potros são capazes de ficar cerca de uma hora inertes após o nascimento. A taxa de mortalidade infantil entre potros é de 25%, sendo 83,3% dessas mortes resultantes do principal infanticídio no garanhão.

Os potros começam a pastar em poucas semanas, mas não são desmamados por 8 a 13 meses após o nascimento. Eles atingem a maturidade sexual aos dois anos de idade.

História do Animal e Habitat

A sua primeira descrição cientifica ocorreu no fim do século XIX pelo explorador NM Przewalski, de onde se tirou seu nome. O animal vagou bem livre pelas estepes ao longo das fronteiras entre a China e a Mongólia.

Entretanto, nunca mais visto na natureza, ele foi mantido e criado em cativeiro, sendo recentemente reintroduzido no país.

Equus Ferus Przewalskii Habitat

As razões prováveis ​​para o declínio das espécies foram a caça e as competições com os gados por forragem e água. Além disso, invernos rigorosos provavelmente contribuíram para a extinção do cavalo da Mongólia. Essa espécime vivia nos habitats de estepe e semi-deserto.

Como a maior parte dessa faixa se degradou ou foi ocupada pelo gado, os animais ficaram restritos a habitats semi-desérticos com recursos hídricos limitados. Os movimentos sazonais são afetados pela disponibilidade da vegetação mais nutritiva.

Reintrodução na Natureza

Esta é considerada a subespécie selvagem, pois seus ancestrais não foram domesticados nunca. Assim, o cavalo da Mongólia teve a sua extinção aa natureza iniciando-se lá na década de 60, especialmente através do cruzamento com outros equinos domesticados.

Os esforços para reintrodução em torno da virada desse século aumentaram e sustentaram bem as populações selvagens nas várias localidades da Mongólia. Isso levou a IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza) a reclassificar a subespécie como em perigo criticamente em 2008.

Embora as maiores ameaças de hoje em dia incluam perda da diversidade genética, a extinção também ocorreu por conta da:

  • Perda do habitat;
  • Caça;
  • Perda das fontes da água para os animais domésticos.

Desde 1992, vários programas de reintrodução foram realizados ou estão planejados para a China, Mongólia e Cazaquistão, com o sucesso variado. Hoje, a Mongólia é o único país onde populações verdadeiramente selvagens existem dentro da faixa histórica da espécie.

As populações reintroduzidas podem ser encontradas em Gobi, Dzungarian, Parque Nacional Hustai e Khomiin Tal, perto do Parque Nacional Khar Us Nuur. Atualmente, existem cerca de 300 cavalos na Mongólia, outros 120 estão sendo lançados na China sazonalmente.

Na China, existem centros de criação em cativeiro nas províncias de Xinjiang e Gansu, que liberam esses cavalos no lado chinês do Gobi de Dzungarian. Existem populações criadas em cativeiro em grandes reservas na França, Uzbequistão, Hungria e Ucrânia.

Gobi de Dzungarian

A principal ameaça é a hibridação com cavalos domésticos e a transmissão de doenças infecciosas. Com a expansão das populações, é provável que a competição dos animais aumente e represente ameaças.

Recentemente, a mineração ilegal em áreas protegidas se tornou uma ameaça adicional, causando invasões e perturbações.

Gostou de conhecer mais sobre o cavalo da Mongólia? Essa espécie de equino selvagem precisa de ajuda para não ser extinto de vez do planeta.

Veja também

Como Cuidar de um Basset Hound Filhote: Cuidados e Doenças

Você já ouviu falar do cão Basset Hound? Pois bem, esta raça possui cãezinhos bastante …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *