Home / Animais / Camarão VG x Camarão VM: O que são? Quais as Diferenças?

Camarão VG x Camarão VM: O que são? Quais as Diferenças?

O consumo de camarões tem alcançado crescente expansão na economia mundial. Tanto que já nem se trata apenas de um pescado, mas tornou-se até mesmo item de criação em viveiros, visando o comércio de exportação. Aqui no Brasil, principalmente no Rio Grande do Norte, a criação de camarões, a carcinicultura, já é praticada desde a década de 70.

História da Criação de Camarões

A criação de camarões tem sido praticada na Ásia há séculos, usando métodos tradicionais de baixa densidade. Na Indonésia, as lagoas de água salobra chamado tambaks são atestados desde o século 15. Camarões foram criados em lagoas, em monocultivo, com outras espécies como Chanos ou alternando com arroz, arrozais utilizados para a criação de camarões durante a estação seca, inadequados para o cultivo de arroz.

Estas fazendas tradicionais eram muitas vezes pequenas fazendas localizadas na costa ou nas margens dos rios. Zonas de mangue foram preferidos porque são de uma fonte natural e abundante de camarão. Camarões selvagens jovens foram capturados em lagoas e alimentados por organismos naturais na água até atingirem o tamanho desejado para a colheita.

A origem da agricultura industrial remonta a 1928 na Indochina, quando a criação do camarão japonês (penaeus japonicus) foi realizada pela primeira vez. Desde a década de 1960, uma pequena atividade de cultivo de camarão apareceu no Japão.

A agricultura comercial realmente começou no final da década de 1960. Os avanços na tecnologia levaram a formas cada vez mais intensivas de exploração, e a crescente demanda do mercado levou à proliferação da carcinicultura em todo o mundo, em especial regiões tropicais e subtropicais.

No início dos anos 80, um aumento na demanda coincidiu com o enfraquecimento das capturas de camarão selvagem, causando um verdadeiro boom na criação industrial. Taiwan estava entre os primeiros seguidores e um grande produtor nos anos 80; sua produção entrou em colapso a partir de 1988 devido a más práticas de manejo e doenças. Na Tailândia, o cultivo intensivo de camarão em grande escala desenvolveu-se rapidamente a partir de 1985.

Na América do Sul, a criação de camarões pioneiros deu início no Equador, onde essa atividade se expandiu dramaticamente desde 1978. No Brasil, essa atividade começou em 1974, mas o comércio realmente explodiu na década de 1990, tornando o país um grande produtor no espaço de poucos anos. Hoje, existem fazendas de camarão marinho em mais de cinquenta países.

Métodos de Criação

Na década de 1970, a demanda havia ultrapassado a capacidade da produção pesqueira e a pecuária de camarão selvagem surgiu como uma alternativa economicamente viável. Os antigos métodos agrícolas de subsistência foram rapidamente substituídos pelas práticas mais intensivas de uma atividade orientada para a exportação.

A carcinicultura industrial inicialmente seguiu os métodos tradicionais com as chamadas fazendas extensivas, mas compensando a baixa produção por unidade de área por um aumento no tamanho das lagoas: em vez de lagoas de alguns hectares, as lagoas variando de até um km² foram usados ??em alguns lugares.

O setor, inicialmente mal regulamentado, floresceu rapidamente e em muitas áreas de grandes manguezais foram desmatadas. Novos avanços técnicos permitiram práticas agrícolas mais intensivas para alcançar rendimentos mais altos usando menos terra.

Surgiram fazendas semi-intensivas e intensivas, nas quais os camarões eram alimentados com rações industriais e lagoas ativamente gerenciadas. Embora ainda existam muitas fazendas extensivas, as novas fazendas geralmente são semi-intensivas.

Até meados da década de 1980, a maioria das fazendas de camarão era povoada por camarões selvagens jovens, chamados de pós-larvas, geralmente capturados por pescadores locais. A pesca pós-larval tornou-se uma atividade econômica importante em muitos países.

Para combater o início do esgotamento das áreas de pesca e garantir o fornecimento constante de camarões, o setor começou a produzir camarão a partir de ovos e a criar camarões adultos para reprodução em instalações especializadas, denominadas incubadoras.

Camarão vg x Camarão vm: O que são? Quais as Diferenças?

Das muitas espécies de camarão, apenas algumas, grandes, são realmente de importância comercial. Todos esses pertencem à família penaeidae, incluindo o gênero penaeus. Muitas espécies não são adequadas para a reprodução: porque são muito pequenas para serem lucrativas e porque o seu crescimento pára quando a população é muito densa, ou porque são muito sensíveis a doenças. As duas espécies dominantes no mercado mundial são:

O camarão de patas brancas (litopenaeus vannamei) é a principal espécie cultivada nos países ocidentais. Um nativo da costa do Pacífico do México ao Peru, que atinge uma altura de 23 cm. O penaeus vannamei é responsável por 95% da produção na América Latina. Ele é facilmente criada em cativeiro, mas é muito suscetível a doenças.

O camarão tigre gigante (penaeus monodon) é encontrado em estado selvagem no Oceano Índico e no Pacífico, do Japão à Austrália. É o maior dos camarões cultivados, podendo atingir 36 cm de comprimento e é de grande valor na Ásia. Devido à sua susceptibilidade à doenças e à dificuldade de criá-los em cativeiro, ele foi progressivamente substituída pelo peaneus vannamei desde 2001.

Litopenaeus Vannamei
Litopenaeus Vannamei

Em conjunto estas espécies são responsáveis por aproximadamente 80% da produção total de camarão no mundo. No Brasil, somente o chamado camarão de patas brancas (peaneus vannamei) tem sua expansão na carcinicultura local. Sua variedade e estágios de desenvolvimento permitem a sua comercialização em diferentes tamanhos. Por isso, embora sejam a mesma espécie de camarão, as especificações VG ou VM referem-se somente as suas variações de tamanho para a venda.

A especificação VG refere-se a camarões de Variações Grandes (ou Verdadeiramente Grandes), que para pesar 01 Kilograma de venda, basta adicionar de 9 a 11 desses. A especificação VM refere-se a camarões de variações menores que, para pesar 01 quilograma de venda, será necessário adicionar de 29 a 45 unidades deles, em média na balança.

Vale ressaltar que essas especificações fazem a referência a todos os camarões, tanto os de carcinicultura como os pescados (esses possuem variedades de espécies, desde o camarão cinza como também o camarão pistola ou camarão de estalo, um dos mais valorizados no comércio brasileiro).

Outros Camarões de Interesse Comercial no Mundo

Conhecidos por alguns como camarão azul, o penaeus stylirostris foi uma espécie de reprodução popular nas Américas até o vírus NHHI varrer quase toda a população no final de 1980. Poucos espécimes sobreviveram e se tornaram resistentes ao vírus. Quando se descobriu que alguns destes eram tão resistentes contra o vírus Taura, a criação de penaeus stylirostris foi retomada em 1997.

O camarão branco chinês ou camarão carnudo (penaeus chinensis) é encontrado ao longo das costas da China e da costa oeste da Coréia, e é criado na China. Atinge um máximo de 18 cm de comprimento, mas tolera água relativamente fria (pelo menos 16° C). Anteriormente um dos pilares do mercado mundial, agora destina-se exclusivamente ao mercado interno chinês após uma doença viral que eliminou quase toda a pecuária em 1993.

O camarão imperial ou camarão japonês (penaeus japonicus) é produzido principalmente no Japão e Taiwan, mas também na Austrália: o mercado único é o Japão, onde esse camarão chegou a alcançar preços altíssimos, cerca de US $ 220 dólares americanos por quilo.

O camarão indiano (fenneropenaeus indicus) é hoje uma das principais espécies de camarões comerciais no mundo. É nativa das costas do Oceano Índico e é de alta importância comercial na Índia, no Irã e no Oriente Médio e ao longo da costa africana.

O camarão banana (penaeus merguiensis) é outra espécie cultivadas em águas costeiras do Oceano Índico, a partir de Omã até a Indonésia e Austrália. Suporta reprodução de alta densidade.

Várias outras espécies de penaeus desempenham um papel muito pequeno na criação de camarão. Outros gêneros de camarão também podem possuem importância comercial mesmo na carcinicultura, como camarão metapenaeus spp. A produção total deste último na aquicultura está atualmente na ordem de 25.000 a 45.000 toneladas por ano, em comparação com a de penaeidae.

Veja também

História do Burro e Origem do Animal

O burro é o animal resultante do acasalamento entre um jumento (conhecido também como jegue …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *