Home / Animais / Besouro-Tigre: Características, Nome Cientifico e Fotos

Besouro-Tigre: Características, Nome Cientifico e Fotos

Besouro-tigre é um grande grupo de besouros, da subfamília Cicindelinae, conhecida por seus hábitos predadores agressivos e velocidade rápida.

As espécies mais rápidas desse besouro, Cicindela hudsoni, podem correr a uma velocidade de 9 km/h, ou cerca de 125 comprimentos de corpo por segundo.

Em 2005 foram conhecidas cerca de 2.600 espécies e subespécies, com a mais rica diversidade na região oriental (indo-malaia), seguida pelos neotrópicos.

Vamos conhecer mais sobre esse inseto? No artigo abaixo tem tudo o que você precisa saber. Confira!

Características do Besouro-Tigre

Os besouros-tigre costumam ter grandes olhos esbugalhados, pernas longas e delgadas e mandíbulas curvas grandes. Todos são predadores, tanto como adultos quanto como larvas.

O gênero Cicindela tem uma distribuição cosmopolita. Outros gêneros conhecidos incluem TetrachaOmusAmblycheila e Manticora. Enquanto os membros do gênero Cicindela são geralmente diurnos e podem estar fora de circulação nos dias mais quentes.

Esse tipo de besouro costuma ter cores vivas, enquanto alguns espécimes são geralmente de cor preta uniforme. O besouro do gênero Manticora são os maiores em tamanho da subfamília. Estes vivem principalmente nas regiões secas da África Austral.

As larvas  vivem em tocas cilíndricas até um metro de profundidade. São larvas de cabeça grande, apoiadas em corcundas, que a vira para capturar insetos que vagam pelo chão.

Besouro-Tigre Aparência
Besouro-Tigre Aparência

Os adultos em movimento rápido atropelam suas presas e são extremamente ágeis com a asa. Seus tempos de reação são da mesma ordem que os das moscas domésticas comuns. Alguns besouros-tigre nos trópicos são arbóreos, mas a maioria corre na superfície do solo.

  • Eles vivem:
  • Ao longo das margens do mar e do lago;
  • Nas dunas de areia;
  • Em torno dos leitos de praia;
  • Nas margens de barro;
  • Nas trilhas da floresta, particularmente apreciando as superfícies arenosas.

Adaptações do Inseto

O besouro-tigre exibe uma forma incomum de perseguição, na qual alternadamente corre rapidamente em direção às presas. Depois para e se reorienta visualmente.

Isso pode ocorrer porque durante a execução, o besouro está se movendo rápido demais para o sistema visual processar imagens com precisão. Para evitar obstáculos enquanto corre, ele segura suas antenas rígidas e diretamente na frente dele para sentir mecanicamente seu ambiente.

Besouro-Tigre Características físicas
Besouro-Tigre Características físicas

Taxonomia

Os besouros-tigre eram tradicionalmente classificados como da família Cicindelidae. Mas a maioria das autoridades agora os trata como a subfamília Cicindelinae dos Carabidae (besouros terrestres).

As classificações mais recentes, no entanto, as relegaram a um subgrupo monofilético dentro da subfamília Carabinae, embora isso ainda não seja universalmente aceito. Consequentemente, não há classificação de consenso para esse grupo, em qualquer nível, da família até a subespécie. Assim, pode ser extremamente difícil decifrar a literatura taxonômica em torno desse grupo. Muitos gêneros são o resultado da divisão do grande gênero Cicindela.

Os gêneros do Besouro-Tigre

Alguns dos gêneros do besouro-tigre incluem:

  • Esperança de Abroscelis, 1838;
  • Aniara Hope, 1838;
  • Amblycheila Say, 1829;
Amblycheila Say
Amblycheila Say
  • Antennaria Dokhtouroff, 1883;
  • Archidela Rivalier, 1963;
  • Apteroessa Hope, 1838;
  • Baloghiella Mandl, 1981;
  • Brasiella Rivalier, 1954;
Brasiella Rivalier
Brasiella Rivalier
  • Bennigsenium W. Horn, 1897;
  • Caledonica Chaudoir, 1860;
  • Callytron Gistl, 1848;
  • Caledonomorpha W. Horn, 1897;
  • Calomera Motschulsky, 1862;
  • Cenothyla Rivalier, 1969;
  • Calyptoglossa Jeannel, 1946;
  • Cephalota Dokhtouroff, 1883;
  • Cheilonycha Lacordaire, 1843;
  • Chaetodera Jeannel, 1946;
Chaetodera Jeannel
Chaetodera Jeannel
  • Cheiloxya Guerin-Meneville, 1855;
  • Collyris Fabricius, 1801;
  • Cicindela Linnaeus, 1758;
  • Cratohaerea Chaudoir, 1850;
  • Cylindera Westwood, 1831;
  • Ctenostoma Klug, 1821;
  • Darlingtonica Cassola, 1986;
  • Diastrophella Rivalier de 1957;
Diastrophella Rivalier
Diastrophella Rivalier
  • Derocrania Chaudoir, 1860;
  • Dilatotarsa Dokhtouroff, 1882;
  • Dromica Dejean, 1826;
  • Distipsidera Westwood, 1837;
  • Dromicoida Werner, 1995;
  • Ellipsoptera Dokhtouroff, 1883;
  • Eucallia Guerin-Meneville, 1844;
  • Enantiola Rivalier, 1961;
Enantiola Rivalier
Enantiola Rivalier
  • Eunota Rivalier, 1954;
  • Euryarthron Guerin-Meneville, 1849;
  • Euprosopus Dejean, 1825;
  • Esperança Eurymorpha, 1838;
  • Grandopronotalia W. Horn, 1936;
  • Habroscelimorpha Dokhtouroff, 1883;
  • Habrodera Motschulsky, 1862;
  • Esperança de Heptodonta, 1838;
  • Iresia Dejean, 1831;
  • Hypaetha Leconte, 1860;
  • Jansenia Chaudoir, 1865;
  • Leptognatha Rivalier, 1963;
Leptognatha Rivalier
Leptognatha Rivalier
  • Langea W. Horn, 1901;
  • Lophyra Motschulsky, 1859;
  • Manautea Deuve, 2006;
  • Mantica Kolbe, 1896;
  • Macfarlandia Sumlin, 1981;
  • Manticora Fabricius, 1792;
  • Megalomma Westwood, 1842;
  • Megacephala Latreille, 1802;
  • Metriocheila Thomson, 1857;
  • Rivalier de Microthylax, 1954;
  • Micromentignatha Sumlin, 1981;
  • Myriochila Motschulsky, 1862;
  • Neochila Basilewsky, 1953;
Neochila Basilewsky
Neochila Basilewsky
  • Naviauxella Cassola, 1988;
Naviauxella Cassola
Naviauxella Cassola
  • Neocicindela Rivalier, 1963;
Neocicindela Rivalier
Neocicindela Rivalier
  • Neolaphyra Bedel, 1895;
  • Neocollyris W. Horn, 1901;
  • Nickerlea W. Horn, 1899;
  • Odontocheila Laporte, 1834;
  • Notospira Rivalier, 1961;
  • Omus Eschscholtz, 1829;
  • Opisthencentrus W. Horn, 1893;
  • Opilidia Rivalier, 1954;
Opilidia Rivalier
Opilidia Rivalier
  • Orthocindela Rivalier, 1972;

 

  • Oxycheilopsis Cassola e Werner, 2004;
  • Oxycheila Dejean, 1825;
  • Oxygonia Mannerheim, 1837;
  • Paraphysodeutera J. Moravec, 2002;
  • Oxygoniola W. Horn, 1892;
  • Pentacomia Bates, 1872;
  • Phyllodroma Lacordaire, 1843;
  • Peridexia Chaudoir, 1860;
  • Physodeutera Lacordaire, 1843;
  • Macleay Platychile, 1825;
  • Picnochile Motschulsky, 1856;
  • Pogonostoma Klug, 1835;
  • Pometon Fleutiaux, 1899;
  • Polyrhanis Rivalier, 1963;
  • Prepusa Chaudoir, 1850;
  • Pronyssa Bates, 1874;
  • Probstia Cassola, 2002;
Probstia Cassola
Probstia Cassola
  • Pronyssiformia W. Horn, 1929;
  • Prothymidia Rivalier, 1957;
  • Esperança de Prothyma, 1838;
  • Protocollyris Mandl, 1975;
Protocollyris Mandl
Protocollyris Mandl
  • Rhysopleura Sloane, 1906;
  • Pseudoxycheila Guerin-Meneville, 1839;
  • Rhytidophaena Bates, 1891;
  • Ronhuberia J. Moravec e Kudrna, 2002;
  • Rivacindela Nidek, 1973;
Rivacindela Nidek
Rivacindela Nidek
  • Salpingophora Rivalier, 1950;
  • Socotrana Cassola e Wranik, 1998;
  • Sumlinia Cassola e Werner, 2001;
  • Thopeutica Schaum, 1861;
  • Therates Latreille, 1816;
  • Tricondyla Latreille, 1822;
  • Waltherhornia Olsoufieff, 1934;
  • Vata Fauvel, 1903.

Registros fósseis dos Besouros-Tigre

O fóssil de besouro-tigre mais antigo já encontrado, Cretotetracha grandis, vem da Formação Yixian na Mongólia Interior, China. Data do início do Período Cretáceo, 125 milhões de anos atrás.

A maioria dos fósseis encontrados é de tonalidade cinza ou amarelo. Traços que identificam Cretotetracha como Cicindelinae incluem:

  • Mandíbulas longas em forma de foices;
  • Dentes simples dispostos ao longo da superfície interna da mandíbula;
  • Antenas que se ligam à cabeça entre a base das mandíbulas e o olho.

A mandíbula esquerda tem aproximadamente 3,3 mm e a mandíbula direita tem aproximadamente 4,2 mm de comprimento. Um corpo longo forma aproximadamente 8,1 mm, onde os olhos e a cabeça combinados são mais largos que o tórax e as pernas compridas.

Fósseis mesozóicos anteriormente conhecidos de besouros-tigre foram descritos na Formação Crato, há cerca de 113 milhões de anos atrás. Da mesma forma, os Oxycheilopsis cretacicus na Formação Santana, 112 milhões de anos atrás, ambos no Brasil.

O Inseto Mais Rápido do Mundo

Como já você já pode ter notado, o besouro-tigre não é um inseto comum, mas sim, o mais rápido de todo o mundo. Ele é capaz de correr aproximadamente 8 km/h. Isso significa que a distância é de 120 vezes todo o comprimento de seu corpo por segundo.

Tal velocidade é enorme porque esse animal chega a ficar cego quando está caçando. Esse acontecimento se dá porque seus olhos não são capazes de captar a luz de forma rápida o suficiente. Assim, as imagens não são formadas. É por conta disso que, quando vai procurar algo para comer, este besouro faz algumas pausas breves.

Em suma, o besouro-tigre não é um só animal. Essa espécie compreende vários outros insetos com características únicas e especiais. São de um mesmo gênero e família, pertencentes a habitat específicos.

 

Veja também

Alimentação da Mariposa: O Que Elas Comem?

As mariposas são insetos voadores muito semelhantes às borboletas. Como todos os insetos, o corpo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *