Home / Animais / Arraia: Curiosidades e Fatos Interessantes

Arraia: Curiosidades e Fatos Interessantes

As arraias são espécies de batoides que também têm lá as suas curiosidades. Uma delas é que, apesar de serem reconhecidamente animais dóceis e pacatos, costumam ser mortais quando algum desavisado invade o seu território.

E o resultado disso é um ataque certeiro, com a ajuda de um poderoso ferrão, que é um prolongamento da sua cauda, ao qual a vítima não consegue opor a menor resistência durante a investida.

Mas os especialistas são capazes de jurar que tais eventos são na verdade raros episódios, que só ocorrem mesmo quando motivados pelo seu instinto de sobrevivência.

Biologicamente, as arraias podem ser classificadas como espécies cartilaginosas, aquáticas, membros da subordem Batoidea, com corpo delgado e com as aberturas das brânquias curiosamente posicionadas abaixo da cabeça.

Elas pertencem à subclasse Elasmobranchii, onde também estão os tubarões, enguias, quimeras, cações, entre outras espécies semelhantes.

As arraias comungam de algumas semelhanças básicas com as espécies de urges, peixes-serras, ratões, peixes-guitarra, entre outras, que da mesma forma apresentam aberturas branquiais lateralmente posicionadas, uma estrutura cartilaginosa, barbatanas como prolongamentos dos seus corpos, entre outras características.

Mas o objetivo desse artigo é apenas fazer uma lista com algumas curiosidades que costumam ser atribuídas às arraias. Curiosidades que, muitas delas, brotam diretamente da sabedoria e da imaginação popular.

1.O Veneno das Arraias

No passado, as arraias eram confundidas pelos habitantes primitivos com entes míticos, cercados por lendas e mistérios, entre os quais, a de que seriam reencarnações de grandes guerreiros.

Contribuía para tal aura de mistério, o veneno altamente tóxico (não-letal) que elas produziam, capaz de provocar dores intensas, inchaço e até mesmo a necrose do local afetado.

O curioso é que esse veneno é composto por enzimas e pelo conhecido neurotransmissor “serotonina” – aquele mesmo responsável pelas sensações de prazer e bem estar –, só que, nesse caso, ele curiosamente faz com que os músculos atingidos se contraiam. E isso evita a circulação sanguínea, enquanto provoca a imediata sensação de dor.

Se a serotonina faz a sua parte contraindo os músculos, as enzimas tratam de destruir as células e os tecidos, causando o apodrecimento dos músculos e a interrupção da circulação. Caso não tratado a tempo, o dano pode levar até mesmo à amputação do membro comprometido.

2.São Espécies de Tubarões

As arraias estão entre os seres que mais são cercados por curiosidades, lendas e mistérios nas profundezas dos oceanos e dos rios. Só o fato de poderem ser encontradas em ambos os ecossistemas, já é motivo suficiente para torná-las alvo da curiosidade de leigos e de especialistas nessa espécie.

No entanto, se isso não bastasse, existe uma teoria que afirma que a arraia nada mais é do que uma variedade de tubarão. Elas seriam uma espécie de Pristiophoriformes – os “tubarões-serras” -, inclusive com alguns traços físicos, como a maxila superior serrilhada.

Tubarões-Serras
Tubarões-Serras

O que se diz é que análises da história evolutiva das arraias e dos tubarões, com a ajuda das ferramentas de manipulações genéticas e moleculares, colocam ambas as espécies como parentes do ponto de vista filogenético.

3.Um Ser Pré-Histórico

Não era novidade alguma para a ciência o fato de que as arraias já habitavam o nosso planeta antes mesmo de o homem sequer sonhar em fazer parte desse imenso bioma chamado terra.

Era o período dos grandes animais marinhos que aterrorizavam as profundezas dos oceanos há 50, 100, ou até mesmo há 300 milhões de anos.

Espécies como os terríveis Thalattoarchon saurophagis, o Megalodonte, o Livyatan melvillei, o Escorpião do mar ( Pterygotus ), entre outras espécies que, como agora se sabe, compartilhavam da companhia de uma imensa arraia, a Dactylobatus clarkii – uma exuberância com cerca de 380 quilos, que surpreendentemente foi encontrada na região litorânea da Flórida.

Mulher Brincando com Arraia
Mulher Brincando com Arraia

O sortudo que a encontrou foi o pescador Mark Quartiano que, apesar de tamanha experiência, tomou um susto quando capturou o animal, que até então não se sabia tratar-se de um ser que já existia naquela região há algumas dezenas de milhões de anos.

O “monstro” costuma habitar profundezas de mais de 350m, e pela sua aparência (coberto de crustáceos) indicava ser um animal bastante velho.

O pescador, meio a contragosto, teve que soltar o animal. E só ficou mesmo com a recordação do dia em que realizou o seu maior feito em 30 anos.

4.Uma Arraia Com a Imagem de Jesus

Definitivamente, a imaginação humana parece não ter mesmo limites. E dessa vez a curiosidade teve como personagem uma arraia encontrada nas proximidades da costa da Carolina do Sul – um dos 50 estados norte-americanos.

O que aconteceu foi que uma americana de 24 anos, Erika Scheldt, ao fotografar o animal encontrado na praia, surpreendeu-se ao ver o rosto de Jesus Cristo bem ali, “nitidamente” desenhado no dorso do animal.

Arraia Com a Imagem de Jesus
Arraia Com a Imagem de Jesus

O problema é que a americana contou com a “confirmação” de vários amigos que ela mantinha nas redes sociais. E boa parte deles foi categórica ao afirma que, sim, era Ele, o Cristo, que simplesmente tinha decidido – Onipotente como é – apresentar-se de forma simplória nas costas de um animal

A fotógrafa garante que não ficou assim tão impressionada, e que talvez aquilo tenha sido apenas uma impressão ou ilusão de ótica. No entanto, o fato de o animal ter sido encontrado justamente na Páscoa, foi o suficiente para, digamos, deixar-lhe uma pulguinha atrás da orelha.

5.Uma Espécie Cercada por Lendas e Crendices

Por fim, uma outra curiosidade sobre as arraias é que, como não poderia ser diferente, tamanha exuberância e singularidade de formas e hábitos fizeram delas espécies cercadas pelas mais incríveis e curiosas lendas e mistérios.

Uma delas é a de que as suas brânquias supostamente teriam poderes curativos. De acordo com a crença local, tais órgãos, devidamente destrinchados e cozidos, seriam capazes de curar diversos tipos de cânceres, com uma eficácia jamais alcançada pelos métodos tradicionais.

Essa é uma crença bastante popular na Indonésia; lugar onde é possível encontrar um verdadeiro santuário de arraias (o maior do planeta), com inúmeras espécies, inclusive a monumental arraia-jamanta – uma variedade com vertiginosos 7m e até 1.800kg.

Essas e outras crenças – aliadas ao apreço dos turistas – ajudaram a incentivar o governo do país a transformar esses animais em espécies praticamente intocáveis, e que ainda podem ser admiradas em suas inúmeras variedades encontradas nas profundezas dos mares da região.

Arraia-Jamanta
Arraia-Jamanta

Caso queira, diga o que achou desse artigo, por meio de um comentário. E continue acompanhando as informações do blog.

 

Veja também

Reprodução da Irara: Filhotes e Período de Gestação

Irará (lat.Eira barbara) – é um animal que parece estar quase sempre em busca de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *