Home / Animais / Animais Híbridos Férteis Exemplos e Espécies com Fotos

Animais Híbridos Férteis Exemplos e Espécies com Fotos

Animais híbridos são cruzamentos entre duas espécies, geralmente causadas por humanos. Mas não o tempo todo. Os resultados dessas “misturas” geralmente resultam em espécies estéreis. No entanto, alguns ainda podem se reproduzir, criando novamente uma nova espécie. Esses espécimes são, de fato, “desafios para a Mãe Natureza”.

Hibridização e Fertilização – Processo Complicado

Algumas pessoas podem argumentar com firmeza: espécies separadas não podem acasalar e se reproduzir. Na maioria das vezes, esses negadores híbridos estão certos. Mas os híbridos acontecem com muito mais frequência do que os cientistas costumavam pensar. As plantas, por exemplo, são famosas criadores de espécies cruzadas.

Pesquisadores descobriram peixes, pássaros, ratos, moscas da fruta e outros animais na natureza carregando DNA de pais de diferentes espécies. Talvez o maior choque de todos tenha sido a descoberta em 2010 de que os seres humanos haviam cruzado com os neandertais depois de deixarem a África. Os seres humanos ainda carregam atualmente lembranças genéticas dos encontros.

Os cientistas começaram a construir uma lista de “genes de especiação” – diferentes em diferentes espécies – que ajudam a estabelecer e manter essa divisão dos caminhos. Apesar do nome, o trabalho desses genes não é desenhar linhas na areia entre as espécies. Essas linhas são um efeito colateral dos ajustes genéticos que as espécies coletam por acaso ou enquanto se adaptam a novos ambientes.

Barreiras geográficas (montanhas suficientemente altas, rios largos o suficiente) podem impedir o contato entre espécies, assim como ciclos de acasalamento fora de sincronia. Mesmo quando o acasalamento realmente ocorre, ainda existem barreiras. Fertilidade em híbridos é frequentemente sub-par.

Espermatozoides de uma espécie podem não ser capazes de se fundir com ovos de outra, e outras incompatibilidades moleculares podem causar a falha dos embriões. Às vezes, ser um híbrido é uma sentença de morte. Esses problemas têm raízes genéticas e fisiológicas que os cientistas estão apenas começando a entender.

Híbridos podem herdar diferentes versões de genes de cada espécie parental. Para ser viável, a maquinaria celular de um híbrido, por exemplo, uma proteína e seu receptor, deve se encaixar perfeitamente, como um pino em um buraco.

Híbridos de primeira geração podem ser bons, mas seus descendentes podem herdar combinações de cavilhas e furos que produzem descendentes saudáveis e férteis (verdes), descendentes que podem ou não fazer com que suas cavilhas e buracos funcionem (amarelo) ou descendentes defeituosos (vermelho).

A Hibridização e a Evolução das Espécies

Historicamente, os híbridos têm sido freqüentemente associados com descendentes estéreis ou impróprios de cruzamentos mal-adaptativos (como a mula, nascida de um cavalo fêmea e de um burro macho). Os naturalistas têm tradicionalmente visto a hibridização na natureza como uma espécie irrelevante, na maioria raro e infértil, sem saída.

Se os híbridos não são viáveis, férteis ou comuns, como poderiam ter muita influência na evolução? Mas, à medida que os estudos genômicos fornecem novos insights sobre como as espécies evoluem, os biólogos agora estão vendo que, surpreendentemente, os híbridos desempenham um papel vital no fortalecimento de espécies e na ajuda para que eles recebam genes úteis de parentes próximos.

Os híbridos, antes tratados como desajustados biológicos, têm sido os salvadores secretos de muitas espécies animais em apuros. Conciliar essa verdade com as políticas de conservação é um desafio para a ciência. Os cinco grandes felinos do gênero Panthera – leopardos, tigres, leopardos da neve, leões e jaguares (como representado da esquerda para a direita na figura) – cruzaram repetidamente durante os milhões de anos desde que suas espécies divergiram. Essas hibridizações se revelam surpreendentemente comuns e importantes na evolução das espécies animais.

Em suma, os pares mal-adaptativos não contam a história completa do cruzamento. A transferência genética que ocorre entre organismos, enquanto suas linhagens são divergentes, tem contribuído para o surgimento de características adaptativas e para a criação de novas espécies.

De acordo com cientistas, não só é comum que espécies recém-emergentes reaquem genes através de populações híbridas, “mas é provavelmente a forma mais comum de evolução da evolução, se você está falando sobre vírus, plantas, bactérias ou animais”.

Exemplos de Híbridos Férteis Com Fotos

Desde a definição introduzida pelo biólogo alemão Ernst Mayr em 1942, considera-se que uma espécie é uma população cujos indivíduos podem reproduzir-se entre si e produzir descendentes viáveis e férteis . Em outras palavras, duas espécies são distintas do momento em que os indivíduos que as compõem não podem se reproduzir de forma sustentável. Este é o caso, por exemplo, de cavalo e de burro: onde a mula é uma intersecção de um burro e uma égua, estes indivíduos permanecem estéreis.

Foto de Uma Mula no Pasto
Foto de Uma Mula no Pasto

Embora esta definição pareça a priori bastante clara, há no entanto um certo número de casos em que esta fronteira é difusa. Assim, casos de acasalamento “espontâneo” podem ocorrer na natureza e dar à luz uma descendência fértil. Em cervídeos, como duas espécies tão diferentes como o elaphus do cervus e cervus nippon, uma espécie nativa da Ásia, mas foi introduzido na Europa Ocidental, pode acasalar e dar à luz a indivíduos híbridos férteis.

Este aspecto sexual tem sido bem estudado também em ovelhas e cabras onde também existem fenômenos de imprinting. Assim, cordeiros machos adotados desde o nascimento por cabras, outrora carneiros adultos, mostram uma preferência clara e estável pela sua espécie de adoção, isto é, por caprinos, negligenciando as ovelhas. . O inverso também é verdadeiro, quando os ovinos adotados preferem a companhia de cabras à de carneiros.

Durante séculos, os criadores têm tentado produzir híbridos entre a cabra e ovelhas para criar rebanhos de animais com traços comuns a zootecnia mais interessante das duas espécies matrizes. Na maioria dos casos, esses “híbridos “ao vivo” são crianças parecendo cordeiros ou cordeiros parecendo de cabras e exame citogenético, destacando os complementos haploides de ambos os pais, permite determinar suas origens.

Um híbrido feminino, nascido em 1984, é o produto de um acasalamento fortuito entre um bode e um carneiro. Mãe com um bode sendo mantido em estábulos com dois carneiros, também se projetou por um deles. Ela deu à luz três produtos e um sobreviveu, apesar da aparência incomum.

O chamado grolar é um cruzamento entre um urso pardo e um urso polar. Como isso é possível? Devido às mudanças climáticas, esses dois tipos de ursos, cujos territórios são geralmente bem diferentes, alguns preferindo o continente, enquanto os outros são apaixonados por caça no gelo ou gelo marinho, foram empurrados para agrupar nas mesmas regiões. Com efeito, a hibridização tem ocorrido e, mais recentemente, estudos científicos revelam extasiados a fertilização nas espécies híbridas.

Nas orcas, existem os verdadeiros, e os falsos, que chamamos de falsa orcas. E entre estes, às vezes acontece que eles têm uma atração para os golfinhos, que também não amuam o prazer deles. A união dos dois mamíferos resulta no nascimento de um forquinho. O animal é o cruzamento perfeito entre ambos os pais, com 66 dentes contra 88 para o golfinho  e 44 para a falsa orca. Note que o primeiro espécime encontrado, uma fêmea – chamada Kekaimalu – revelou-se fértil e tinha três filhotes.

O Maior Destaque de Híbridos Férteis

Alguns híbridos, incluindo alguns dos peixes de Schumer e os tentilhões de Darwin, superaram quaisquer barreiras que possam ter sido no caminho da hibridização. Esses organismos resolveram as diferenças de seus pais e formaram espécies próprias viáveis. Cientistas de Oslo vem estudando uma dessas espécies, o pardal italiano, uma mistura de pardais espanhóis e pardais orientais.

A história da origem do pássaro começa no Oriente Médio, onde um de seus pais, o passer domesticus, é nativo. Nos últimos 10 mil anos, esses pardais acompanharam os primeiros fazendeiros nas migrações para a Europa. Lá, eles encontraram passer hispaniolensis, encontrados na Europa e no norte da África. O acasalamento entre as espécies produziu o passer italiae, que vive no continente italiano e em algumas ilhas do Mediterrâneo.

Segundo esses cientistas, os genomas dessas espécies se combinaram, mas também foram classificados, produzindo certas proporções desiguais. Em algumas partes do genoma do pardal italiano, os genes dos pardais orientais foram expurgados, deixando apenas o DNA do pardal espanhol. Em outras seções, a contribuição dos pardais espanhóis ganhou força. Essa limpeza genética seria provavelmente necessária para obter uma mistura de genes que funcionassem juntos.

Hoje, os pardais italianos são amplamente excluídos de seus pais na arena reprodutiva. No sul da Itália, onde pardais italianos e espanhóis se cruzam, os cientistas testaram mais de 1.000 pardais em vários estudos. Nem um único híbrido espanhol-italiano de primeira geração foi considerado fértil, indicando que os impedimentos à reprodução entre as duas espécies são altos. Nos Alpes no entanto, os pardais italianos e os pardais orientais às vezes podem se reproduzir, embora evidências genéticas sugiram que raramente o fazem.

O mais espetacular nesse estudo ficou mesmo na análise feita pelos cientistas dos pardais italianos, os híbridos resultantes da combinação ancestral. O isolamento reprodutivo de seus pais confere ao pardal italiano o status de espécie independente hoje, com evidências pungentes de fertilização normal e frequente entre as espécies, com pouquíssimas sequelas negativas aos descendentes atuais da espécie.

Veja também

Como se Chama Filhote de Camelo? Qual a sua Cor?

Camelos masculinos e femininos amadurecem em ritmos diferentes. As fêmeas amadurecem aos três anos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *