Home / Plantas / Plantas em Extinção em Goiás

Plantas em Extinção em Goiás

Pode ser difícil crescer na sombra de sua irmã mais velha, que pode ser como a savana do Cerrado do Brasil se sente. Cobrindo um quarto do Brasil, o Cerrado é um dos ecossistemas mais importantes do mundo, mas é bem menos conhecido do que seu vizinho ao norte, a floresta amazônica.

O Cerrado Brasileiro

Há mais de 30 anos, a Amazônia tem sido a floresta de cartazes do movimento ambientalista. E o desmatamento na Amazônia está diminuindo em grande parte. Infelizmente, no entanto, o Cerrado continua a perder terreno para expandir a produção de carne bovina e soja , além de outras commodities e infra-estrutura. De fato, as perdas no Cerrado foram maiores que as da Amazônia na última década.

Pesquisas demonstram que o desmatamento não é apenas prejudicial, mas também é desnecessário. Existem mais de 150.000 milhas quadradas de terras brasileiras que já foram desmatadas e podem ser usadas para produzir soja. Aumentar o gado de maneira mais eficiente libertaria milhares de quilômetros quadrados de terra para atender à demanda futura sem perder outra árvore.

Por que Preservar as Questões do Cerrado

O Cerrado abriga 5% da biodiversidade do planeta. Espécies que dependem da savana incluem onças, tamanduás gigantes, lobos guará, anacondas, macacos bugios, tatus e capivaras, para citar alguns. A cada ano, a limpeza no Cerrado é responsável por cerca de 250 milhões de toneladas métricas de emissões de dióxido de carbono, o equivalente às emissões anuais de 53 milhões de carros.

Alguns dos rios mais importantes da América do Sul são originários do Cerrado. A conversão do Cerrado para a produção agrícola e pecuária pode diminuir o fluxo de água, reduzir as chuvas, prolongar as secas e contribuir para incêndios mais freqüentes. Se a destruição do Cerrado continuar nas taxas atuais, cerca de um terço da vegetação remanescente do Cerrado poderá ser desmatada até 2050, levando à extinção de até 480 espécies de plantas até 2050.

Eis algumas plantas do bioma cerrado, mais especificamente de Goiás que, se o comportamento continuar como está, correm sérios riscos de se extinguir nos próximos 50 anos:

Butia Purpurascens

Butia purpurascens é uma espécie pequena, relativamente esguia, ameaçada de extinção da palmeira Butia, com até 3 a 7 m de altura. É conhecida localmente como palmeira-jataí, coqueiro-de-vassoura, butiá ou coquinho-azedo. O povo Kalunga chama isso de palmudo cabeçudo.

O epíteto da espécie é derivado do latim purpureus, que significa “púrpura”, com o sufixo-escens significando “tornar-se”, que se refere à cor púrpura da fruta, flores e espata . O nome vernacular português coqueiro-de-vassoura se traduz como ‘vassoura-coco’ e se refere ao principal uso desta espécie. O nome palmeira-jataí refere-se a uma cidade brasileira em torno da qual esta palma é proeminente.

A população dessas palmeiras em diferentes localidades pode diferir uma da outra, com a população do norte em Cavalcante tendo troncos muito menores do que as palmeiras encontradas no sudeste de Goiás. É a única espécie de Butia sem dentes ou espinhas no pecíolo que tem esporos de cor púrpura, flores e frutos (na maturidade). Em Goiás, onde a maioria da população reside, as espécies B. archeri e B. capitata também ocorrem, embora nem todas ocorram juntas.

Grande parte da região em que cresce foi convertida para uso em atividades agrícolas como gado, milho, soja e cada vez mais cana-de-açúcar. Os palmeirais também mostram distúrbios ecológicos sob a forma de infestação por gramíneas e incêndios invasivos. Uma parcela da população é protegida dentro dos limites de uma reserva militar, embora não ocorra em nenhuma área oficial de conservação.

Xylopia Aromatica

Xylopia aromatica é uma espécie de planta da família Annonaceae. É conhecida popularmente como pindaíba ou pimenta de bugre. É uma árvore nativa da vegetação campestre do Cerrado, particularmente nos estados de Goiás e Minas Gerais.

Mede entre 15 a 25 m de altura. Sua casca é lisa e é fácil de descascar na forma de guasca. Suas folhas elípticas são simples e alternadas. Tem flores agrupadas em inflorescências axilares, suas flores têm seis pétalas e cheiro forte. Os frutos são agrupados em fascículos de cerca de 20 unidades.

Utricularia Meyeri

Utricularia meyeri é uma planta carnívora de tamanho médio, provavelmente perene, que pertence ao gênero Utricularia. É endêmica no oeste de Goiás e leste do Mato Grosso.

Utricularia meyeri cresce como uma planta terrestre em pântanos e pântanos sazonalmente inundados e pradarias a altitudes de 400 m a cerca de 600 m.

Triraphis Devia

Triraphis Devia é uma espécie de gramínea endêmica do Brasil , único membro de seu gênero nativo do Hemisfério Ocidental. Das outras 7 espécies reconhecidas, 6 são da África e 1 da Austrália.

Três populações de Triraphis Devia foram relatadas, todas do Estado de Goiás. Uma delas fica dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

É uma erva perene com um pedúnculo florido não ramificado, com uma panícula inferior a 8 cm de comprimento. Esses caracteres sozinhos são suficientes para distinguir as espécies das outras do gênero. A anatomia interna é consistente com a probabilidade de a planta ter anatomia de Krantz.

Trichopilia Brasiliensis

Trichopilia brasiliensis é uma espécie de orquídea endêmica do Brasil, mais precisamente do estado de Goiás. Uma pequena planta epifítica.

A pseudobulba é quase cilíndrica, carregando uma folha lanceolada de cor verde-amarelada. Inflorescência com 3 a 5 flores de 1 cm de tamanho.

Ophiochloa

Ophiochloa é um gênero de plantas brasileiras na família das gramíneas. Ophiochloa está intimamente relacionado com Axonopus, e algumas autoridades consideram os dois grupos como um único gênero.

Ophiochloa
Ophiochloa

É encontrado em solos serpentinos no Estado de Goiás. Suas variedades são ophiochloa bryoides e ophiochloa hydrolithica.

Há Ainda Alguns Outros Tipos

Se for especificar todas, o artigo ficaria por demais extenso porque há ainda outras mais tão vulneráveis quanto as citadas, incluindo phragmipedium chapadense, manihot pentaphylla, lecythis lanceolata, ficus calyptroceras, eremocaulon capitatum, dyckia trichostachya, etc.

Felizmente, há esperança no horizonte. Em janeiro, dezenas de empresas de alimentos do mundo se comprometeram a trabalhar para deter o desmatamento no Cerrado. Isso se baseia em compromissos anteriores que essas e outras empresas estão implementando para proteger a Amazônia e outras florestas.

Plantas em Extinção
Plantas em Extinção

O novo compromisso das empresas foi inspirado pelo Manifesto conjunto Cerrado, que o WWF desenvolveu com o Greenpeace no Brasil, e foi assinado por 60 pesquisadores e organizações sociais e ambientais brasileiras em setembro de 2017.

A rápida conversão da preciosa savana do Cerrado do Brasil em terras cultiváveis ​​e pastagens não é apenas trágica, mas também desnecessária. Ao reabilitar as terras que já foram desmatadas, podemos atender à demanda futura por soja e carne sem perder outro hectare de Cerrado nativo.

Aplaudimos esses compromissos corporativos para proteger esse bioma, que abriga 5% da biodiversidade do planeta. O movimento envia um sinal crítico aos produtores, processadores e comerciantes de que o Cerrado é tão vital para o nosso planeta quanto a Amazônia.

Veja também

Lindo Cravo Vermelho Gigante

Mudas de Cravos Gigantes

Essas variedades de cravos são consideradas as flores símbolos de vários países como Eslovênia, Mônaco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *