Home / Plantas / Origem da Heliconia

Origem da Heliconia

Já houve quem imaginasse se tratar de uma bananeirinha também… Algumas variedades realmente se parecem. Mas estas plantas exóticas que fazem sucesso em vários jardins pelo mundo tem personalidade própria. São as helicônias.

Descrevendo a Planta

Heliconia é um gênero de plantas com flores na família heliconiaceae. A maioria das cerca de 194 espécies conhecidas é nativa das Américas tropicais, mas algumas são nativas de certas ilhas do Pacífico ocidental e Maluku. Muitas espécies de heliconia são encontradas nas florestas tropicais dessas regiões. Várias espécies são amplamente cultivadas como ornamentais, e algumas são naturalizadas na Flórida, Gâmbia e Tailândia. Os nomes comuns para o gênero incluem garras de lagosta, bico de tucano, plátanos silvestres ou falsa ave do paraíso. O último termo refere-se à sua estreita semelhança com as flores da ave do paraíso (strelitzia). Coletivamente, essas plantas também são simplesmente chamadas de helicônias.

Essas plantas herbáceas variam de cinquenta centímetros a quase quatro metros e meio de altura, dependendo da espécie. As folhas simples dessas plantas são de quinze centímetros a cerca de três metros. Eles são caracteristicamente longas, oblongas, alternadas ou em um crescendo opostas uma a outra em pecíolos não lenhosos muitas vezes mais longos que a folha, geralmente formando grandes aglomerados com a idade.

Suas flores desenvolvem-se em panículas longas, firmes ou levemente curvadas, compondo-se de brácteas cerosas coloridas e vívidas, com pequeninas flores saindo delas. A formação e desenvolvimento de helicônias assemelha-se a banana e a estrelícia (strelitzia), com as quais estão relacionadas. As flores podem ser tons de vermelho, laranja, amarelo e verde, e são subtendidas por brácteas coloridas. A forma floral geralmente limita a polinização a um subconjunto dos beija-flores da região.

Caracterizando a Planta

As folhas em diferentes posições na planta têm um potencial de absorção diferente da luz solar para a fotossíntese quando expostas a diferentes graus de luz solar. As flores produzem um amplo néctar que atrai os polinizadores, dos quais os mais comuns são os beija-flores. Os frutos são azul-púrpura quando maduros e principalmente dispersos por aves. Estudos de sobrevivência pós-dispersão de sementes mostraram que o tamanho da semente não foi determinante. A maior quantidade de predação de sementes veio de mamíferos.

Helicônias são um gênero monofilético da família heliconiaceae, mas antigamente eram incluídos na família musaceae, que inclui as bananas. No entanto, os sistemas que analisam a taxonomia confirmaram as heliconiaceae como distintas e as colocam na ordem zingiberales, no clado commelinide de monocotiledóneas.

Importânica Ecológica da Planta

Heliconia Bihai
Heliconia Bihai

Helicônias são uma importante fonte de alimento para beija-flores da floresta, especialmente os eremitas, alguns dos quais também usam a planta para nidificação. O morcego branco hondurenho (ectophylla alba) também vive em tendas feitas de folhas de helicônia. Embora helicônia seja quase exclusivamente polinizada por beija-flores, descobriu-se que houve polinização por morcegos. Heliconia solomonensis é polinizada pelo morcego melonycteris woodfordi nas Ilhas Salomão. Heliconia solomonensis tem inflorescências verdes e flores que se abrem à noite, o que é típico de plantas polinizadas por morcegos. Este morcego é o único polinizador noturno conhecido de heliconia solomonensis.

Muitos morcegos usam folhas de helicônia para abrigo. O morcego ectohylla alba utiliza cinco espécies de helicônia para fazer poleiros em forma de barraca diurna. O morcego corta as veias laterais da folha que se estende da nervura central fazendo com que a folha se dobre como uma tenda. Essa estrutura fornece ao morcego abrigo contra chuva, sol e predadores. Além disso, as hastes das folhas da planta não são fortes o suficiente para suportar o peso de predadores típicos de morcegos, de modo que o tremor da folha alerta os morcegos vizinhos para a presença de predadores.

Filhote de Morcego em Heliconia
Filhote de Morcego em Heliconia

Os morcegos artibeus anderseni e artibeus phaeotis formam tendas das folhas de helicônia da mesma maneira que o morcego ectophylla alba. O morcego thyroptera tricolor tem discos de sucção nos punhos que permitem que ele se agarre às superfícies lisas das folhas de helicônia. Este morcego cobre a cabeça nas folhas jovens enroladas das plantas da heliconia.

Helicônias fornecem abrigo para uma variedade de insetos dentro de suas folhas jovens e brácteas florais cheias de água. Insetos que habitam as folhas laminadas freqüentemente se alimentam das superfícies internas da folha, como os besouros da família chrysomelidae. Em brácteas contendo pequenas quantidades de água, as larvas e os besouros são os habitantes dominantes. Em brácteas com maiores quantidades de água, os habitantes típicos são larvas de mosquito.

Insetos que vivem nas brácteas freqüentemente se alimentam de tecido bráctea, néctar da flor, partes de flores, outros insetos, microorganismos ou detritos na água contida na bráctea. Quase todas as espécies de besouros hispini que usam folhas enroladas são herbívoros obrigatórios de plantas da ordem de zingiberales, o que inclui a helicônia. Esses besouros vivem e se alimentam da folha enrolada, das hastes, das inflorescências ou das folhas maduras desenroladas da planta. Além disso, esses besouros depositam seus ovos na superfície da folha, pecíolos de folhas imaturas ou nas brácteas da helicônia. Também algumas espécies de vespas, como o polistes erythrocephalus, constroem seu ninho na parte inferior protegida de folhas grandes.

Beija-flores são os principais polinizadores de flores do gênero heliconia em muitos locais. A diversificação simultânea de táxons polinizados por beija-flores na ordem zingiberales e na família dos beija-flores trochilidae phaethorninae sustenta que essas radiações se influenciaram significativamente entre si através do tempo evolutivo. Na estação de pesquisa de La Selva, na Costa Rica, descobriu-se que espécies específicas de heliconia possuem polinizadores específicos para beija-flores. Esses beija-flores podem ser organizados em dois grupos diferentes: eremitas e não-eremitas.

Verificou-se que as visitas do beija-flor à flor helicônia não afetaram sua produção de néctar. Isso pode explicar porque as flores não têm uma quantidade consistente de néctar produzido de flor para flor. Diferentes espécies de helicônia têm diferentes estações de floração. Isto sugere que as espécies competem por polinizadores. Descobriu-se que muitas espécies de helicônia, até mesmo as espécies recém colonizadas, tinham muitos polinizadores visitando.

O Cultivo e Utilização da Planta

Várias cultivares e híbridos foram selecionados para plantio de hortaliças, incluindo a heliconia psittacorum mais a heliconia spathocircinata, ambas espécies da América do Sul, principalmente do Brasil. Também as venezuelanas heliconia rauliana e heliconia marginata junto com a brasileira heliconia bihai, além da heliconia chartacea.

As espécies helicônia mais comuns são heliconia augusta, heliconia bihai, heliconia brasiliensis, heliconia caribaea, heliconia latispatha, heliconia pendula, heliconia psittacorum, heliconia rostrata, heliconia schiediana e heliconia wagneriana.

Helicônias são cultivadas para o comércio de floristas e como plantas de paisagem. Estas plantas não crescem bem em condições frias e secas. Eles são muito intolerantes à seca, mas podem suportar algumas inundações do solo. Helicônias precisam de uma abundância de água, luz solar e solos que são ricos em húmus para crescer bem. Estas flores são cultivadas em regiões tropicais em todo o mundo como plantas ornamentais. A flor de heliconia psittacorum é especialmente distinta, suas flores amarelo esverdeadas com manchas pretas e brácteas vermelhas lembrando a plumagem brilhante dos papagaios.

Veja também

Lindo Cravo Vermelho Gigante

Mudas de Cravos Gigantes

Essas variedades de cravos são consideradas as flores símbolos de vários países como Eslovênia, Mônaco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *