Home / Plantas / Musa Paradisíaca: Família

Musa Paradisíaca: Família

A Musa paradisíaca pertence à família Musaceae. Esta desdobra-se nos gêneros Ensete, Musa e Musella – que,  por sua vez, desdobram-se em mais de 40 espécies diferentes.

É uma família típica das regiões tropicais do planeta, cujas espécies caracterizam-se por serem plantas herbáceas, que nascem a partir de rizomas subterrâneos e que dão origem a “falsos caules” na forma de bainhas de folhas enroladas.

Estes “falsos caules” darão origem a uma inflorescência, que se transformará em cachos; que, por sua vez, darão origem a pencas com frutos na forma de bagas macias, extremamente doces e nutritivas.

As suas folhas são grandes, com nervuras peninérveas, oblongas, presas a esses “falsos caules” por pecíolos – em uma estrutura harmoniosa, que lhe dá a característica de folhas “verdes, elegantes, lisas e sólidas, como um pergaminho”, segundo a expressão usada pelos antigos Descobridores acerca da sua singularidade.

Musa Balbisiana
Musa Balbisiana

A família Musaceae, antes de nos apresentar a Musa paradisíaca, apresentou-nos aquelas que lhe dariam origem: a Musa balbisiana e a Musa acuminata – de acordo com pesquisadores, as “mães” de todas as espécies de bananas comestíveis que conhecemos atualmente no Brasil.

Musa Acuminata
Musa Acuminata

Juntam-se a essas espécies, outras que são consideradas variedades de Musaceaes ornamentais, como por exemplo, a Musa ornata (bananeira-de-jardim), a Musa velutina (bananeira-ornamental), a Musa coccinea, entre outras espécies bastante apreciadas como variedades decorativas de jardins e canteiros de flores.

Musa Paradisíaca: Família Musaceae

Como vimos, a Musa paradisíaca pertence à família Musaceae e, antes dela, às espécies Musa balbisiana e Musa acuminata – de onde ela se desenvolveu, na forma de um híbrido, supostamente a partir de manipulações genéticas espontâneas ou induzidas.

Foi o botânico, zoólogo e sanitarista sueco Carl Von Linné 1707 a 1778 (o “Pai da taxonomia moderna”) quem descreveu, pela primeira vez, a Musa paradisíaca.

Na verdade, consta que essa tenha sido a primeira descrição oficial dessa espécie – o que a torna o primeiro gênero oficial de bananas comestíveis.

A sua história possui uma série de singularidades, a começar pelo fato de ter sido desenvolvida dentro de um estufa; a estufa do botânico holandês George Clifford, que, em 1736, teve o privilégio de produzir a primeira banana a ser cultivada na Europa.

Linné ou Linnaeus não demorou a dar, ele mesmo, um nome ao “novo” fruto precioso – primeiramente em homenagem ao seu “criador”, Musa cliffortiana, e, logo após, Musa paradisíaca, com uma clara alusão a um fruto que, na opinião de muitos, foi a verdadeira espécie tomada pelos “pais” da humanidade no Jardim do Éden.

Características da Musa Paradisíaca

A história da Musa paradisíaca, de certa forma, é a história da banana como uma espécie milenar.

De acordo com o que é mais aceito atualmente, a banana é originária do sudeste asiático, uma região composta por países como: Indonésia, Malásia, Papua Nova Guiné, Brunei Camboja, Mianmar, Singapura, Filipinas, Laos Malásia, Tailândia, entre outros países.

A partir dessas regiões, ela teria sido apresentada à Europa por comerciantes árabes, se espalhado pela Índia (entre 400 e 600 a.C.), até ser trazida para a Costa do Atlântico pelos espanhóis e portugueses.

A Musa paradisíaca é uma planta herbácea (a bananeira), melhor caracterizada como uma “erva gigante”, capaz de produzir uma só inflorescência que dá origem a frutos com até 10 cm de comprimento.

As bananas são espécies de bagas carnudas, macias e oblongas, famosas por produzirem quantidades incomparáveis de potássio e magnésio (que extraem do solo como nenhuma outra), além de ferro, vitaminas, sais minerais e fibras – em quantidades diárias ideais para um indivíduo adulto, distribuídas em 100 g do fruto.

O seu cultivo geralmente se dá na forma de mudas que, de forma vegetativa, dão origem a novos “pseudocaules”.

Sais Minerais
Sais Minerais

Tal cultivo exige um solo úmido e rico em matéria orgânica – típico de regiões tropicais –, de onde elas possam extrair grandes quantidades de sais minerais, sem os quais a sua produção pode ser totalmente comprometida.

A partir de um único rizoma, a Musa paradisíaca – como as demais espécies da família Musaceae – desenvolve-se na forma de touceiras, formando um verdadeiro emaranhado de pseudocaules que se espalham horizontalmente, e que precisam ser podados, constantemente, a fim de que se possa liberar oxigênio suficiente para as suas vizinhas.

Uma Fruta Cercada por Lendas e Mitos

A Musa paradisíaca, em companhia das outras variedades da família Musaceae, configura-se como a espécie frutífera mais consumida no Brasil e uma das quatro mais consumidas no mundo (juntamente com a soja, o arroz e o milho).

São mais de 140 milhões de toneladas produzidas, anualmente, em mais de 100 países, com a ajuda de cerca de 970 mil trabalhadores – o número de empregados na bananicultura, de acordo com dados da FAO (2014).

Difícil mesmo é encontrar uma parte da Musa paradisíaca, e das demais espécies dessa família, que não possa ser, de alguma forma, utilizada. A sua polpa é uma das mais doces entre todas as frutas conhecidas. A casca verde pode servir como matéria-prima para a produção de uma farinha orgânica apreciadíssima.

Quando madura, a sua casca pode ser utilizada até mesmo como um despoluidor natural de rios e lagos. Sem contar a seiva extraída dos seus pseudocaules, utilizada há milênios para os mais diversos tratamentos.

Na verdade, as folhas, pseudocaules, rizomas, cascas e inflorescências possuem, todos eles, grandes quantidades de nutrientes, e podem ser utilizados como antidiarreicos, cicatrizantes, digestivos, antioxidantes, antidiabéticos, como fontes de ferro e carboidratos; e, acreditem, até mesmo como matéria-prima para a produção de antídotos contra veneno de cobra.

As flores da Musa paradisíaca agora já se sabe que possuem um imenso potencial anti-inflamatório das vias respiratórias, especialmente para o combate a infecções e excesso de secreção – assim como a alguns tipos de fungos e bactérias.

Tudo isso sem contar o privilégio de, supostamente, ter sido ela a “fruta proibida”, responsável por conceder aos nossos primeiros “pais” a ciência do Bem e do Mal.

Isso segundo alguns cronistas da época do descobrimento, entre eles, Pero de Magalhães Gândavo (1540 – 1579), famoso por ter sido o autor do primeiro manual ortográfico da Língua Portuguesa e das primeiras impressões sobre o Brasil da época.

Diga o que achou desse artigo, por meio de um comentário. E aguardem as próximas publicações do blog.

Veja também

Cravo do Maranhão

Plantas em Extinção na Caatinga

Este grande cerrado no nordeste do Brasil fornece habitat para uma variedade de espécies de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *