Home / Plantas / Heliconia Stricta

Heliconia Stricta

Heliconia stricta é uma espécie de planta nativa do Brasil, Colômbia, Venezuela, Equador, Peru, Bolívia, Guiana, Suriname, reproduzindo por sementes e por rizomas subterrâneos. É declaradamente naturalizado em Cuba e Porto Rico, e cultivado como ornamental em muitas outras regiões quentes.

Heliconia Stricta

A espécie é nativa da Bolívia, Brasil (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins), Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela, onde cresce nas florestas úmidas em baixas e médias altitudes. O nome do gênero vem do latim “Heliconius, a, um” = do Helicon, montanha sagrada para Apolo e para as Musas; o nome da espécie é o adjetivo latino “strictus, a, um” = estreito, compacto, com referência à inflorescência.

Nomes comuns: garra de lagosta vermelha, garra de lagosta pequena (Inglês); caetê-sanguíneo (Português-Brasil); platanillo (espanhol). Exceto pelo fato de serem muito mais tropicais, as heliconias strictas se comportam de maneira muito semelhante às cannas.

Eles são alimentadores pesados, alimentam-se regularmente com fertilizante de palma. Bastões de flores gastos devem ser cortados no chão. A cada poucos anos, quando o crescimento diminui, cavamos a moita e a dividimos. Então é um bom momento para alterar o solo antes de replantar.

A Heliconia stricta Huber (1906) é uma espécie herbácea herbácea perene rizomatosa perene que forma tufos densos de 1,5-3 m de altura. Esta planta é usada como símbolo para representar as Movimento Nacional Popular partido político de Trinidad e Tobago bem como pelo Partido Martinique Progressive (Parti progressiste Martiniquais) dos franceses departamento ultramarino da Martinica , nas Antilhas.

Características da Planta

As folhas, em um pecíolo de 25 a 90 cm de comprimento, são basais, alternadas, distintas, simples, inteiras, ovais para obovar com ápice pontiagudo e nervação central geralmente avermelhada, proeminente na página inferior, 0,45 a 1,5 m de comprimento e 20-30 cm de largura, e bases foliares tubulares formando uma pseudocaule com 40-70 cm de comprimento.

A inflorescência é um espigão terminal ereto, séssil, de 20-40 cm de comprimento, com ráquis avermelhadas glabras e 5-9 brácteas próximas, distíquas, coriáceas, com ápice pontiagudo, 15-25 cm de comprimento na base, decrescendo progressivamente para cima, de cor vermelha com uma fina borda amarelada verde, onde a água e os detritos que atraem pássaros e pequenos animais se acumulam.

As brácteas subtendem 15-22 flores, em pedicelo branco, com 0,5 cm de comprimento, tubular, sigmóide, com cerca de 5 cm de comprimento, branco na base, verde intenso na parte mediana e branco no ápice, abrindo em sucessão. As flores, com simetria bilateral, são hermafroditas, com 3 sépalas, duas das quais fundidas e uma livre, e três pétalas fundidas, pouco diferenciadas entre si, 5 de vigor fértil e uma estaminóide branca, oposta à sépala livre; as flores são polinizadas pelos beija-flores.

Os frutos são drupas globosas azul-escuras contendo 1-3 sementes. Reproduz-se por sementes, previamente escarificadas e mantidas em água por 3 dias para amolecer o tegumento, em argila orgânica com adição de areia siliciosa ou agri-perlita por 30%, mantida úmida à temperatura de 26-28 ° C, com germinação vezes variável de alguns meses a um ano.

Espécies de grande valor ornamental e paisagístico graças à sua luxuriante folhagem e às espetaculares inflorescências, das quais foram selecionadas diversas variedades de tonalidades de cor diferentes e também de dimensões reduzidas, menores que um metro (o mais cultivado é conhecido como ‘Anão Jamaicano’ ) cultivável nas regiões de clima tropical úmido e subtropical em pleno sol ou em leve sombra.

A helicônia stricta tem uma variedade (essa conhecida em alguns lugares como ‘Anão Jamaicano’. No Brasil é conhecida como helicônia anã vermelha ou helicônia tricolor). Esta variedade é considerada a menor espécie de todas as helicônias, pois não excede os 50 ou 60 cm de altura. As folhas dessa variedade têm uma nervura central vermelha e as inflorescências ascendentes são compostas por três a cinco brácteas vermelhas adornadas com uma faixa verde nos lábios.

Características do Cultivo

Heliconia Stricta - Cultivo
Heliconia Stricta – Cultivo

Requer solos ricos em substância orgânica, ácidos ou neutros, bem drenados, mantidos quase sempre úmidos, mas sem estagnações, e uma posição protegida do vento; em zonas com períodos secos prolongados, deve ser frequentemente regada, em particular durante os meses mais quentes.

Cultivável também em vaso, em particular as variedades de tamanho contido, utilizando um substrato orgânico particularmente drenante e aerado, para a decoração de pátios e varandas ou para ser abrigado em estufas, varandas e luminosos jardins de inverno, onde o clima não permite a permanência ao ar livre durante os meses de inverno, com altos valores de umidade ambiente e de temperaturas diurnas, ideal 24-26 ° C, com menor noite não inferior a 15 ° C.

A rega deve ser regular e abundante no verão, deixando o substrato parcialmente seco antes de dar água novamente, evitando as estagnações, causa de fácil podridão, mais espaçadas no inverno, mas sem deixar o substrato secar completamente, e as adubações feitas preferencialmente com produtos balanceados de liberação lenta com adição de microelementos.

É facilmente sujeito a ataques de ácaros e insectos, para ser tratado, em caso de infestação grave, com produtos específicos. Os inflorescências de longa duração, cerca de 12 dias, são particularmente apreciados nas composições florais. As folhas são usadas pelas populações locais para embrulhar e transportar alimentos e cozinhar a vapor.

Iris Bannochie

Uma cultivar heliconia tem o nome de Bannochie – Heliconia stricta ‘Iris Bannochie’.

Iris Bannochie (1914 – 1988) foi um horticultora barbadense que era a principal especialista em horticultura na ilha de Barbados. Bannochie nasceu em Granada em 1914 e, além de sua infância, viveu toda a sua vida em Barbados. Ela se casou com John Mackie Bannochie em 13 de abril de 1964. Ela era um membro fundador do Barbados National Trust.

Com seu segundo marido, John, ela criou e administrou o Andromeda Gardens , um parque pitoresco com plantas floridas e árvores tropicais na vila de Bate-Seba, São José, em Barbados, onde se apaixonou por helicônias. Bannochie fundou o jardim por volta de 1954 em 8 acres (32.000 m²) de terras que estavam em sua família desde 1740. Após a morte de Bannochie, o Andromeda Gardens foi deixado para o Barbados National Trust.

Em 1977, ela foi premiada com a Medalha Memorial Veitch pela Royal Horticultural Society por sua contribuição para a horticultura tropical. Bannochie sofreu um derrame no verão de 1988 e morreu pouco depois. Ela tinha 73 anos de idade quando faleceu.

Veja também

Lindo Cravo Vermelho Gigante

Mudas de Cravos Gigantes

Essas variedades de cravos são consideradas as flores símbolos de vários países como Eslovênia, Mônaco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *