Home / Plantas / Fruto Partenocárpico

Fruto Partenocárpico

Quem gosta de comer melancia, se importa que tem de descartar as sementes? E se as bananas fossem cheias de sementes? E outras frutas com sementes como goiaba ou maçãs? Será que usufruiríamos melhor se não fossem aquelas sementes dentro delas?

Partenocarpia

Em botânica, partenocarpia é um sintoma de formação de frutos sem passar pelo processo de fertilização generativa do núcleo da semente. Estes sintomas indicam que a fertilização é uma, mas não a única, a desencadear a formação de frutos. As flores produzirão naturalmente hormônios vegetais, necessários para iniciar o processo de formação de frutos. Partenocarpia ou sua mecânica biológica ocorre ocasionalmente como uma mutação na natureza. Se afetar todas as flores, a planta não poderá mais se reproduzir sexualmente, mas poderá se propagar por apomixia (reprodução assexuada) ou por meios vegetativos.

Um Mecanismo da Natureza

A partenocarpia de algumas frutas em uma planta tem seu valor na natureza. Até 20% dos frutos de chirívia, ou pastinaca, são partenocárpicos. As frutas dessa raiz hortaliça sem sementes são preferidas por certos herbívoros e servem, portanto, como uma “defesa de chamariz” contra a predação de sementes (aqui nos referirmos a um tipo de interacção entre planta e animal em que granívoros, os predadores de sementes, se alimentam das sementes de plantas como fonte de alimento principal ou exclusiva, o que, em muitos casos, deixa as sementes danificada e não viáveis).

O junípero de Utah (um tipo de arbusto nativo do sudoeste dos Estados Unidos), tem uma defesa semelhante contra a alimentação das aves. A capacidade de produzir frutos sem sementes quando a polinização não é bem sucedida pode ser uma vantagem para uma planta porque fornece alimento para os dispersores de sementes da planta. Sem uma colheita de frutas, os animais dispersores de sementes podem passar fome ou migrar.

Em algumas plantas, a polinização ou outra estimulação é necessária para a partenocarpia, chamada partenocarpia estimulante. Plantas que não requerem polinização ou outra estimulação para produzir frutas partenocárpicas possuem partenocarpias vegetativas. Pepinos sem sementes são um exemplo de partenocarpia vegetativa, um claro resultado desse mecanismo biológico natural.

Plantas que se deslocam de uma área do mundo para outra nem sempre podem ser acompanhadas por seu parceiro polinizador, e a falta de polinizadores estimulou o cultivo humano de variedades partenocárpicas. Algumas variedades partenocárpicas foram desenvolvidas como organismos geneticamente modificados.

O Valor do Fruto Partenocárpico

A ausência de sementes é vista como uma característica desejável em frutos comestíveis com sementes duras, como banana, abacaxi, laranja e toranja. Partenocarpia também é desejável em culturas frutíferas que podem ser difíceis de polinizar ou fertilizar, como figo, tomate e abobrinha. Em espécies dióicas, como o caqui, a partenocarpia aumenta a produção de frutos porque as árvores estaminadas não precisam ser plantadas para fornecer pólen. O fruto partenocárpico tem vantagens sobre o fruto semeado: maior prazo de validade e maior apelo ao consumidor.

Partenocarpia é indesejável em culturas de nozes, como o pistache, para o qual a semente é a parte comestível. Horticultores selecionaram e propagaram cultivares partenocárpicos de muitas plantas, incluindo banana, figo, opúncia (opuntia), fruta-pão e berinjela.

O Processo da Partenocarpia

Processo da Partenocarpia
Processo da Partenocarpia

Algumas plantas, como o abacaxi, produzem frutos sem sementes quando uma única muda é cultivada porque o abacaxi é auto infértil. Alguns pepinos produzem frutos sem sementes se os polinizadores forem excluídos. Em alguns climas, as cultivares de pêra normalmente sem sementes produzem principalmente frutas sem sementes por falta de polinização. E por mais estranho que pareça, as plantas de melancia sem sementes são cultivadas a partir de sementes. As sementes são produzidas cruzando um genitor diploide com um genitor tetraplóide para produzir sementes triplóides.

Quando pulverizado sobre flores, qualquer um dos hormônios vegetais giberelina, auxina e citocinina podem estimular o desenvolvimento de frutas partenocárpicas. Isso é denominado partenocarpia artificial. Os hormônios vegetais raramente são usados ​​comercialmente para produzir frutas partenocárpicas. Os pequenos agricultores às vezes pulverizam seus tomates com uma auxina somente para garantir a produção de frutas. E há algumas cultivares partenocárpicas que foram desenvolvidas como organismos geneticamente modificados.

Algumas cultivares partenocárpicas são de origem antiga. A mais antiga planta cultivada conhecida é uma figueira partenocárpica que foi cultivada pelo menos 11.200 anos atrás.

Esclarecendo Confusões

A maioria das cultivares de uva ou laranja comerciais sem sementes não são resultado de partenocarpia, mas sim de estenoespermocarpia. Nos frutos esternalmocárpicos, a polinização e a fertilização normais ainda são necessárias para garantir que os “conjuntos” de frutos continuem a se desenvolver na planta. No entanto, o aborto subseqüente do embrião que começou a crescer após a fertilização leva a uma condição quase sem sementes. Os restos da semente não desenvolvida são visíveis na fruta.

O fruto das uvas sem sementes é menor do que o normal, porque as sementes produzem o hormônio vegetal giberelina, que causa o aumento dos frutos. A maioria das uvas comerciais sem sementes é pulverizada com giberelina para aumentar o tamanho da fruta e também para tornar os cachos de frutas menos compactados.

Em muitas plantas, os genes de auto incompatibilidade limitam a fertilização bem sucedida à polinização cruzada entre frutos geneticamente diferentes. Esta propriedade é explorada por agricultores cítricos que cultivam frutas sem sementes, como laranjas. Como essas cultivares são auto incompatíveis, elas não estabelecem sementes quando são plantadas em pomares de plantas clones. Estas plantas têm uma alta freqüência de partenocarpia, no entanto, ainda produzem frutos. Essas árvores não requerem sementes para propagação. De fato, a propagação pela semente seria desvantajosa porque a progênie seria diferente da mãe. Em vez disso, viveiristas freqüentemente propagam árvores frutíferas assexuadamente, geralmente por enxertia.

Outra confusão comum é igualar o processo de partenocarpia com partogênese. Partogênese é uma forma natural de reprodução assexuada em que o crescimento e desenvolvimento de embriões ocorre sem a fertilização. Em animais, partenogênese significa desenvolvimento de um embrião a partir de um óvulo não fertilizado. Nas plantas, a partenogênese é um processo componente da apomixia.

A apomixia é uma forma de reprodução na qual não ocorre meiose nem fusão de gametas. Então é reprodução assexuada. Os descendentes são geneticamente idênticos a planta mãe.

Veja também

Flores de Cravo em Ritual Fúnebre

Flor de Cravo de Defunto Significado

Os Seres Humanos e Seus Rituais Desde que passamos a nos organizar como sociedades nós, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *