Home / Plantas / Crucíferas e Brassicas

Crucíferas e Brassicas

Os vegetais crucíferos e brassicas pertencem à mesma família Brassicaceae. A diferença é que, enquanto o termo crucífero refere-se à família o termo brassica refere-se a uma classe inferior dessa família.

Os vegetais crucíferos receberam esse nome após a observação do botânico francês Antoine-Laurent de Jussieu (1748-1836) de que tais vegetais possuíam flores muito semelhantes a cruzes ou crucifixos.

Eram vegetais como: rúcula, brócolis, acelga, rabanete, couve-flor, agrião, repolho, entre outras variedades que ajudam a compor uma comunidade com mais de 350 gêneros, e que deram origem a cerca de 3.200 espécies.

E entre elas estão algumas variedades da classificação inferior dos vegetais Crucíferos, as Brassicas, que são populares em todo o mundo pela diversidade de formas com que podem ser consumidas.

Como, por exemplo, cozidos, em saladas, sucos, refogados, a vapor, entre outras formas de saborear alguns dos vegetais mais ricos em cálcio e ferro dentre todos os que já foram descritos e catalogados.

São espécies como a couve-chinesa, o brócolis, a mostarda, o repolho, entre outras variedades, que são consideradas verdadeiras potências em fibras, vitaminas A, B e E, além de ferro, cálcio, magnésio, sódio, potássio, betacaroteno; sem contar os seus poderes antioxidantes e anticancerígenas – considerados os seus grandes diferenciais em relação a outras famílias de vegetais.

Vindo diretamente da Ásia e da região do Mediterrâneo, os vegetais Crucíferos e Brassicas – com a sua inconfundível estrutura folhosa, verde e sensível ao toque – caíram quase que imediatamente no gosto popular em todo o mundo.

E no Brasil, como não poderia ser diferente, viraram sinônimos de saladas em praticamente todos os estados Brasileiros, como algumas espécies que serão relacionadas logo abaixo.

1.Brócolis

O brócolis é uma das “celebridades” entre os vegetais Crucíferos da classificação Brassica. Acredita-se que já no Império Romano a Brassica oleracea (seu nome científico) costumava adornar a mesa de nobres e plebeus.

O brócolis é uma planta herbácea, com uma coloração entre o verde-escuro e o verde-azulado, com folhas onduladas nas extremidades, flores de formato irregular (em forma de um cálice), e que resultam numa constituição semelhante a um tufo.

Ele costuma ser colhido a cada 2 anos, de forma perene, em regiões de clima frio (entre 17 e 24°C), além de possuir a característica de não resistir bem ao transporte e armazenamento. – E por isso recomenda-se o seu consumo o mais rapidamente possível.

O brócolis é famoso pelas suas propriedades antioxidantes, desintoxicantes e anticancerígenas – nesse último caso, devido à presença de compostos como os Isotiocianatos, que possuem uma comprovada ação preventiva contra o desenvolvimento de células defeituosas – desde que o vegetal faça parte da rotina do indivíduo.

2.Couve-Chinesa

Uma curiosidade sobre a couve-chinesa é que ela costuma ser bastante confundida com um repolho, ou mesmo com uma variedade de alface, devido à sua constituição física. Mas esse não é o único motivo.

Na verdade, assim como os vegetais citados, a couve-chinesa é considerada uma referência na Europa, China e América do Sul quando o assunto é a ingestão de ferro e cálcio.

Ela pode ser reconhecida pelas suas folhas grandes, largas, com uma cor verde-claro, cuja estrutura termina na forma de uma cabeça, que pode ser consumida crua, no vapor, em refogados, batida no liquidificador e em combinações com inúmeros outros vegetais.

Na verdade, não é tarefa nada fácil enumerar a quantidade de maneiras de preparar um dos mais nutritivos e digestivos representantes do gênero Brassica da família das Crucíferas.

3.Mostarda – Brassica juncea

A mostarda é o principal ingrediente de um molho considerado uma verdadeira referência na composição dos mais diversos tipos de lanches.

Ele é produzido a partir do vegetal moído e misturado com água e vinagre, para a elaboração de um condimento exótico e com um inconfundível sabor levemente doce, picante e adstringente.

Em regiões como o sudeste asiático, norte da África e no Mediterrâneo, a Brassica juncea também pode ser reconhecida por outros nomes, como: mostarda-preta, mostarda-da-índia, mostarda-branca e mostarda-castanha.

Mas sempre com a mesma característica de poder ser apreciada na forma de um singular condimento que, nesses países, são utilizados nos pratos mais curiosos e singulares já inventados.

A planta pode atingir até 3m de comprimento e apresenta folhas verdes, com bordas irregulares e flores amarelas – tudo isso a partir de uma semente que mal atinge os 2mm.

4.Rúcula – Eruca sativa

A rúcula ou “Eruca sativa” também está entre os mais nutritivos vegetais Crucíferos da classificação Brassica. O vegetal é uma verdadeira referência entre as plantas com propriedades digestivas, diuréticas e antioxidantes; e ainda com altos níveis de vitaminas A, B e C, além de zinco, ferro, manganês, cálcio, betacaroteno, potássio, entre outras substâncias nutritivas.

Tais substâncias ainda fazem da rúcula – que já é uma espécie de referência na gastronomia italiana – uma das celebridades entre os praticantes dos mais diversos tipos de dietas.

O que se diz é que a rúcula, apesar de não estar entre os mais consumidos entre os vegetais Crucíferos, possui quantidades de ferro, cálcio, fibras e vitaminas capazes de fazer de variedades como alface, brócolis e até mesmo a couve-flor meros coadjuvantes.

Pois, quando o assunto é o fortalecimento das defesas, prevenção dos mais diversos tipos de cânceres e regularização do aparelho digestivo, ela é quase imbatível.

5.Repolho

Finalmente, nas regiões Sudeste e Nordeste, um vegetal quase insubstituível na hora de compor uma salada para ser servida na hora do almoço ou como ingrediente de um suculento refogado.

Ela é outra subespécie da Brassica oleracea, identificada como pertencente ao grupo cultivar “Capitata”, devido à sua constituição como uma planta herbácea, cujas folhas sobrepõem-se umas sobre as outras até formar uma “cabeça”.

O seu cultivo é bianual e a espécie teria sido desenvolvida a partir de mutações genéticas naturais de outras espécies selvagens bastante comuns nos países do Mediterrâneo desde os tempos mais remotos.

As variedades de repolho mais conhecidas são: o repolho-roxo, liso, crespo, repolho-de-bruxelas, repolho-chinês, entre outras variedades que ajudam a compor o vasto arsenal das espécies dos grupos cultivares Sabauda e Rubra, cultivadas em regiões de clima ameno ou temperado.

100 gramas de repolho contêm cerca de 24 calorias, vitamina A (235UI), B1 (110 mcg), vitamina C (41,3mg), Fósforo (32mg), Ferro (0,57 mg), além de cálcio, potássio, sódio, entre outras inúmeras propriedades – inclusive medicinais.

Caso queira, deixe a sua opinião sobre esse artigo. É a partir delas que conseguimos aprimorar, ainda mais, os nossos conteúdos.

Veja também

Cravo do Maranhão

Plantas em Extinção na Caatinga

Este grande cerrado no nordeste do Brasil fornece habitat para uma variedade de espécies de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *