Home / Plantas / Alface Francesa

Alface Francesa

Chamamos de alface romana, mas quando nos referimos a alface francesa, é dessa variedade de alface que estamos falando também. A alface romana deve o seu nome por ter sido introduzido na França através da fortaleza papal de Avignon.

Lactuca Sativa var. Longifolia

A alface francesa é uma variedade de alface que cresce em uma cabeça alta de folhas verdes escuras resistentes com nervuras firmes em seus centros. Ao contrário da maioria das alfaces, é tolerante ao calor. É mais nutritiva que a alface americana. Na América do Norte, a romaine é vendida como cabeças inteiras ou como “corações” que tiveram as folhas externas removidas e muitas vezes são empacotadas juntas.

Por 3000 anos a alface romana foi associada com o antigo deus egípcio da fertilidade, Min, por sua semelhança com o falo. A alface romana também tem sido usada na Páscoa como um tipo de erva amarga, simbolizando a amargura infligida aos israelitas enquanto ainda eram escravos no Egito.

Origem e Etimologia

Em inglês britânico, é comumente conhecida como alface “cos” e na América do Norte como alface “romaine”. Muitos dicionários traçam a palavra cos para o nome da ilha grega de Cos, da qual a alface foi presumivelmente introduzida. Outras autoridades, porém, rastrearam cos para a palavra árabe para a alface, khus.

Aparentemente, chegou à Europa Ocidental via Roma, como em italiano é chamado lattuga romana e em francês laitue romaine, ambos significando “alface romana”. Daí o nome “romaine”, o termo comum em inglês norte-americano.

O dia de 22 Germinal no calendário republicano francês foi dedicado a esta alface, como ” Romaine “.

Utilização Culinária

A Romaine é uma salada verde comum, e é a alface usual usada na caesar salad, tradicional americana. A alface romana é comumente usada na culinária do Oriente Médio. Essa variedade, como outras alfaces, também pode ser cozida. Por exemplo, pode ser assada ou transformada em sopa. As costelas grossas, especialmente nas folhas externas mais antigas, devem ter um fluido leitoso que dê à alface romana o sabor tipicamente amargo da erva.

Nos supermercados brasileiros, a alface romana está amplamente disponível durante todo o ano. Tal como acontece com outras folhas verdes escuras, os antioxidantes encontrados na alface romana são recomendados como nutrietes úteis na prevenção do câncer.

Suspeita Sanitária Recente

De novembro de 2017 a janeiro de 2018, a Agência de Saúde Pública do Canadá identificou a alface francesa, ou romana, como sendo ligada à doença em 41 pessoas no Canadá. Um surto provavelmente relacionada afetou 25 pessoas em 15 estados dos EUA que comiam folhas verdes, mas autoridades americanas não foram capazes de confirmar que era alface romana em particular. Houve uma morte.

O agente da doença foi E. coli O157:H7, produtora de toxina Shiga. A doença mais recente começou em dezembro de 2017. A autoridade canadense declarou o surto em janeiro de 2018, e a autoridade americana declarou duas semanas depois. Em resposta a outro surto de E. coli O157:H7, que provavelmente começou em meados de março de 2018, a autoridade americana recomendou em abril de 2018 que os consumidores não comprassem ou comessem alface, a menos que pudessem confirmar que não era da região produtora onde o surto foi identificado.

Em maio de 2018, após um aviso de um mês de duração, a autoridade americana anunciou que o consumo de alface romana estava liberado novamente. O surto matou cinco pessoas e causou 89 hospitalizações em 32 estados. Em junho de 2018, foi rastreado a fonte do último surto de E. coli para a água de um canal localizado em Yuma, Arizona.

O Que Exatamente é E. Coli?

É uma bactéria associada ao intestino inferior de muitos animais, incluindo humanos. Animais de fazenda, animais domésticos e pessoas estão andando por aí com bactérias E. coli trabalhando em nossas entranhas. Há muitas cepas diferentes de E. coli. Muitas cepas são inofensivas e, na verdade, são importantes para um ambiente microbiano saudável nos intestinos.

Mas outros, chamados de cepas patogênicas, são menos inócuos. A bactéria que causa esse surto E. coli 0157:H7, também chamada EHEC ou enterohemorrágico, é uma estirpe realmente prejudicial a saúde. A bactéria EHEC produz a toxina Shiga, que é o que irá nos adoecer. Enterohemorrágica significa causar colite hemorrágica, uma condição nada agradável.

A bactéria EHEC adere às paredes do intestino e libera a toxina Shiga, que invade as células e basicamente as faz explodir, destruindo o revestimento intestinal. Pode invadir todo o caminho até a vasculatura dos intestinos, causando diarréia sanguinolenta. Também causa cólicas abdominais e vômitos.

É Uma Infecção Fatal?

É muito ruim, mas para a maioria das pessoas saudáveis, não é uma ameaça à vida. E isso é bom, porque realmente não há cura para uma infecção por E. coli. Após infectado, não há nada que possa ser feito além de cuidados de apoio. Beber o máximo de líquidos para não ficar desidratado, tentar reabastecer seus eletrólitos continuamente e superar tudo. Nestes casos, normalmente demora cerca de uma semana para a sua resposta imunitária chutar a infecção e regenerar as células da sua parede intestinal.

Para as pessoas com maior risco, incluindo crianças, idosos e pessoas com um sistema imunológico já comprometido, as coisas podem piorar muito. Em 5 a 10 por cento dos casos, EHEC pode causar uma condição chamada síndrome urêmica hemolítica, que pode levar à insuficiência renal. E nesses casos pode ser fatal se não for tratada em um hospital.

Cuidados com a Bactéria E.Coli
Cuidados com a Bactéria E.Coli

É muito importante para as pessoas que acham ter sido infectadas consultar um médico, particularmente crianças pequenas, pessoas em quimioterapia ou aquelas com condições crônicas subjacentes, AIDS, Lúpus ou qualquer pessoa que esteja com problemas crônicos. Essas não têm a resposta imunológica de que precisam para combater as bactérias e podem morrer.

Mesmo adolescentes saudáveis ​​e adultos jovens correm o risco de desenvolver complicações, não por causa da bactéria em si, mas como resultado dos sintomas da infecção. Um cuidado inadequado, sem recomendação ou supervisão médica pode levar a desidratação ou aos desequilíbrios eletrolíticos, e podem deixá-lo realmente doente a ponto de precisar ir a um hospital.

Quem estiver no grupo de risco de contrair EHEC, deve procurar um médico imediatamente, especialmente se sentir dor no peito ou tontura. Os três principais sintomas da síndrome hemolítica urêmica são tontura, diminuição da micção e uma erupção cutânea.

Veja também

Como Plantar Cravos por Estaca

A Grande Mudança da Nossa Espécie Os seres humanos, conhecidos cientificamente como Homo sapiens, é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *