Home / Natureza / Vulcão Puyehue Localização

Vulcão Puyehue Localização

A Localização Geográfica do Vulcão Puyehue

O vulcão Puyehue está localizado no complexo vulcânico Puyehue-Cordón Caulle, bem ao sul da Cordilheira dos Andes, no Chile. É uma montanha com quase 2.300 metros de altura, a cerca de 960km ao sul da capital (Santiago), e que tem como limites as comunidades de Los Rios, Los Lagos, Puerto Montt e Osorno.

A região onde está incrustado o Puyehue é um produto do trecho com a maior atividade geotérmica do sul da cordilheira, cercado por um grupo de vulcões que começaram a se formar no período conhecido como “Plistoceno”, em plena “Era Quaternária”, que vai de 2,58 milhões de anos até mais ou menos 11,6 mil anos atrás.

O Puyehue, especificamente, começou a se formar há cerca de 68 milhões de anos, e o resultado foi o acúmulo de mais de 132km³ de material vulcânico – basicamente basalto, andesito e riolito –, devido a constantes derramamentos de lava que lhe deram a característica de um estratovulcão ativo e de natureza bastante complexa.

Agora é possível determinar a localização do vulcão Puyehue dentro de um parque: o Parque Nacional Puyehue, que foi a forma encontrada pelo governo chileno de preservar essa misteriosa riqueza cultural do país. Uma importante reserva, com cerca de 100 mil hectares, em um magnífico trecho desabitado do sul da Cordilheira dos Andes, cercado por uma vegetação das mais originais e exóticas de toda a América do Sul.

No entanto, apesar de tamanha exuberância natural, o local também é, de certa forma, uma espécie de “bomba-relógio” prestes a explodir, e que mantém a população e governantes sempre em constante estado de alerta, graças aos seus mais de 273 pontos onde registram-se, nesse momento, algum nível de abalo sísmico.

A Cordilheira dos Andes

Enquanto muitos procuram emoção e riqueza natural fora do continente, para muitos, é aqui mesmo na América do Sul que está o que há de melhor em riqueza natural e histórica, graças a uma estrutura geológica que já abrigou os povos mais antigos e ricos culturalmente de toda a história do planeta.

E a Cordilheira dos Andes é um desses lugares, onde está, por exemplo, localizado o vulcão Puyehue, um dos mais originais do mundo! É lá, também, que está a lendária cidadela de Machu Picchu (no Peru), um dos pontos turísticos mais visitados do planeta.

Mas o que dizer de Cusco? Com a suas enigmáticas ruínas Incas que desafiam até mesmo os mais respeitáveis especialistas.

Sem esquecer, obviamente, da famosa Isla del Sol, na Bolívia, o lar do tão comentado Lago Titicaca, que faz um contraste belíssimo com a neve que se observa no topo da cordilheira.

Sem dúvida uma exuberância! Erguida a partir das movimentações de placas tectônicas, cujo topo mais alto é o Aconcágua, na Argentina, com os seus vertiginosos 7 mil metros de altura, e que, segundo os especialistas, só possui rivais no continente asiático.

Enfim, a Cordilheira dos Andes pode muito bem ser classificada como o imponente resultado da movimentação das placas tectônicas Oceânica Pacífica e Sul-americana, que deu origem a uma cadeia de montanhas que se estende por mais de 8 mil quilômetros ao longo de todo o continente sul-americano e boa parte do seu vizinho, a América do Norte.

Parque Nacional Puyeue: a Localização do Vulcão Puyehue

O Parque Nacional Puyehue é o fruto da união de esforços entre governo e sociedade civil organizada chilena para, inicialmente, instituir, em 1914, a Reserva Florestal Puyehue.

De uma propriedade privada, a reserva, no início dos anos 40, passou a integrar o patrimônio natural do Chile, por meio do Decreto nº374, do Ministério de Terras e Colonização, que instituiu o parque.

O objetivo era proteger esse rico patrimônio natural andino, formado por duas cadeias de montanhas vulcânicas, que abrigam hóspedes ilustres do período conhecido como o Plistoceno, como o que sobrou dos vulcões Quimsachata, o Humarata, o Guallatire e o Quisiquisine, por exemplo.

Além de monumentos quase místicos, como os Nevados de Payachatas e de Putre, a região da Antillanca, entre outros trechos históricos do sul da Cordilheira dos Andes, com os seus vales glaciais, picos nevados e desfiladeiros, que abrigam entidades mágicas como o lendário rio Gol-Gol, o Chanleufú, os vulcões Pomerape, Pinacota e Ajata.

Assim como também o maciço de Putre, a montanha Tarapacá, o vulcão Casablanca, além de inúmeros, gêiseres, piscinas aquecidas naturalmente, fontes termais, grutas, fendas, cavernas, escarpas, e, obviamente, o vulcão Puyehue – um gigante com quase 2.300m e atualmente um dos vulcões mais ativos de toda a cordilheira.

A Riqueza do Parque Nacional Puyehue

O Parque Nacional, além de ser o lugar onde está localizado o vulcão Puyehue, é uma região que abriga excelentes atrativos naturais, bem caracterizados em um relevo, fauna e flora incomparáveis.

A Depressão de Parinacota, por exemplo, abriga alguns dos mais belos representantes da Hidrografia da Pré-cordilheira dos Andes. Como os lagos Chungará, Lauca e Cotacotani – com extensões que variam entre 21 e 25 km2 e um estimado valor religioso e espiritual para nativos e turistas.

Mas como esquecer do venerado rio Gol-Gol, que tem como vizinhos os lagos Paraíso, Constancia, Gris e Pajaritos. E como não chamar a atenção para o fato de que o vulcão Puyehue está localizado bem no meio dessa exuberância, onde podem ser avistados exemplares bastante exóticos da flora do sul da cordilheira.

Turismo no Parque Nacional Puyeue
Turismo no Parque Nacional Puyeue

Exemplares como, por exemplo, o ulmo, ou a misteriosa tineo, ou as singulares coigues e o olivillo – todos eles compondo, magnificamente, a paisagem dos diversos bosques incrustados na região.

E quando os olhos já estão cansados de contemplar tamanha beleza, logo surgem as variedades de arbustos, escarpas e paredões repletos de líquens e musgos. Ou os helechos (apreciadíssimos como plantas ornamentais), brejos e pântanos com as suas espécies medicinais.

E, para completar, vários exemplares de pinheiros, castanheiros e plátanos, que contribuem, cada um à sua maneira, para acrescentar mais vigor a uma região já vigorosa por natureza.

E que confirma o seu vigor por uma fauna também rica, composta por várias espécies de mamíferos roedores, insetos, peixes, entre outras espécies exóticas. Muito bem representadas pelas variedades de raposas, furões, linces, pumas e gambás que povoam o local.

Furões
Furões

E que competem em singularidade e beleza com espécies como o “ratão do banhado”, o vizcacha (o coelho da região), o gato-do-mato-grande, a pomba-chilena, o huet-huet, a corruíra, entre outras inúmeras variedades, da mesma forma exóticas e singulares, que na verdade seria pretensão minha querer listar todas aqui, nas tão modestas e despretensiosas linhas desse artigo.

Ratão do Banhado
Ratão do Banhado

Agora diga-nos o que achou desse artigo, por meio de um comentário, logo abaixo. E continue compartilhando, questionando, refletindo, contribuindo e aproveitando-se das nossas publicações.

Veja também

Qual é o Ecossistema Típico de SP?

A Floresta de Araucária é um ecossistema típico do estado de São Paulo (SP). O …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *