Home / Natureza / Quantos Anos Tem o Vulcão Santa Helena?

Quantos Anos Tem o Vulcão Santa Helena?

Como Definir Quantos Anos tem o Vulcão Santa Helena?

Para que possamos ao menos vislumbrar a idade do vulcão Santa Helena, será preciso atentar para o fato de que ele é o resultado de uma série de processos geológicos ocorridos há pelo menos 1.250 bilhões de anos, e que deram origem à região oeste da América do Norte.

Foi nesse período (que abrange metade do Proterozoico) que começou a ser formadas grandes elevações na forma de acúmulos de materiais rochosos e vulcânicos na costa oeste do continente.

Já por volta de 200 milhões de anos (mais ou menos a idade do vulcão Santa Helena), uma verdadeira cadeia de montanhas vulcânicas passaram a desenhar toda a Costa do Pacífico, tornando essa região o principal abrigo para vulcões em atividade no planeta.

O Santa Helena está localizado no monte de mesmo nome, na província de Skamania, estado de Washington, a Noroeste dos EUA. É um dos 160 vulcões em atividade na Cordilheira das Cascatas, e que faz parte de um imenso cinturão geográfico conhecido como Círculo de Fogo do Pacífico.

O nome Santa Helena ou lawetlat’la (para a tribo dos cowilitz) é uma homenagem ao explorador inglês Lord St. Helens, que ficou bastante famoso pela sua dedicação em explorar boa parte da região Noroeste do país por volta do séc. XVIII.

O lugar é conhecido por ser uma zona bastante sujeita a erupções vulcânicas, já que assenta-se sobre as placas Norte Americana e Juan de Fuca – placas tectônicas com características de subducção.

O que ocorre é que esses tipos de placas deslizam umas sob as outras, favorecendo, com isso, a existência dos chamados “hotspot” ou “pontos quentes”, que mantêm uma certa quantidade de magma em estado de reserva sob o monte.

Ao mesmo tempo que facilita uma suposição de quantos anos tem o vulcão Santa Helena, essa sua localização também determina o seu grau de agressividade – que é bastante considerável!

Entre outros motivos, devido à composição da lava em seu interior (à base de sílica), às temperaturas elevadíssimas da água ali presente, entre outros fatores, que fazem com que o Santa Helena seja um permanente caldeirão onde ocorrem processos químicos capazes de resultar em terríveis manifestações naturais.

Uma Dia que Marcou a História do Monte Santa Helena

Foi no dia 18 de maio de 1980, numa manhã aparentemente calma e tranquila de domingo, que começaram uma série de abalos sísmicos de grau 5,1, e que duraram cerca de 60 dias, como um prenúncio de que algo de terrível estava por vir.

Aos tremores sucederam-se uma espécie de alteração do cone do Santa Helena, o que resultou num deslizamento suficiente para alterar a temperatura e a pressão do magma contido em seu interior.

E o resultado foi uma série de explosões peleanas, com violentos fluxos piroclásticos e nuvens de cinzas vulcânicas, que se espalharam por uma altura de até 25km e afetaram vários outros estados norte-americanos – configurando-se como uma das mais violentas manifestações naturais da história dos Estados Unidos.

Neve e imensos blocos de gelo derreteram em questão de horas. Uma série de avalanches fizeram com que rochas e fragmentos do Monte Santa Helena viessem abaixo. O rio Colúmbia foi um dos que mais sofreram os impactos negativos da erupção, com o seu leito tomado por cinzas, escolhos e demais fragmentos resultantes das explosões.

No dia seguinte, novas erupções (agora menos violentas) eram como se fossem os extertores do evento, cujo saldo foi a morte de quase 60 pessoas, destruição de quilômetros de vegetação nativa, um prejuízo de quase US$ 1 bilhão de dólares, além de prejuízos à flora e à fauna de longos trechos no entorno do monte.

As Características Fisico-Químicas que Determinaram os Eventos

Uma das formas de saber quantos anos tem um vulcão como o Santa Helena, e por que ele é tão ameaçador, é analisando a composição do magma em seu interior.

Uma composição à base de sílica a 64%, juntamente com a presença de rochas vulcânicas como riolitos e dacitos, mais a presença de água a grandes temperaturas, formam um ambiente perfeito para manifestações tão violentas.

Características do Monte Santa Helena
Características do Monte Santa Helena

E é justamente o que ocorre com o Santa Helena!

Em seu interior, uma série de processos químicos tornam o magma extremamente denso e viscoso, o que dificulta a evaporação dos diferentes gases que aumentam a pressão na sua câmara magmática.

Esse conteúdo também é mais fácil de ser acumulado no respiradouro e nos tubos secundários, e o resultado é que teremos uma maior quantidade de material para ser expelido; material esse sob pressão e temperaturas elevadíssimas, e ainda com uma textura perigosamente densa e viscosa.

Os efeitos dessa constituição surgiram, inicialmente, por meio de uma série de abalos sísmicos que antecederam os eventos de 18 de maio de 1980. E, logo após, uma terrível avalanche funcionou como um desencadeador de todo esse caldeirão sob alta pressão no interior do monte.

Seguiu-se uma impressionante emissão de fluxos piroclásticos a cerca de 900km/h, com força e vigor suficientes para destruir tudo o que cruzava o seu caminho; além de densas nuvens de cinzas vulcânicas que subiram a quase 25km de altura e atingiram cerca de 10 dos 50 estados norte-americanos.

Agora temos uma destruição causada, tanto pelos impactos dos fragmentos de rochas vulcânicas como por um calor de quase 600°C, suficientes para destruir boa parte da vegetação do seu entorno, além de inúmeros exemplares da fauna e da flora da região.

Após esses eventos de 1980, o Santa Helena conheceu um bom período de trégua. Somente em meados dos anos 2000 ele começou a novamente manifestar-se de forma mais contundente. Dessa vez, apenas por meio de derramamentos constantes de lava, que foram responsáveis por dar novos contornos à sua estrutura.

Foto de Diferentes Fases do Monte Santa Helena
Foto de Diferentes Fases do Monte Santa Helena

Manifestações naturais como esta é o resultado de milhões e milhões de anos de formação da crosta terrestre que domina boa parte do oeste dos EUA. Todo esse processo de formação da região ajudam a, de alguma forma, determinar os quase 200 milhões de anos do vulcão Santa Helena. Mas, principalmente, entender as causas que determinam tais manifestações.

Nesse momento toda a Cordilheira da Cascata é monitorada 24h pelo governo norte-americano, pois, apesar de o vulcão não estar localizado em uma área habitada, os danos ambientais causados por esse tipo de manifestação são suficientes para que tais eventos sejam adequadamente monitorados.

A idade do vulcão Santa Helena pode ser calculada com base nos processos geológicos de milhões de anos que formaram a região oeste dos EUA. Mas, e para você? O que representa essa força da natureza? Deixe a resposta em forma de um comentário. E aguarde as próximas publicações do blog.

Veja também

Estudantes de Ecologia

Técnico em Ecologia

O técnico em ecologia é a pessoa que desempenha várias tarefas técnicas no campo e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *