Home / Natureza / Exemplo de Ecossistema Pequeno e Simples

Exemplo de Ecossistema Pequeno e Simples

Historicamente, o conceito de ecossistema nasce do conceito de biocenose: populações que convivem (as populações estão interligadas); então a noção de sucessão ecológica (as populações estão ligadas a ambientes).

Definição de um Ecossistema

Um ecossistema é um conjunto dinâmico de organismos vivos (plantas, animais e microorganismos) que interagem entre si e com o ambiente (solo, clima, água, luz) em que vivem.

As dimensões dos ecossistemas podem variar consideravelmente; eles podem ser muito pequenos, como um lago ou uma árvore morta, ou ser gigantescos, como a Terra. Um ecossistema também pode ser definido com base principalmente na vegetação, uma espécie animal ou terreno, por exemplo.

Grandes ecossistemas são geralmente descritos como ecossistemas aquáticos (em água salgada ou doce) ou ecossistemas terrestres (florestas, pastagens, desertos, etc). Os ecossistemas florestais são caracterizados pela predominância de árvores, assim como pela fauna, flora e ciclos ecológicos (energia, água, carbono e nutrientes) que estão intimamente associados a eles.

Um Pequeno Exemplo

Aqui está o exemplo simples de um ecossistema artificial (porque é criado pelo homem) que pode ajudá-lo a entender. Cabe a todos adaptar e completá-lo para que isso faça sentido. Como qualquer ecossistema, o aquário é composto de dois elementos, mesmo que seja artificialmente criado pelo homem.

Como qualquer ecossistema, um aquário é composto por um meio (água, seu sistema de filtração, luz, etc) e seres vivos (algas, peixes, plâncton,etc). Criando um aquário bem composto, ele passa a ser um ambiente vivo em que os peixes crescem e permanecem vivos, formando assim um ecossistema.

O meio do aquário é composto de água, oxigênio fornecido pela filtragem, luz artificial ou natural e calor. O ambiente tem influência sobre os habitantes: no caso do aquário, o meio é a água. Sua composição e temperatura irão determinar o tipo de algas e peixes que podem viver lá. Um aquário de água salgada não pode acomodar o mesmo peixe que um aquário de água doce. Alguns aquários também devem ser mantidos a uma determinada temperatura.

Algas, elementos microscópicos e peixes são os seres vivos que habitam o aquário, eles foram escolhidos para viver juntos e garantir a sobrevivência do aquário. As algas podem ser comidas por pequenos peixes e pequenos peixes podem ser comidos por piranhas. Piranhas não devem ser muitas, porque podem morrer de fome! Mas também acontece que as piranhas brigam umas com as outras ou que alguns peixes morrem. Algumas pequenas criaturas vivas são então escolhidas para destruir o lixo morto e transformá-lo em matéria orgânica usada pelas algas para seu crescimento.

Se o equilíbrio for encontrado, o ecossistema foi capaz de se desenvolver e o aquário será viável, os peixes serão saudáveis, cada espécie criada no primeiro dia poderá viver e se reproduzir. Temos assim um pequeno exemplo de um ecossistema em pleno funcionamento.

Um Grande Exemplo

A cidade é um monte de edifícios, concreto, ruas plantadas com árvores, carros … Mas a cidade também é um ecossistema: plantas e animais vivem lá e interagem com esse ambiente muitas vezes hostil, mas às vezes tão favorável a alguns animais, mesmo os selvagens.

Na ecologia, um ecossistema é definido como um conjunto formado por um ambiente (o biótopo) e por todas as espécies (a biocenose) que vivem lá, se alimentam e se reproduzem lá. A cidade é um ecossistema, mesmo que seu biótopo seja muito mineral e sua biocenose seja escassa e simplificada (há menos espécies vivas do que em um ecossistema “natural”).

Ecossistemas urbanos (cada zona urbana caracteriza um ecossistema) também são espeloteados. Primeiro, porque o ser humano, suas atividades e seu comportamento têm um impacto muito significativo sobre o meio ambiente e sobre outras espécies que por ali habitem também: muitas seres que vivem na zona urbana foram introduzidas pelo homem, sejam da fauna (como aves ou insetos) ou principalmente da flora (os ornamentos vegetais dos jardins, plantas trazidas da natureza ou sementes e frutas transportadas ao longo de diversos meios de transporte convergindo para o mercado, etc).

Além disso, ao contrário do observado na natureza, na cidade, a biodiversidade é muito pobre e a biomassa é muito pequena para as espécies vivas se regularem (não predadas, algumas populações de animais tendem a se tornar invasoras: pombos, estorninhos, corvos, etc).

As Peculiaridades do Ecossistema Urbano

Assim como ecossistemas muito peculiares, como regiões desérticas, cavernosas ou nas profundezas do mar, o ecossistema de cidades urbanizadas tem muitas características especiais:

– Um ambiente mais quente : é verdade no verão, mas é especialmente verdade no inverno (nas grandes cidades há uma diferença de 4 a 5 graus entre o centro da cidade e a zona rural circundante). Esta doçura é favorável a espécies frias;

– Um ambiente mais seco : altamente mineralizado e impermeabilizado pelo concreto, cimento, betume ou pedras de pavimentação, o solo absorve pouca água da chuva. Isso tende a dar uma vantagem adaptativa às plantas que são resistentes à seca ou capazes de produzir suas sementes antes do calor do verão;

– Um ambiente poluído : na cidade, o ar, a água, os terrenos estão poluídos, isso é uma novidade para ninguém. Mais do que animais, são sobretudo as espécies vegetais sensíveis a esta poluição, especialmente a do solo (muitas vezes enriquecido com nitrogênio);

– Um ambiente onde a iluminação urbana noturna é uma fonte de poluição luminosa , que altera os ciclos naturais dos seres vivos (esse alongamento do fotoperíodo promove aparência das folhas anteriores na primavera e depois cair no outono; sobre as aves , eles nidificam mais cedo em bairros escurecidos à noite do que em bairros escuros);

– Um ambiente fragmentado por inúmeras barreiras físicas (ruas, paredes, fachadas …), onde habitats são “natureza ilhada” (consistem em parques, jardins, pátios, as fileiras de árvores, gramados … e as varandas!);

– Um ambiente onde o caminho e a velocidade do vento também são alterados.

Um Ecossistema em Evolução

O ecossistema urbano não é estático: o ambiente e os seres vivos que ele abriga estão em constante evolução. O biótopo evolui lentamente, mas geralmente favoravelmente, pelo menos nas cidades desenvolvidas de primeiro mundo.

A implementação de práticas amigas do ambiente (por exemplo, o abandono gradual de pesticidas na manutenção de espaços verdes ) e a multiplicação espaços verdes são propícios para melhorar o habitat e a sobrevivência de muitas espécies.

As espécies presentes na cidade também estão progredindo, com tendência ao enriquecimento da biodiversidade : vê-se espécies ausentes do ambiente urbano há alguns anos, mesmo algumas décadas.

Tais espécies invariavelmente começam a ocupar regiões circundantes (residências arborizadas ou com jardins, por exemplo), antes de se aproximar mais dos centros da cidade: gaviões, pombos, guaxinins, esquilos, raposas, pássaros diversos, gralhas, e até porcos selvagens (Berlim e javalis é um exemplo), tantos novos colonos à selva urbana …

Veja também

Principais Características do Agroecossistema

Como bem sabemos, todo o setor agropecuário é a base da nossa alimentação desde muitos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *