Home / Natureza / Degradação Ambiental da Caatinga

Degradação Ambiental da Caatinga

As florestas tropicais secas estão cada vez mais ameaçadas pela degradação da terra. Para as florestas sazonalmente secas da Caatinga no Nordeste do Brasil, estudos recentes revelaram perda de vegetação lenhosa e ganho.

Degradação Ambiental da Caatinga

Uma análise conclusiva das mudanças da cobertura da terra e da diversidade da paisagem ainda estava faltando. Para preencher esta lacuna, foi pesquisado as relações padrão-processo para o domínio fitogeográfico da Caatinga em diferentes níveis espaciais para a última década a partir dos dados de cobertura do solo.

Por uma análise de padrão de paisagem, um conjunto de cinco métricas de paisagem foi calculado. Os resultados espaço-temporais revelaram uma diminuição geral de fragmentação e diversidade. A classe de savana que compreende também as florestas secas da Caatinga cobriu grandes partes da paisagem e ganhou consideravelmente, enquanto outras classes de vegetação diminuíram.

A distribuição dos arbustos e pastagens com vegetação baixa implica riscos de degradação, em particular no vale do rio São Francisco. Agricultura de grande escala foi encontrada na proximidade de reservatórios de água nas terras baixas, o que levou a aumentos locais da diversidade da paisagem. Quantificou-se os ganhos e perdas de vegetação lenhosa com um ganho líquido notável de 6,7% da área de estudo.

As principais mudanças podem ser atribuídas a mudanças socioeconômicas de agricultura local e de larga escala e atividades de infra-estrutura hídrica. No geral, o estudo mostrou que um conjunto de dados global multitemporal, juntamente com uma análise de padrão de paisagem, forneceu contribuições valiosas para a pesquisa da paisagem e para a detecção das mudanças na cobertura da terra e na diversidade da paisagem.

Efeitos de Pastagem

O pastoreio de ungulados domésticos pode ter impactos substanciais sobre as florestas em regiões áridas e semi-áridas, possivelmente incluindo a perda severa de carbono do solo. A previsão dos impactos líquidos da pecuária sobre os estoques de carbono orgânico no solo continua sendo um desafio, no entanto, devido à dependência de cargas animais e aos parâmetros do solo e do meio ambiente.

Analisou-se carbono orgânico do solo, teor de argila do solo, altitude acima do nível do mar, profundidade do solo até o leito de rocha, distância ao corpo de água permanente mais próximo, diversidade de espécies de plantas perenes e biomassa acima do solo em 45 parcelas de estudo localizadas nas proximidades do reservatório de Itaparica, Pernambuco , Brasil.

A pecuária (principalmente caprinos e bovinos) está desigualmente distribuída no ecossistema estudado, assim a intensidade de pastejo foi calculada com base no peso dos excrementos do gado por metro quadrado e classificados como sem ou com pastejo leve, intermediário ou pesado.

O carbono orgânico médio do solo na área foi de 16,86 ± 1,28 Mg ha −1 C com aproximadamente um quarto encontrado nos 5 cm superiores do perfil do solo (4,14 ± 0,43 Mg ha- 1 C) e o restante (12,57 ± 0,97 Mg ha- 1 C) nas maiores profundidades do solo (> 5 cm ). O pastoreio intenso levou a estoques de carbono orgânico do solo significativamente mais baixos nos 5 cm superiores , enquanto nenhum efeito no carbono orgânico do solo do solo em geral ou nas maiores profundidades do solo foi detectável.

O teor de argila do solo e a altitude demonstraram ser os fatores mais relevantes que influenciaram os estoques totais de carbono orgânico no solo e aqueles em maiores profundidades (> 5 cm). Tais descobertas sugeriram que o pastejo provoca liberação substancial de carbono de solos de florestas secas brasileiras, o que deve ser abordado por meio de melhor manejo do pastejo por meio de um sistema de rotação legalmente compulsório. Isso acabaria contribuindo para a conservação de um sistema florestal único e dos serviços ecossistêmicos associados.

Efeito Estufa e Emissão de Gases

O bioma Caatinga cobre uma área de 845.000 km² e possui enorme biodiversidade endêmica, com características únicas que a tornam um bioma brasileiro exclusivo. Ela cai dentro da zona tropical da Terra e é uma das várias ecorregiões importantes do Brasil.

Este bioma sofre longos períodos de seca que causam prejuízos na produtividade agrícola e pecuária, tendo um impacto severo na população. Devido à vulnerabilidade desse ecossistema às mudanças climáticas, a pecuária emergiu como principal sustento da população rural, sendo a precursora da substituição da vegetação nativa por áreas de pastagem.

Nas emissões de 2 O variaram de – 1,0 a 4,2 mg m – 2 d – 1 e – 1,22 a 3,4 mg m – 2 d – 1 no pasto e Caatinga, respectivamente, e não diferiram significativamente entre si. As emissões foram significativamente maiores durante as estações secas.

O dióxido de carbono variou de – 1,1 a 14,1 e 1,2 a 15,8 g m – 2 d – 1 no pasto e Caatinga, concomitantemente. CO 2as emissões foram maiores na Caatinga, e foram consideravelmente influenciadas pela temperatura do solo, apresentando uma relação inversa.

A emissão de metano variou de 6,6 a 6,8 e – 6,0 a 4,8 mg m – 2 d – 1 no pasto e Caatinga, concomitantemente, e foi consideravelmente maior apenas na Caatinga na estação chuvosa. Os fluxos de gás do solo pareceram ser influenciados por condições climáticas e edáficas, bem como pela cobertura do solo no bioma Caatinga.

Ineficiência na Proteção da Biodiversidade

Acredita-se que a biodiversidade seja baixa em regiões com vegetação que se adaptou ao estresse hídrico . Além disso, há pouco interesse das autoridades em estabelecer e expandir unidades de conservação nessas áreas.

No Brasil, a Caatinga e os Cerrado biomas compreendem essa vegetação xerófila. Em ambos, o clima é tropical e a estação seca é longo e bem definido. A Caatinga é o bioma brasileiro com a menor área protegida por unidades de conservação.

O bioma Caatinga foi identificado como uma das áreas selvagens importantes da Terra. No entanto, menos de 1% da região está sob proteção legal estrita, embora as Florestas Tropicais Sazonais Secas estejam globalmente altamente ameaçadas.

Bioma Caatinga
Bioma Caatinga

Há uma necessidade urgente de aumentar a compreensão do padrão de diversidade e ameaçar o status das espécies de plantas da Caatinga para preservar a biodiversidade única e proteger as espécies ameaçadas.

Apesar de sua importância, a Caatinga é um dos biomas mais ameaçados do Brasil, com mais de 50% de sua cobertura original transformada pela ação humana. Historicamente, o principal motor desse desmatamento foi a expansão da agricultura, mas desde a crise energética internacional de 1970, a extração de madeira por corte raso tornou-se o principal motor.

Além de alimentar uma série de indústrias, a biomassa de madeira fornece 73% da energia doméstica em propriedades rurais de pequeno e médio porte. Essa situação é agravada pelo fato de que, no início do projeto, apenas um por cento do bioma Caatinga estava sob estrita conservação. Quatro áreas da Caatinga, totalizando 1,5 milhão de hectares, foram classificadas como núcleos de desertificação.

Veja também

Principais Características do Agroecossistema

Como bem sabemos, todo o setor agropecuário é a base da nossa alimentação desde muitos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *