Home / Natureza / Conceitos de Agroecossistemas

Conceitos de Agroecossistemas

O atual desenvolvimento da agroecologia reúne os conceitos de agrossistema (que pode ser definido como uma área cultivada intensivamente para produção agrícola e ecossistema. Não é certo que essa assimilação de um para o outro seja ainda mais relevante.

O Conceito de Ecossistema

Primeiro, o conceito de ecossistema, proposto em 1935 pelo botânico Arthur Tansley como modelo de representação de uma comunidade viva interagindo com seu ambiente, não faz consenso entre os ecologistas. Seus pressupostos de adaptação, autonomia, auto-reparação e autorregulação em torno de um estado de equilíbrio dinâmico estão longe de serem reconhecidos por todos.

Não se pode, além disso, seriamente assimilar a realidade de um ecossistema à visão organísmica ligada a ele. Não tendo cérebro, memória, genoma ou até mesmo algum design, o ecossistema não é de forma alguma o organismo vivo. Não é nem historicamente constituído nem delimitado, como é um organismo vivo.

Mas graças a um valor normativo hoje fortemente positivo, pela simples palavra de palavras, o agrossistema parece ter que ganhar para tornar-se ecossistema ou agro-ecossistema para não perder sua radicalidade. No entanto, isso é para minimizar a relevância do termo “agrossistema”.

Relevância do Conceito de Agroecossistema

O termo agroecossistema é de fato muito mais relevante do que o ecossistema para explicar a natureza e a operação de uma parcela cultivada. É moldado por processos que são biológicos, como é o caso de um ecossistema, mas esses ecossistemas estão sujeitos a uma sucessão de processos de tomada de decisão que são, em última instância, responsabilidade do agricultor.

É ele e ele quem, com base em suas próprias observações, pilota a coerência espacial e funcional. Embora geralmente não possamos olhar para um ecossistema, pois é um modelo de representação mental que nem sempre é acompanhado por limites visuais, a liderança humana, pelo contrário, dá ao agrossistema uma realidade plenamente tangível.

Além disso, diferentemente do ecossistema, o agrossistema depende permanentemente dos fluxos externos de importações e exportações, sejam eles matéria viva ou inerte, energia ou informação. O agrossistema é historicamente construído, ao contrário do ecossistema que não tem história real e é uma temporalidade essencialmente circular, ligada a ciclos naturais.

O agrossistema resulta de uma sucessão de regimes de distúrbios ecológicos operados e pilotados pelo homem, no conhecimento dos estados do passado, e numa perspectiva necessariamente voltada para o futuro. É, portanto, uma forma híbrida e dinâmica, certamente perfectível, mas no momento incomparável, entre o natural de um lado, o artificial e o social de outro. Ele participa da rejeição da infeliz dualidade entre cultura e natureza.

Agronomia, que muitas vezes é excessivamente reducionista e mecanicista, certamente se beneficiaria de aproveitar melhor a ecologia. Mas isso não significa que ela deva, por excesso de humildade, corrigir seu vocabulário. Seria uma pena querer se livrar de um termo que ganhou a sua nobreza, para substituir um conceito que não corresponde a ele.

O Futuro da Agricultura?

Algumas grandes organizações estão saudando a agricultura dentro dos ecossistemas agrícolas como o caminho a seguir para a agricultura convencional. Os atuais métodos de cultivo resultaram em recursos hídricos sobrecarregados, altos níveis de erosão e redução da fertilidade do solo. De acordo com um relatório do Instituto Internacional de Gestão da Água e do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, não há água suficiente para continuar a agricultura usando as práticas atuais; portanto, quão crítica a água, a terra e o ecossistema os recursos são usados ​​para aumentar o rendimento das culturas devem ser reconsiderados.

O relatório sugeriu atribuir valor aos ecossistemas, reconhecendo as compensações ambientais e de subsistência e equilibrando os direitos de uma variedade de usuários e interesses, bem como abordando as desigualdades que algumas vezes resultam quando tais medidas são adotadas, como a realocação de água de pobre a rica, a limpeza de terras para dar lugar a terras agrícolas mais produtivas, ou a preservação de um sistema de zonas úmidas que limita os direitos de pesca.

O Conceito não é Moderno

É bem provável que o conceito de jardins florestais sejam o agroecossistema mais antigo e mais estoico do mundo. Os jardins florestais tiveram origem nos primórdios da história ao longo de margens de rios cobertos de selva e no sopé das regiões de monções. À medida que uma família gradualmente aperfeiçoava seu ambiente imediato, procuraram identificar aquelas árvores e vinhas aproveitáveis, melhorando e protegendo as espécies, ao mesmo tempo que eliminavam as espécies inúteis ou nada interessantes. Invariavelmente selecionavam da flora estrangeira espécies mais importantes e agregavam ao jardim da família.

O conceito jardim florestal envolve um processo de cultivo alimentar que inclua plantas sustentáveis ​​de manutenção mínima baseado em ecossistemas florestais, agregando árvores frutíferas, ervas, videiras, arbustos,  nozes e plantas perenes que oferecem lucros diretos e realmente rentável aos seres humanos. Fazendo uso do método de plantação concomitante, em que as plantas se desenvolvem juntas, misturando-se e desenvolvendo-se em uma progressão de níveis, mas objetivando a semelhança com o habitat florestal natural.

O conceito dos jardins florestais não é nenhuma novidades nas regiões tropicais, sendo já praticados com diferentes variações locais no sul da Índia, Zimbábue, Nepal, Tanzânia, Sri Lanka, Java, México, etc.  Cada horta nessas áreas com seus nomes populares tem demonstrado ser uma importante fonte de renda as comunidades, conferindo também uma fonte segura de alimentação para as famílias locais.

Um dos principais esforços de disciplinas como a agroecologia é promover estilos de gestão que obscurecem a distinção entre agroecossistemas e ecossistemas “naturais”, tanto diminuindo o impacto da agricultura (aumentando a complexidade biológica e trófica do sistema agrícola quanto diminuindo o entrada/saída de nutrientes) e aumentando a conscientização de que os efeitos “a jusante” estendem os agroecossistemas para além dos limites da fazenda (por exemplo, o agroecossistema do Cinturão do Milho inclui a zona hipóxica no Golfo do México).

Agroecologia
Agroecologia

No primeiro caso, a policultura ou as faixas de proteção para o habitat da fauna silvestre podem restaurar alguma complexidade a um sistema de cultivo, enquanto a agricultura orgânica pode reduzir as entradas de nutrientes. Os esforços do segundo tipo são mais comuns na escala da bacia hidrográfica. Um exemplo é o Projeto da Bacia Hidrográfica do Lago Mendota, da Associação Nacional dos Distritos de Conservação, que visa reduzir o escoamento das terras agrícolas que alimentam o lago com o objetivo de reduzir as proliferações de algas.

Veja também

Um Solo Argiloso Pode ser Humífero?

Quem mexe com jardinagem encontra alguns impasses pelo caminho. Um deles é justamente este: o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *