Home / Natureza / Auto Ecologia Significado

Auto Ecologia Significado

A autoecologia explora a relação entre um tipo de organismo e factores ambientais. Conseguiu compreender? ok, vamos definir isso melhor…

Autoecologia Significado

A autoecologia é uma abordagem em ecologia que procura explicar a distribuição e a abundância de espécies estudando as interações de organismos individuais com seus ambientes. Uma abordagem autoecológica difere tanto da ecologia da comunidade (sinecologia) como da ecologia populacional pelo maior reconhecimento das adaptações específicas de cada espécie de animais, plantas ou outros organismos, e das influências dependentes da densidade ambiental sobre as distribuições de espécies.

A teoria autoecológica relaciona os requisitos específicos da espécie e as tolerâncias ambientais dos indivíduos à distribuição geográfica das espécies, com indivíduos rastreando condições adequadas, tendo a capacidade de migração em pelo menos um estágio em seus ciclos de vida.

Com foco no organismo individual, a autoecologia tem ligações mecanicistas com vários outros campos biológicos, incluindo etologia, evolução, genética e fisiologia. A autoecologia tem uma forte base na teoria da evolução, incluindo a teoria do equilíbrio pontuado e o conceito de reconhecimento das espécies.

Autoecologia e sua História

Autoecologia foi pioneira por botânicos de campo alemães no final do século 19. Durante o século 20, a autoecologia continuou existindo principalmente como uma ciência descritiva, em vez de uma teoria de apoio e os mais notáveis ​​proponentes de uma abordagem autoecológica, Herbert Andrewartha e Charles Birch, evitaram o termo autoecologia ao se referirem à investigação ecológica focada em espécies com ênfase em processos independentes da densidade.

Parte do problema de derivar uma estrutura teórica para a autoecologia é que as espécies individuais são únicas em sua história de vida e comportamento, dificultando a generalização de amplas generalizações sem perder as informações cruciais obtidas ao estudar biologia em nível de espécie. Progressos foram feitos em tempos mais recentes com o conceito de reconhecimento de espécies de Paterson e o conceito de rastreamento de habitat por organismos.

Conceito de Reconhecimento

A teoria autoecológica é focada nas espécies como a unidade mais importante da organização biológica, uma vez que indivíduos de todas as populações de uma determinada espécie compartilham adaptações específicas de espécies que influenciam sua ecologia. Isso está particularmente relacionado à reprodução, já que indivíduos de uma espécie sexual compartilham adaptações únicas para reconhecer potenciais parceiros e compartilham um mecanismo de fertilização que difere daqueles de todas as outras espécies.

Autoecologia - Conceitos
Autoecologia – Conceitos

Este conceito de reconhecimento de espécie difere do conceito de espécie biológica (ou conceito de isolamento) que define espécies por esterilidade cruzada, que na especiação alopátrica é meramente uma consequência da mudança adaptativa no mecanismo de fertilização de uma nova espécie para se adequar a um ambiente diferente.

Correspondência Ambiental

Indivíduos de uma variedade de espécies tendem a ser relativamente uniformes em termos de suas necessidades alimentares e de habitat e a variedade de condições ambientais que podem tolerar. Estes diferem dos de outras espécies. Indivíduos de uma espécie também compartilham adaptações sensoriais específicas para reconhecer um habitat adequado. As mudanças sazonais e a variabilidade no clima significam que a distribuição espacial ou temporal do habitat adequado para uma espécie também varia.

Em resposta, os organismos rastreiam condições adequadas, por exemplo, migrando para permanecer dentro do habitat adequado, para o qual não há, o que é evidenciado no registro fóssil. Ao determinar os requisitos e tolerâncias de uma determinada espécie, é possível prever como os indivíduos dessa espécie responderão a mudanças ambientais específicas.

A Autoecologia e a Reprodução de População

A teoria autoecológica prevê que as populações se reproduzirão em torno do nível de substituição, a menos que um período de mudança ambiental causando uma sobrevida excepcionalmente alta ou baixa faça com que a população cresça ou encolha novamente antes de restabelecer o nível de substituição. O número populacional pode ser reduzido pela introdução de nova pressão de predação, como com o manejo inadequado da pesca ou a introdução de um agente de controle biológico para controlar uma espécie invasora, de tal forma que a taxa reprodutiva líquida caia abaixo do nível de substituição.

As espécies predadas em cada caso podem se estabilizar em uma densidade populacional menor, onde é mais difícil para indivíduos do nível trófico superior localizar as espécies de presas, mas neste momento o alívio da predação tende a fazer pouca diferença no tamanho da população, como indivíduos continuam a reproduzir-se em torno do nível de substituição, uma vez que estavam em maior densidade antes da introdução de um nível trófico superior.

Potência ou Tolerância Ecológica

A potência ecológica ou tolerância ecológica é uma característica das espécies. Indica em qual faixa de valores de um determinado fator ambiental uma espécie pode prosperar durante um longo período de tempo.

O experimento da água subterrânea de Hohenheim, em 1952, exemplifica a diferença entre a potência ecológica e o nicho ecológico atual. Para muitas espécies, o ótimo sinecológico está muito distante do ótimo autecológico.

Se considerarmos o valor de um fator ambiental específico para um organismo, falamos do valor ecológico desse fator. No uso comum, o termo é sinônimo do conceito de energia utilizada, que não é correto, estritamente falando, como o valor apenas se referiu à importância do fator ambiental relevante para a existência dos organismos estudados.

Os intervalos de tolerância fisiológica são determinados em condições experimentais em que todos os outros fatores são mantidos constantes. É medido até que ponto o fator pode flutuar sem que o organismo seja afetado fisica e adversamente. Há espécies que têm um grande intervalo de tolerância e também há espécies que toleram apenas uma pequena variação de fatores ambientais.

Com base na ocorrência de organismos indicadores, a qualidade dos solos ou águas pode ser reconhecida. Com base na existência de certas plantas pode se reconhecer a salinidade ou acidez das águas. Examinando a sensibilidade a certos fatores ambientais, a caracterização pode ser ainda mais refinada de acordo com as influências ambientais.

Apenas para exemplificar, o pinheiro silvestre tem uma faixa de tolerância muito alta em relação ao fator abiótico água (na forma de umidade do solo). Por poder crescer em solos secos e arenosos, bem como em locais de turfeiras úmidos, possui uma ampla potência fisiológica.

Veja também

Cânion do Xingó Onde Fica

Área muito popular de turismo, o cânion de Xingó vem atraindo aventureiors e curiosos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *