Home / Animais / Tudo Sobre Anfíbios em Extinção no Brasil

Tudo Sobre Anfíbios em Extinção no Brasil

O Brasil é o lar de uma das mais exclusivas fauna e flora do nosso planeta, incluindo muitas espécies ameaçadas de extinção. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), o Brasil possui 973 espécies ameaçadas de extinção: 452 animais e 521 plantas e fungos.

Fauna Brasileira em Declínio

Pelo menos 627 animais estão em perigo no Brasil, número que triplicou em quinze anos. E o que coloca em risco nossa vida selvagem é o desmatamento, o fogo, a transformação de florestas nativas em soja ou pastagem, invasões de terras selvagens em nossos parques, tráfico de vida selvagem, pesticidas que afetam todo o território, além da cadeia alimentar desequilibrada e a pesca excessiva.

As espécies ameaçadas de extinção são 69 mamíferos, 160 aves, 20 répteis, 16 anfíbios, 154 peixes e 208 invertebrados, cuja lista foi elaborada em 2004. A lista anterior remonta a 1989 e incluía 218 espécies. De 1989 a 2004, 79 animais, incluindo o gavião, deixaram de estar em perigo, mas outros 418 entraram na lista. A lista atual inclui pela primeira vez peixes, incluindo baleia azul e peixe-boi.

60% das espécies ameaçadas provêm da Mata Atlântica, a vegetação que cobria todo o litoral brasileiro e dos quais apenas 27% da área permanecem hoje. Na Amazônia, existem 57 animais (9,1%) e Pantanal, uma área pantanosa, 30 (4,7%). O Brasil (8,2 milhões de quilômetros quadrados) possui a maior biodiversidade do mundo, com a Indonésia. É o lar de 10% dos mamíferos e 13% dos anfíbios.

A classe dos anfíbios é o grupo que está atualmente em maior risco de extinção. Um terço das 6300 espécies conhecidas está ameaçado e a tendência está se acelerando. Os anfíbios são vulneráveis ​​por muitas razões e suportam o peso da pressão humana, mas, mais importante, das alterações climáticas e das doenças.

Anfíbios Particularmente Vulneráveis

Anfíbios, anteriormente chamados de anfíbios, incluem sapos, salamandras e gymniophiones. O que é intrigante no atual desaparecimento desses animais é que o grupo sobreviveu a quatro grandes extinções importantes que ocorreram ao longo das eras e, portanto, é muito resistente.

No entanto, estes animais, pela sua fisiologia e constituição, parecem muito vulneráveis. Primeiro, desenvolvem uma fase larval aquática e depois vivem na terra como adultos. Eles, portanto, experimentarão ambientes muito diferentes, comerão uma alimentação muito diversificada e serão confrontados com múltiplos predadores e parasitas.

Em segundo lugar, os anfíbios recebem uma pele úmida altamente vascularizada pela qual respiram (essa respiração é mais importante do que respirar pelos pulmões). Eles estão, portanto, em contato próximo com o meio ambiente, o que os torna muito vulneráveis ​​à poluição do ar e da água.

Finalmente, os anfíbios são animais poiquilotérmicos, isto é, de sangue frio, o que significa que a temperatura corporal varia e depende da temperatura exterior. Eles são muito sensíveis às variações de temperatura. Esta característica é ainda mais importante porque algumas espécies vivem em áreas geográficas muito limitadas devido à sua adaptabilidade restrita. Por exemplo, algumas espécies que vivem em áreas montanhosas são encontradas apenas em altitudes entre 1500 e 2000 m.

Sendo particularmente sensíveis, os anfíbios são, portanto, uma excelente sentinela para diagnosticar certos aspectos da saúde ambiental dos organismos terrestres.

Extinção Premente

Os anfíbios não são distribuídos uniformemente na superfície do globo. É na América do Sul, especialmente nos trópicos, que encontramos mais. Os Gymniophiones vivem principalmente nos trópicos, salamandras nas regiões temperadas do hemisfério norte, enquanto os sapos são encontrados em quase toda parte, até o Ártico.

O Brasil tem mais espécies (789) no planeta, seguido pela Colômbia (642). A China contém mais no Velho Mundo (Europa, Ásia e África), com 335 espécies. No continente africano, é a República Democrática do Congo que mais abriga (215), mas 239 vivem em Madagascar. A Austrália tem 225 espécies e a Nova Guiné 289. Na América do Norte, o México tem a maioria com 357 espécies. Nos Estados Unidos, existem 291.

De acordo com a Avaliação Global de Anfíbios, 32,5% das espécies de anfíbios estão globalmente ameaçadas, isto é, são classificadas como “vulneráveis”, “ameaçadas” ou “criticamente ameaçadas”. 43% das espécies têm populações em declínio. A taxa de extinção é extremamente preocupante: é 211 vezes maior que a taxa normal.

Paradoxalmente, essas observações são feitas enquanto o ritmo de descoberta de novas espécies nunca foi tão alto. Em 1985, cerca de 4000 espécies eram conhecidas. Em 2008, havia 6300. A taxa atual de descoberta é de 2% ao ano.

Felizmente, algumas espécies em algumas partes do mundo estão indo bem e estão se desenvolvendo até mesmo em áreas marcadas por atividades humanas. É provável que tais espécies possam sobreviver à atual extinção global, da mesma forma que seus ancestrais passaram pelas grandes extinções passadas.

Anfíbios Em Extinção no Brasil

Aqui Listamos os Principais Mencionados na Lista da IUCN:

Melanophryniscus Macrogranulosus

Melanophryniscus Macrogranulosus
Melanophryniscus Macrogranulosus

Hylomantis Granulosa

Hylomantis Granulosa
Hylomantis Granulosa

Hyla Cymbalum

Hyla Cymbalum
Hyla Cymbalum

Scinax Alcatraz

Scinax Alcatraz
Scinax Alcatraz

Adelophryne Baturitensis

Adelophryne Baturitensis
Adelophryne Baturitensis

Melanophryniscus Dorsalis

Melanophryniscus Dorsalis
Melanophryniscus Dorsalis

Euparkerella Robusta

Euparkerella Robusta
Euparkerella Robusta

Phyllomedusa Ayeaye

Phyllomedusa Ayeaye
Phyllomedusa Ayeaye

Adelophryne Maranguapensis

Adelophryne Maranguapensis
Adelophryne Maranguapensis

Physalaemus Soaresi

Physalaemus Soaresi
Physalaemus Soaresi

Dasypops Schirchi

Dasypops Schirchi
Dasypops Schirchi

Odontophrynus Moratoi

Odontophrynus Moratoi
Odontophrynus Moratoi

Bokermannohyla Izecksohni

Bokermannohyla Izecksohni
Bokermannohyla Izecksohni

Chiasmocleis Carvalhoi

Chiasmocleis Carvalhoi
Chiasmocleis Carvalhoi

Cycloramphus Acangatan

Cycloramphus Acangatan
Cycloramphus Acangatan

Hemiphractus Johnsoni

Hemiphractus Johnsoni
Hemiphractus Johnsoni

Dendrophryniscus Carvalhoi 

Dendrophryniscus Carvalhoi 
Dendrophryniscus Carvalhoi

Euparkerella tridactyla

Euparkerella Tridactyla
Euparkerella Tridactyla

As Causas da Ameaça

Os fatores responsáveis ​​pelo desaparecimento de anfíbios são múltiplos: destruição ou modificação de habitats, poluição do meio ambiente (incluindo o uso de pesticidas e fertilizantes, mas também os subprodutos da indústria), introdução de espécies exógenas.

Mas duas causas principais se destacam e parecem ser responsáveis ​​pela magnitude do declínio atual: uma doença infecciosa chamada quitridiomicose, causada pelo fungo Batrachochydium dendrobatidis , e a mudança climática.

A quitridiomicose foi descoberta em 2001 na Serra Nevada. Esta doença causa estragos em populações de anfíbios. Felizmente, parece ser relativamente fácil livrar as rãs deste fungo usando fungicidas usuais, mas é um empreendimento gigantesco. Muitos incógnitos permanecem em torno desta praga para salvar anfíbios: identificar o vetor da doença e entender como a morte é causada.

As mudanças climáticas e seus efeitos associados, variações extremas de temperatura e precipitação, também são invocadas, embora nenhuma correlação estrita tenha sido demonstrada. No entanto, a ciência está mudando rapidamente.

O Clima e os Anfíbios

As flutuações climáticas resultantes do fenômeno El Niño acompanham a evolução do desaparecimento de anfíbios. Variações regionais de temperatura são particularmente responsáveis ​​pelas perdas observadas.

De fato, parece que as variações de temperatura agem reduzindo a resistência imune dos anfíbios ao fungo patogênico. Variações na temperatura do clima podem, portanto, influenciar fortemente o risco de extinção de animais de sangue frio, particularmente para espécies que vivem em habitats restritos devido à sua adaptabilidade limitada.

As flutuações de temperatura podem alterar as defesas imunológicas dos animais de sangue frio, criando assim uma ligação entre a mudança climática e a disseminação de doenças. O primeiro pode, portanto, exacerbar o desaparecimento de espécies.

Em qualquer caso, a situação é extremamente alarmante para os anfíbios. Os cientistas, que geralmente são mesquinhos com comentários pessoais em suas publicações, nos advertem que temos pouco tempo para salvar os anfíbios.

Veja também

Animais Exóticos da Austrália

A Austrália é um país rico nos mais diversos âmbitos e sentidos da palavra. Nele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *