Home / Animais / Porque o Leopardo de Amur Está em Extinção?

Porque o Leopardo de Amur Está em Extinção?

Informações Gerais

Ele pode ser também conhecido como leopardo-siberiano e leopardo-do-extremo-oriente, porém, seu nome científico é Panthera pardus orientalis. A população restante dessa subespécie vive na Rússia, mais especificamente na província de Primorsky Krai perto da fronteira com a China, onde também existem alguns poucos exemplares.

É extremamente importante entender um pouco mais sobre essa subespécie e também os detalhes que a levaram a um estado de extinção muito avançado, já que nos dias atuais existem apenas 103 exemplares no mundo inteiro.

Neste artigo iremos fazer uma breve introdução sobre o leopardo-de-amur para entender um pouco mais sobre essa subespécie e depois explicaremos detalhadamente o seu processo de extinção até os dias atuais.

Leopardo de Amur
Leopardo de Amur

Classificação Taxonômica

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Panthera
Espécie: Panthera pardus
Subespécie: Panthera pardus orientalis

Características Físicas

Eles são diferentes das outras subespécies do leopardo porque são mais peludos e possuem pernas mais grossas, já que o clima onde vivem é muito mais frio. Além disso, suas rosetas (manchas presentes no pelo) são maiores e mais longe uma da outra.

A cor do seu pelo no verão é laranja enquanto no inverno é em tom de creme, podendo atingir até 7 centímetros de espessura; os machos dessa espécie são maiores do que as fêmeas e podem pesar até 70 quilos.

Hábitos

Geralmente, quando leopardos e tigres vivem no mesmo território existe muita briga por conta de alimentação, ou seja, ambos os animais querem as mesmas presas e essa competição acaba gerando uma escassez de alimentos.

O leopardo-de-amur vive na mesma área do tigre siberiano, porém, ele evita habitar ou caçar em áreas muito próximas do tigre para que não exista uma competição entre os dois. Uma curiosidade é que ele vive muito mais tempo em cativeiro do que na natureza.

Tigre Siberiano
Tigre Siberiano

Ele também segue a tendência de todos os outros leopardos: ele é um animal solitário, caça durante a noite e leva suas presas para as árvores para proteger seu alimento; se alimenta principalmente de cervos, lebres e alguns outros roedores.

A Extinção

O estado de conservação da espécie está em risco por conta de diversas ameaças humanas e também naturais que fazem parte da rotina do leopardo-de-amur, porém, nem tudo está perdido já que o governo russo possui algumas ideias para reintrodução da espécie na natureza e algumas melhorias também foram vistas no ano de 2018.

E é desse assunto extremamente importante que trataremos agora: o risco eminente de extinção do leopardo-de-amur.

Estado de Conservação

Conforme a classificação da IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza) o leopardo-de-amur se encontra na categoria CR, isso significa que existem menos de 250 exemplares na natureza e que o próximo passo caso nenhuma providência seja tomada é a extinção, essa situação categoriza um estado de perigo crítico.

Apesar desses números desanimadores na última vez em que a WWF (em português,   Fundo Mundial para a Natureza) fez uma contagem, foram encontrados 12 exemplares da subespécie em uma área em que existiam apenas 7 anteriormente, isso mostra um pequeno desenvolvimento da espécie.

Quais Fatores Ameaçam a Extinção do Leopardo-de-Amur?

Os fatores que cooperam com a extinção do leopardo-de-amur podem ser desde causados por seres humanos como a caça ilegal até naturais como a sobrevivência concomitante a outros animais portadores de doenças e a competição por território com o tigre siberiano.

Tigres e leopardos possuem praticamente as mesmas características e hábitos, portanto, ao viver em um mesmo território eles tendem a competir por alimento e domínio da área; por conta disso muitos leopardos morreram ao longo dos anos ao entrar em conflitos com tigres.

Além do conflito direto, a sobrevivência perto do tigre pode causar a escassez de alimento durante o inverno, o que resulta em morte por inanição já que o tigre pode ter pego todo alimento que estava disponível naquela época em específico.

Para tentar resolver essa situação, instintivamente o leopardo-de-amur tende a viver um pouco mais afastado do tigre, ou seja, na mesma área mas um pouco mais longe do que seria o normal.

  • Caça ilegal
    Caçador de Leopardo
    Caçador de Leopardo

Porém, a principal ameaça a sua sobrevivência é causada pelos seres humanos. A caça ilegal. A pele do leopardo-de-amur é espessa e muito diferente da pele dos outros leopardos, por isso é muito cobiçada entre os caçadores que a vendem ilegalmente por valores astronômicos.

Esses leopardos também são causados por moradores locais que não possuem licença de caça e muito menos de arma, portanto, a atividade é considerada ainda mais ilegal. Eles são caçados principalmente por russos e existem rumores de que existe um tráfico de pele de leopardo para a China, mas nada foi comprovado ainda.

A caça é a principal culpada da extinção da espécie, porém, as autoridades não conseguem controlá-la de forma eficaz, especialmente no inverno quando o frio é extremamente rigoroso na Rússia.

  • Causas Endêmicas

Apesar da ação humana ter acelerado o processo de extinção do leopardo-de-amur, provavelmente a sua possível extinção ocorreria de qualquer forma ao longo dos anos, já que está ocorrendo uma degeneração genética na espécie.

Essa degeneração ocorre por conta da falta de variabilidade genética nos novos filhotes e esse nível de diversidade baixo impede a espécie de produzir descendentes férteis, a variabilidade genética é extremamente importante para que ocorra a seleção natural e uma reprodução eficaz.

Além disso é a variabilidade genética que definirá quantos exemplares da espécie morrerão com uma doença específica, por exemplo. Portanto, a espécie está em alto risco de extinção também por conta da falta dessa variabilidade.

A Reintegração do Leopardo-de-Amur

Em 2018 foram encontrados pela primeira vez em mais de uma década mais de 100 exemplares da espécie na natureza; foram encontrados 103 exemplares do leopardo-de-amur vivos este ano e esses são números muito positivos na situação crítica atual.

Apesar dos números terem aumentado, a subespécie ainda está muito longe de sair da categoria CR e por conta disso o governo russo está buscando medidas para reintegrar a espécie na natureza como por exemplo importar leopardos novos de Amur e criar um habitat seguro e adequado para eles.

O que podemos fazer é ir contra a caça ilegal e esperar que esse processo de reintegração dê; certo pelos números desse ano já é possível ver que pelo menos a população não diminuiu, portanto já é algo positivo em meio a uma situação tão triste.

Se interessou por esse animal e quer saber mais sobre ele? Leia também sobre o Habitat do Leopardo de Amur

Veja também

Quilópodes: Representantes

As lacraias são os mais conhecidos e populares representantes dos Quilópodes. E os Quilópodes são …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *