Home / Animais / Onde Os Diplópodes Vivem?

Onde Os Diplópodes Vivem?

Os diplópodes podem ser uma praga ocasional, reunindo-se em torno de vidraças e em porões, em qualer estação do ano, mesmo no inverno. Eles podem ser uma preocupação para os proprietários em grande número, mas eles não podem picar ou morder você.

Resumo sobre Diplópodes

Diplópodes são aqueles longos insetos negros com o que parece ser um milhão de pequenas pernas que você vê rastejando nas janelas do seu quarto e que se enroscam em uma bola apertada quando ameaçadas. Eles não vão morder você, mas podem emitir um líquido fedorento que pode irritar seus olhos ou sua pele. Embora não sejam prejudiciais à sua família, podem ser um incômodo em grande número. Conheça alguns fatos de diplópodes para ajudá-lo a entender melhor essas criaturas de muitas pernas.

Embora possam se assemelhar a outras espécies de mil patas, os diplópodes, na verdade, são invertebrados com um exoesqueleto, um corpo segmentado e apêndices articulados. Diplópodes são algumas das criaturas mais antigas a andar em terra. Um fóssil em particular remonta a 420 milhões de anos e foi nomeado Pnueumodesmus newmani pela pessoa que o descobriu.

Diplópodes amam espaços úmidos porque eles exigem umidade para viver. É por isso que você vai encontrá-los principalmente em torno de seus espaços de rastreamento, porões úmidos, adegas, frestas de portas e janelas ou basculantes, no caso de encontrá-los dentro de sua casa. Os diplópodes preferem muito o ar livre, construindo suas casas com palha, composto, pedras e pilhas de folhas.

Embora a casa natural de um diplópode não esteja dentro de sua casa, você pode encontrá-los por lá se cair longos períodos de chuva ou seca. Mas eles não estarão lá por muito tempo. Como os diplópodes requerem níveis de umidade elevados, eles geralmente morrem dentro de um a dois dias dentro de uma casa. Então, se você tem uma infestação, simplesmente espere os “invasores” saírem e aspire os restos.

Onde os Diplópodes Vivem

Diplópodes são distribuídos por todos os continentes, exceto a Antártida e ocupam quase todos os habitats terrestres, estendendo a sua fronteira norte do Círculo Ártico, na Islândia, a Noruega e a Rússia Central para o sul na província de Santa Cruz, Argentina. São habitantes típicos de solos florestais, e vivem na serapilheira, a um metro de profundidade, ou debaixo de troncos apodrecidos, nas fendas da casca, debaixo de pedras, em hastes da planta, ou na copa, preferindo sempre ambientes úmidos.

Em zonas temperadas, os diplópodes são mais abundantes em florestas deciduais úmidas e pode atingir densidades de mais de 1000 indivíduos por metro quadrado. Seus habitats também incluem florestas de coníferas, desertos, cavernas e ecossistemas alpinos.

Algumas espécies podem sobreviver a inundações e em ambientes de água doce submersos por até onze meses. Algumas espécies vivem perto do mar e podem sobreviver em condições salinas até um certo nível. A maioria são noturnos com algumas espécies ativas somente em períodos úmidos, passando o resto do ano sob o solo.

A evolução morfológica dos diplópodes ocorreu em conjunto com seus hábitos de escavação e quase todos os diplópodes adotam um estilo de vida predominantemente subterrâneo. Eles usam três métodos principais de escavação como nivelamento, cunhagem e perfuração.

Diplópodes em Galho de Árvore
Diplópodes em Galho de Árvore

Membros das ordens julida, spirobolida e spirostreptida, abaixam a cabeça e penetram no substrato, usando seu colo duro, ou o pescoço para aprofundar a terra. Os diplópodes de costas planas com expansões ou excrescências nos diplosegmentos da ordem polydesmidaeles tendem a inserir sua parte frontal como uma cunha, em uma fenda horizontal, e então eles ampliam a fenda empurrando para cima com suas pernas.

O sistema de perfuração é usado por membros de chordeumatida e polyzoniidaespécies com certa elasticidade, graças ao fato de que as partes de seus diplosegmentos não são soldadas e podem exercer alguma pressão aumentando seu tamanho e têm segmentos menores na frente e maiores atrás. Eles se impulsionam para frente em uma fenda com as pernas, o corpo em forma de cunha que alarga a abertura à medida que avançam.

Alguns diplópodes adotaram um estilo de vida no chão e perderam o hábito subterrâneo. Isso pode ser porque eles são muito pequenos para ter influência suficiente para cavar, ou porque são muito grandes para fazer o esforço valer a pena, ou em alguns casos, porque eles se movem relativamente rápido e são predadores ativos.

Diplópodes Como Bichinhos de Estimação

Os diplópodes não são insetos, mas são animais de estimação invertebrados populares. Os diplópodes têm um plano corporal peculiar. Seu corpo é composto por vários segmentos, cada um desses segmentos tem dois pares de pernas. Na cabeça eles têm antenas, olhos e peças bucais. Seus aparelhos bucais são feitos para mordiscar, como em insetos, não para morder como em formigas.

Os diplópodes têm dois pares de pernas por segmento, comem material vegetal e são bastante dóceis. É diferente de centopéias como as lacraias, por exemplo, que têm só um par de pernas por segmento, são carnívoros e a maioria das espécies pode se mover muito rapidamente, além de serem agressivas e perigosas.

Diplópodes ocorrem em todos os continentes (exceto na Antártida) e quase todos os países. Eles geralmente vivem dentro ou apenas em cima do solo. As maiores espécies ocorrem nos trópicos. Em zonas temperadas, os diplópodes geralmente têm apenas 1 a 2 cm de comprimento e não são mantidos como animais de estimação.

Como Criar Diplópodes

A descrição a seguir serve geralmente para manter a maioria das espécies de diplópodes em cativeiro, mas não para todas. Então certifique-se de verificar os requisitos específicos para cada espécie específica de diplópode antes de adquirir um.

Diplópodes precisam de um terrário ou recinto seguro, à prova de fuga e grande o suficiente. O tamanho do tanque depende de quantos diplópodes você deseja manter e de seu tamanho. De um modo geral, o tanque deve ter pelo menos 3 vezes o comprimento do maior diplópode em todas as direções.

Diplópodes Enrolado no Chão
Diplópodes Enrolado no Chão

Se você tiver uma tampa no seu tanque, você pode reduzir a altura do tanque para 2x o comprimento do diplópode. Sem uma tampa, os diplópodes podem escapar mais facilmente do que você imagina, pois eles podem subir bem e podem se esticar muito longe. Se você quiser abrigar vários, certifique-se de adicionar algum espaço ao tanque.

Você precisa fornecer seus diplópodes com um bom substrato no chão do terrário e com bons esconderijos úmidos. Como substrato, você pode usar o envasamento de terra ou solo do seu jardim ou área comum. Coloque uma camada de solo no tanque com cerca de 15 cm de espessura.

Como esconderijos você pode fornecer casca de árvore, meio coco, pedras parecidas com grutas e madeira velha. Diplópodes adoram musgo para viver e se esconder. Eles também comem o musgo. Ao adicionar musgo ao seu terrário, você adicionará uma bela cor verde e, ao mesmo tempo, fornecerá aos seus novos bichinhos de estimação alimentos frescos e esconderijos.

Temperatura e umidade adequadas são cruciais para a sobrevivência de seus diplópodes. Eles geralmente gostam de ambientes úmidos, portanto, certifique-se de adicionar água suficiente ao substrato do terrário. Certifique-se de verificar a temperatura que sua espécie precisa. Geralmente 25 graus Celsius deve ser bom. Você pode fornecer essa temperatura aquecendo o tanque com uma lâmpada ou uma manta térmica.

Os diplópodes geralmente comem frutas, legumes, cogumelos, comida de gato seca e umedecida, comida de peixe umedecida, madeira apodrecida e folhas podres. Nem todas as espécies comem a mesma coisa. Algumas espécies vivem apenas de fontes alimentares específicas, como madeiras apodrecidas, enquanto outras podem viver de qualquer coisa. Você pode alimentar seus diplópodes apenas colocando a comida em cima do substrato. Se a comida estragar facilmente, como frutas e legumes, remova-a antes que ela comece a mofar ou apodrecer.

Veja também

Escorpião Preto Andando em Terras Asiáticas

Habitat do Escorpião Preto: Onde eles Vivem?

Os escorpiões, ao mesmo tempo que parecem ser animais assustadores, são seres fascinantes também. Obviamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *