Home / Animais / O Que As Corujas Comem?

O Que As Corujas Comem?

Um encontro com uma coruja é uma experiência inesquecível. Quer se trate de uma coruja fantasmagórica vagando silenciosamente sobre a paisagem ou o olhar fugaz de uma coruja no alto de um poste enquanto você dirige pela noite. Essas elegantes criaturas do alvorecer, do anoitecer e da escuridão há muito nos chamam a atenção. Mas o que essas aves de rapina comem?

A Dieta Alimentar da Coruja

As corujas são aves de rapina, o que significa que elas devem matar outros animais para sobreviver. Sua dieta inclui invertebrados (como insetos, aranhas, minhocas, caracóis e caranguejos), peixes, répteis, anfíbios, aves e pequenos mamíferos. A principal comida depende em grande parte das espécies de coruja.

Por exemplo, pequenas corujas geralmente se alimentam principalmente de insetos, enquanto as corujas medianas comem principalmente camundongos, musaranhos e ratazanas. Corujas maiores atacam lebres, raposas e pássaros até o tamanho de patos e galinhas. Algumas espécies se especializaram na pesca, como as corujas asiáticas (ketupa) e as corujas africanas (scotopelia). Mas, embora certas espécies tenham essas preferências por tipo de alimento, a maioria das corujas é oportunista, e levará qualquer presa disponível na área.

A Habilidade de Caça

As corujas geralmente têm um território de caça longe do poleiro diurno. Todas as corujas são equipadas com adaptações especiais que os tornam predadores eficientes. A visão aguçada permite que eles localizem presas mesmo em noites escuras. A audição sensível e direcional ajuda a localizar a presa escondida. Algumas espécies podem até caçar na escuridão completa usando apenas o som para guiá-los a uma morte bem-sucedida. O voo de uma coruja é silenciado por penas de asas especiais, que abafam o som do ar que corre sobre a superfície da asa. Isso permite que uma coruja caia furtivamente, pegando suas vítimas de surpresa. Também permite que a coruja escute os movimentos das presas enquanto ainda voa.

A maioria das espécies caça de um poleiro, como um galho baixo, tronco ou cerca. Eles vão esperar que a presa apareça, e se abaixa com as asas abertas, e suas garras esticadas para frente. Algumas espécies voarão ou deslizarão um pouco do poleiro antes de cair na vítima. Em alguns casos, a coruja pode simplesmente cair no alvo, abrindo as asas no último momento.

Outras espécies preferem voar, ou fazer voos de aquartelamento, fazendo a varredura do solo abaixo para uma refeição adequada. Quando um alvo é localizado, a coruja voará em direção a ele, mantendo a cabeça alinhada com ele até o último momento. É quando a coruja puxa a cabeça para trás e empurra os pés para a frente com as garras bem abertas – duas voltadas para trás e duas para frente. A força do impacto geralmente é suficiente para atordoar a presa, que é então despachada com um estalo do bico.

As corujas podem adaptar suas técnicas de caça dependendo do tipo de presa. Insetos e pássaros pequenos podem ser capturados no ar, às vezes depois de serem levados da cobertura de árvores ou arbustos pela coruja. As corujas que pegam peixes podem roçar a água, pegar peixes na mosca ou, talvez, pousar na beira da água, agarrando qualquer peixe ou crustáceo que esteja por perto. Outras espécies podem entrar na água para perseguir peixes, cobras, crustáceos ou sapos.

Uma vez capturada, a presa menor é levada na conta ou comida imediatamente. Maior presa é levada nas garras. Em tempos de abundância, as corujas podem armazenar alimentos excedentes em um ninho. Isso pode ser num buraco, em uma toca de árvore ou outros cativeiros semelhantes.

Sistema Digestivo da Coruja

Como outras aves, as corujas não podem mastigar sua comida. Presas pequenas são engolidas inteiras, enquanto presas maiores são rasgadas em pedaços menores antes de serem engolidas. Uma vez que uma coruja engolido, a comida é passada diretamente para o sistema digestivo. Agora, o estômago das aves rapineiras em geral tem duas partes:

A primeira parte é o estômago glandular ou proventrículo, que produz enzimas, ácidos e muco que iniciam o processo de digestão. A segunda parte é o estômago muscular ou a moela. Não há glândulas digestivas na moela e, em aves de rapina, serve como filtro, retendo itens insolúveis, como ossos, pêlos, dentes e penas. As partes solúveis ou moles da comida são moídas por contrações musculares e deixadas passar para o resto do sistema digestivo, que inclui o intestino delgado e grosso. O fígado e o pâncreas secretam enzimas digestivas no intestino delgado, onde o alimento é absorvido pelo corpo. No final do trato digestivo (após o intestino grosso) está a cloaca, uma área de contenção de resíduos e produtos dos sistemas digestivo e urinário. A cloaca se abre para o exterior por meio da abertura. É interessante notar que as aves (com exceção do avestruz) não têm bexiga. A excreção do respiradouro é em grande parte composta de um ácido que é a parte branca de uma queda saudável.

Várias horas depois de comer, as partes indigeríveis (pêlos, ossos, dentes e penas que ainda estão na moela) são comprimidas em um pellet da mesma forma que a moela. Esse pellet passa da moela de volta ao proventrículo. Ele permanecerá lá por até 10 horas antes de ser regurgitado. Como o pellet armazenado bloqueia parcialmente o sistema digestivo da coruja, a nova presa não pode ser engolida até que o pellet seja ejetado.

Sistema Digestivo da Coruja
Sistema Digestivo da Coruja

A regurgitação freqüentemente significa que uma coruja está pronta para comer novamente. Quando a coruja come mais do que um item de presa dentro de várias horas, os vários restos são consolidados em um único pellet.

O ciclo do pellet é regular, regurgitando os restos quando o sistema digestivo termina de extrair a nutrição dos alimentos. Isso é feito frequentemente em um poleiro favorito. Quando uma coruja está prestes a produzir uma pelota, ela terá uma expressão de dor. Os olhos estão fechados, o disco facial estreito e o pássaro relutará em voar. No momento da expulsão, o pescoço é esticado para cima e para frente, o bico é aberto e o pellet simplesmente cai sem qualquer movimento de vomitar ou cuspir.

Funcionário do Centro de Educação Ambiental Schuylkill  Alimenta Filhote de Coruja Resgatado.
Funcionário do Centro de Educação Ambiental Schuylkill  Alimenta Filhote de Coruja Resgatado.

Pelotas de coruja diferem de outras aves de rapina em que eles contêm uma maior proporção de resíduos alimentares. Isso ocorre porque os sucos digestivos de uma coruja são menos ácidos do que em outras aves de rapina. Além disso, outros raptores tendem a depenar suas presas em uma extensão muito maior do que as corujas.

Corujas Comem Outras Corujas?

Pergunta complicada de responder porque não há dados comprovados em nenhuma pesquisa no mundo indicando isso afirmativamente. Mas existem registros populares de que isso acontece sim. A mais comentada como predadora voraz de outras corujas é a bufo real (bubo bubo), com vários registros inclusive em vídeos de sua predação a outras corujas de pequeno e médio porte. Essa coruja caça até águias!

Aqui no Brasil, existem relatos também de corujas caçando outras corujas. Os registros envolvem principalmente a jacurutu (bubo virginianus) e a murucututu (pulsatrix perspicillata), duas corujas grandes e assustadoras que, pelo visto, podem ser grandes ameaças até pra outras espécies de corujas.

Veja também

Queimadura de Piolho de Cobra

A Lei da Selva Desde de que a vida surgiu no planeta Terra, há 3,5 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *