Home / Animais / Lobo Árabe Características

Lobo Árabe Características

Considerado o primo subdesenvolvido do lobo cinzento, o lobo árabe está espalhado por toda a península arábica, fragmentado em pequenos grupos isolados na Arábia Saudita, Síria, Palestina, Jordânia e talvez também em Sinai.

Canis Lupus Arabs 

Os lobos árabes são pequenos animais adaptados a vida no deserto, com comprimentos de até 70 cm no ombro e pesando em torno de 18 a 20 quilos. O comprimento craniano do lobo árabe adulto mede em média 20 cm, o que é menor que a maioria dos lobos.

Suas orelhas são proporcionalmente maiores em relação ao tamanho do corpo quando comparadas a outras subespécies do canis lupus, uma adaptação provavelmente desenvolvida para ajudar a dispersar o calor do corpo.

Lobos árabes geralmente não vivem em grandes grupos mas, em vez disso, caçam em pares ou em grupos de cerca de três ou quatro animais. As exceções nesse caso podem ocorrer no período de acasalamento, que geralmente é entre outubro a dezembro, ou quando encontram-se em um local com abundante fonte de alimentos.

Eles têm uma pelagem fina e curta, principalmente nas temporadas de verão, com uma coloração bege acinzentado, uma mistura de preto e cinza ligeiramente amarelada. Mas essa pelagem costuma ser bem densa na parte dorsal dos lobos árabes, talvez adaptada para evitar queimaduras solares.

Semelhante a outros caninos, o lobo árabe não tem glândulas sudoríparas e, portanto, deve controlar sua temperatura corporal por meio de um rápido arfar, o que causa a evaporação dos pulmões.

Características Taxonômicas

Até o início do século 20, imaginava-se o lobo árabe como uma subespécie do lobo indiano (canis lupu pallipes). Mas na década de 30 um zoólogo britânico notou as distinções morfológicas da espécie, principalmente seu crânio menos desenvolvido e seu tamanho meno, o que levou a classificá-lo como uma espécie distinta.

Foi só em 2005 porém que o lobo árabe ganhou sua classificação científica canis lupus arabes. Um estudo de 2014 sugere que, geneticamente, o lobo árabe está mais próximo de canis lupus lupus (o lobo cinzento) do que é para canis lupus pallipes.

Houve mistura com cães domésticos, mas não está claro se é por isso que esse lobo é geneticamente mais próximo do lobo cinzento. Isso levanta uma preocupação de extinção pela hibridização, pois os lobos árabes são mais adaptados à vida no deserto do que os híbridos.

Em Israel e nos territórios palestinos, há alguma discordância quanto ao status taxonômico exato dos lobos. Alguns cientistas sustentam que duas subespécies de lobo estão presentes: os lobos indianos nas partes do norte e os lobos árabes apenas no sul. Eles apontam que os lobos do sul são menores que os lobos do norte, que também são mais escuros e têm pêlos mais longos.

Outros cientistas consideram que todos os lobo na área são lobos árabes, sem distinção real entre lobos do norte e do sul. O que ocorre é que, como em outros países, há cruzamentos com cães selvagens que adicionam um elemento de incerteza.

Predador Oportunista

Os lobos árabes são principalmente carnívoros, mas também onívoros e, em algumas áreas, dependem em grande parte das sobras e dos excedentes de produtos dos humanos. Naturalmente se alimentam de lebres, roedores, pequenos ungulados, gatos, frutas doces, animais atropelados e outras carniças.

São oportunistas e adaptáveis porque, logicamente, precisam comer. Então quase todos os pequenos animais, incluindo peixes, caracóis, babuínos bebês, podem fazer parte de sua dieta. Como os lobos árabes podem atacar e comer qualquer animal doméstico até o tamanho de uma cabra, beduínos e fazendeiros não hesitarão em atirar, envenenar ou aprisioná-los.

Ameaça e Conservação

Na cultura árabe, os lobos são animais muito depreciados. Enquanto alguns tentam exaltar a inteligência, força e astúcia do animal em literaturas e outros meios de comunicação, a maioria tende a encarar a espécie como agentes satânicos, inimigos do rebanho e sedentos de sangue e discórdia. Considerando a tendência religiosa radical e intensa da região, os lobos passam por maus bocados por lá.

O lobo árabe já foi encontrado em toda a Península Arábica, mas agora vive apenas em pequenas porções no sul de Israel, sul e oeste do Iraque, Omã, Iêmen, Jordânia, Arábia Saudita e algumas partes do Sinai Península no Egito. É raro durante a maior parte do seu alcance por causa da perseguição humana.

Em Omã, as populações de lobos aumentaram devido à proibição da caça, e eles podem naturalmente se restabelecer em certos lugares dentro da região em um prazo relativamente curto.

Em Israel, entre 100 e 150 lobos árabes são encontrados em todo o Negev e no Arava. Na Arábia Saudita, o lobo é protegido em lugares e ainda existe em lugares com escassa atividade humana.

Canis Lupus Arabs Fotografado Dormindo no Deserto
Canis Lupus Arabs Fotografado Dormindo no Deserto

Em Israel, entre 100 e 150 lobos árabes são encontrados em todo o Negev e no Arava . Os Emirados Árabes Unidos e o Egito têm um programa de reprodução em cativeiro e o lobo é protegido em Omã e Israel, mas em outros lugares seu futuro é incerto.

Em alguns países árabes como Kuwait, Qatar, e o UAE, os lobos árabes já estão completamente extintos. Eles foram caçados, presos, envenenados e assassinados por todos os meios.

Os agricultores e pastores sempre sentiram uma forte animosidade em relação ao lobo porque ele ataca o gado. Os assassinatos por repreensão pelos fazendeiros ainda são praticados hoje para matar tantos lobos quanto possível. condições desérticas estão forçando os animais selvagens e domésticos para viver perto de recursos hídricos limitados.

Outra preocupação que chama atenção e pode atingir a população de lobos árabes é a raiva. Organizações conservacionistas advertem que a epidemia furiosa já atingiu a parte sudeste da Etiópia e ameaça a sobrevivência de todos os membros da família canidae em todo o mundo.

Lobo Árabe - Matilha
Lobo Árabe – Matilha

Pelo menos trinta espécimes morreram em 2003 desde que a doença eclodiu. Desde que a primeira morte foi relatada, os ecologistas isolaram os lobos afetados pela peste e iniciaram um programa de vacinação para tentar conter o surto.

Houve relatos de ocorrência da raiva em lobos árabes de Omã e Jordânia mas não foram comprovados. Suspeita-se que o boato foi divulgado como um pretexto para garantir legalidade na caça e abate da pequena população de lobos que persistem em sobreviver nesses países.

Veja também

Espécies De Cobras Em Florianópolis

As serpentes ou cobras, como são mais conhecidas aqui no Brasil, são animais pertencentes a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *