Home / Animais / Leopardo Nebuloso de Bornéu

Leopardo Nebuloso de Bornéu

Só agora, há doze anos (em 2006), que se classificou esse nebuloso como uma espécie distinta, diferente do outro nebuloso. Até então era considerados subespécies de leopardo (pantheras), classificação que também foi refutada. Hoje o leopardo nebuloso de Bornéu não é mais um leopardo, mas um jaguar.

Neofelis Diardi

Esse jaguar é uma espécie de felino ameaçado de extinção que ocorre em Bornéu e Sumatra. é um felino que atinge um comprimento de tronco da cabeça de 70 a 105 cm, um comprimento de cauda de 60 a 85 cm e um peso de 10 a 25 quilos. Os machos são geralmente maiores que as fêmeas.

O jaguar nebuloso de Bornéu tem mais dentes caninos e dentes mais grossos no maxilar superior do que o seu primo asiático. E seu esboço (as formas de seus desenhos na couraça) são menores e mais escuros e existem muitas manchas visíveis nas nebulosas. O pêlo é mais cinzento, geralmente mais escuro e tem uma linha de enguia dupla escura e contínua.

A Evolução da Taxonomia

De acordo com a análise genética dos espécimes de Neofelis nebulosa e Neofelis diardi , as duas espécies distanciaram-se há cerca de 1,5 milhões de anos depois de chegarem a terra firme de Bornéu e Sumatra a partir do continente asiático através de uma ponte de terra inundada.

A separação de Neofelis diardi em duas subespécies concorda aproximadamente com a erupção do vulcão super- Toba partida em Sumatra cerca de 75.000 anos atrás. É provável que no Pleistoceno Sunda, os jaguares nublados de Sumatra tenham sido repovoados de Bornéu e mais tarde ocorreu a dissensão por causa da maré cheia.

O zoólogo francês Georges Cuvier chamou a espécie em sua primeira descrição de 1823 ao naturalista Pierre-Médard Diard em homenagem a Felis Diardi . Cuvier descreveu a espécie com base em um desenho e um casaco que supostamente veio de Java.

Durante séculos, o jaguar de Bornéu foi considerado uma subespécie de neofelis nebulosa e denominada neofelis nebulosa diardi. Porém, artigos publicados há doze anos atrás, reclassificaram e redefiniram as duas espécies. Neofelis nebulosa refere-se às espécies nativas do continente asiático, uma vez que o neofelis diardi é o indígena das espécies do Arquipélago Malaio.

Leopardo Nebuloso de Bornéu em Cativeiro
Leopardo Nebuloso de Bornéu em Cativeiro

Dois anos depois, em 2008, estudos de DNA, padrões de pele e a morfologia dos crânios, dos maxilares e dentição revelou que o jaguar de Bornéu e o leopardo nebuloso asiático diferem também do gênero panthera, como espécies distintos.

Propagação e Habitat

Neofelis diardi são susceptíveis de ocorrer apenas em Bornéu e Sumatra. Em Bornéu, sobrevivem especificamente na floresta tropical em altitude de menor densidade e inferior a 1500 metros, ou em região florestal desbastada. Em Sumatra,  possuem maior população de indivíduos nas montanhas.

Entre março e agosto de 2005, a população do jaguar nebuloso de Bornéu na Reserva Tabin Game em Sabah foi examinada. De acordo com a análise de suas diferentes trilhas, cinco indivíduos vivem na área de 56 km² do estudo, com uma densidade estimada de oito a 17 indivíduos por 100 km². Eles usam principalmente as árvores tanto como locais de descanso acima do solo, como também como local de tocaia e armazenamento de presas.

Leopardo Nebuloso de Bornéu Andando na Floresta
Leopardo Nebuloso de Bornéu Andando na Floresta

Aproximadamente que exista cerca de 1.500 a 3.200 jaguar nebuloso de Bornéu em Sabah, dos quais apenas entre 300 e 600 estão vivendo em áreas totalmente protegidas. Essas reservas não parecem possuir espaço suficiente pra acolher mais do que isso para acolhimento adequado de um indivíduo por metro quadrado.

Em 2008, em uma área florestal comercial no nordeste de Sabah, apenas dois jaguares em 112 km² foram detectados com armadilhas fotográficas em sete meses. A densidade da população nas florestas madeireiras é muito menor do que nas áreas protegidas. Pouco se sabe sobre as exigências do jaguar nebuloso de Bornéu em seu habitat.

Em Sumatra, provavelmente, estima-se que menos de dois jaguares nebulosos se movimentem por cada 100 km². A densidade muito menor em comparação com Bornéu é explicada pelo fato de que eles se misturem aos tigres em Sumatra, enquanto em Bornéu eles são os maiores felinos.

Os Hábitos e a Reprodução

Leopardo Nebuloso de Bornéu - Filhotes
Leopardo Nebuloso de Bornéu – Filhotes

O jaguar nebuloso de Bornéu é principalmente noturno e provavelmente um solitário. Fora da época de acasalamento, o único relacionamento de longo prazo é entre a fêmea e seus filhotes. A cauda longa, espessa do jaguar nebuloso de Bornéu e as grandes patas e pernas curtas sugerem que ele está muito bem adaptado à vida arbórea.

Todos esses hábitos tem sido um pouco diferentes principalmente em Bornéu, onde há escassez de outros carnívoros competidores ao jaguar. Por isso, nessas terras o jaguar nebuloso de Bornéu tem sido visto em atividades diurnas também e, na maioria dos avistamentos em Bornéu, o jaguar foi mais encontrado no chão e não em árvores.

A dieta consiste de vários vertebrados, incluindo porcos-espinhos, peixes, aves, paradoxus, porcos barbado, primatas langures, orangotangos, cervos rato, cervos latidores e cervo sambar.

Os dados sobre a reprodução só estão disponíveis em animais sob cuidados humanos. O período de gestação varia entre 85 e 109 dias, em média entre 86 e 93 dias. A fêmea dá à luz de um a cinco filhotes, mas os mais comuns são ninhadas de dois a três filhotes. Os felinos filhotes comem comida sólida depois de sete a dez semanas. Eles são amamentados entre 11 a 14 semanas. O jaguar nebuloso de Bornéu atinge a maturidade sexual após 20 ou 30 meses.

Status de Conservação

A principal ameaça à existência do jaguar nebuloso de Bornéu é o desmatamento devido à colheita de madeira e ao plantio de dendê. Acima de tudo, em Bornéu, o desmatamento é um grande problema, tanto em termos de perda total de área do biótopo quanto de sua fragmentação. Isso resulta na distribuição de populações individuais e, portanto, na redução da variabilidade genética com todas as conseqüências negativas resultantes (por exemplo, maior suscetibilidade a doenças).

O segundo grande problema é a caça furtiva. E não estamos falando apenas da caça direta ao jaguar (que em si mesmo é vítima da caça predatória de seu couro e a subsequente venda de partes de seus corpos), mas o efeito negativo é também a extensa caça de vários outros animais, que acabam por vitimizar também o leopardo em sua dieta. Cerca de metade dos animais que compõem a dieta do jaguar são classificadas pela IUCN como “vulneráveis” ou “ameaçadas de extinção”.

O próprio jaguar (ambos os neofelis) são listados como vulneráveis ou ameaçados de extinção, o que significa que o comércio com eles só é possível sob condições muito específicas. Em todas as áreas de sua ocorrência, o jaguar nebuloso de Bornéu está oficialmente sob a proteção total das autoridades.

Veja também

Escorpião Preto Andando em Terras Asiáticas

Habitat do Escorpião Preto: Onde eles Vivem?

Os escorpiões, ao mesmo tempo que parecem ser animais assustadores, são seres fascinantes também. Obviamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *