Home / Animais / Leopardo de Zanzibar Características

Leopardo de Zanzibar Características

Panthera pardus adersi, o leopardo de Zanzibar. Já tem é tempo que ninguém vê mais dessa subespécie pela sua região da ilha. Uns boatos aqui e ali de aldeões mas oficialmente esse leopardo já sumiu no tempo…

Supertição Mortal

As descrições do leopardo de Zanzibar e seus hábitos, transmitidos pelos camponeses de Zanzibar, caracterizam sua forte crença de que muitos desses predadores estão associados às bruxas e enviados para prejudicar ou oprimir os camponeses de uma maneira diferente.

Essa crença inclui a idéia de que leopardos são criados, treinados, vendidos e enviados para fazer más ações a mando de seus feiticeiros. Para os agricultores locais, essas histórias são uma explicação da predação de leopardos e suas aparências “inapropriadas” nas proximidades de fazendas e aldeias.

Leopardo de Zanzibar Características
Leopardo de Zanzibar Características

O crescimento da população humana e da agricultura no século 20 está amplamente relacionado a esse estado de coisas, pois as pessoas atacaram o habitat de leopardos e animais que caçam. A escalada do conflito com os leopardos e o medo desses animais levaram a uma série de campanhas para o seu extermínio.

A princípio, esse extermínio foi periódico por natureza, mas depois que o governo republicano (e depois unificado da Tanzânia) se estabeleceu em toda a ilha após a revolução de Zanzibar em 1964, uma campanha “única” contra bruxaria e leopardos foi lançada sob a orientação do mais famoso caçador de bruxas de Unguja, Kitanzi.

O “conflito” entre pessoas e leopardos na ilha intensificou-se consideravelmente, como resultado de sua imagem demonizada, e o leopardo tornou-se, indefeso, alvo de extermínio desarrazoada e desenfreado. Essa campanha de longo prazo, acompanhada pelo extermínio em massa de leopardos e a subseqüente classificação deles como “parasitas” os levou a beira da extinção.

Posteriormente, alguns esforços foram feitos para salvar a população sob um programa especial, mas em meados da década de 1990 ela foi interrompida após os pesquisadores concluírem que havia poucas chances de o animal sobreviver a longo prazo. O último registro científico com o leopardo de Zanzibar ocorreu no início dos anos 80. Desde então, não houve nenhum caso de sua observação confiável.

O Indefeso Leopardo

A biologia e o comportamento do leopardo de Zanzibar são pouco estudados. Apenas seis dos seus esqueletos foram colocados em museus do mundo em vários momentos, incluindo um tipo de espécime no Museu de História Natural de Londres e uma cópia significativamente desbotada do Museu de Zanzibar.

Museu de Zanzibar
Museu de Zanzibar

O leopardo de Zanzibar nunca foi estudado na natureza, e a última vez que os pesquisadores afirmaram na imprensa que o viram foi no início dos anos 80. A maioria dos zoólogos considera o leopardo de Zanzibar extinto ou praticamente extinto.

No entanto, estatísticas do governo de Zanzibar mostram que o leopardo ainda foi morto por caçadores em meados da década de 1990, e os ilhéus ainda continuam relatando suas observações e predações na criação de animais.

Acredita-se que o leopardo de Zanzibar tenha se desenvolvido isoladamente do leopardo africano, pelo menos desde o final da última era glacial, quando a ilha foi separada do continente da moderna Tanzânia devido à elevação do nível do mar.

O efeito fundador e a adaptação às condições locais levaram a um tamanho menor do que o de seu parente continental e mudanças na estrutura de seus pontos: mais rosetas se transformaram em pontos, de modo que o leopardo de Zanzibar parece mais irregular, mas as manchas são significativamente menores.

Preocupação Tardia e Esperança

O Extinto Leopardo de Zanzibar
O Extinto Leopardo de Zanzibar

Atenção séria à posição do leopardo de Zanzibar só foi iniciada em meados da década de 1990, quando alguns pesquisadores já o incluíam na lista de animais extintos. O Programa de Conservação do Leopardo foi preparado pelo Projeto de Conservação da Baía de Jozani-Chwaka, financiado pela CARE, mas foi cancelado em 1997, quando os pesquisadores da fauna silvestre não puderam encontrar evidências da continuação da existência do leopardo na floresta de Jozani.

Oficiais da vida selvagem local, no entanto, permaneceram mais otimistas sobre a possibilidade de sobrevivência do leopardo, e alguns zanzibarianos sugeriram que os supostos “guardiões” do leopardo vieram à ilha para mostrar-lhes onde viviam por dinheiro. Os aldeões às vezes até oferecem aos turistas e pesquisadores para verem leopardos “domesticados” em troca de dinheiro, mas até agora nenhum desses “leopardos salvos” foi visto pelos cientistas.

Essas informações contraditórias sobre o status do leopardo de Zanzibar e a possibilidade de sua preservação ainda não foram coordenadas, representando um dilema entre os pesquisadores.

Em 2018, uma armadilha fotográfica, colocada para um show do Animal Planet chamado Extinct or Alive , capturou imagens aparentes de um leopardo na Ilha Unguja. O leopardo parecia menor que os leopardos do continente, e parecia ter manchas menores e mais sólidas do que as normalmente vistas em leopardos africanos. Investigações adicionais são planejadas para confirmar se é ou não um leopardo de Zanzibar e se ainda existe uma população viável.

Zanzibar, Tanzânia

Zanzibar é um arquipélago na costa da Tanzânia. A ilha se estende ao longo de 90 km do sul ao norte, e tem 30 km de largura a partir da costa leste a oeste, tem uma beleza natural muito bonita e é um destino turístico para relaxar e apreciar a vista azul e limpa do mar.

A Tanzânia é um país do hemisfério oriental do continente africano, famoso por suas belezas naturais e praias como o Monte Kilimanjaro, o Parque Nacional Serengeti e Zanzibar.

O nome da Tanzânia vem das palavras Tanganyika e Zanzibar, que sinalizaram a união de duas regiões em 1963. A capital da Tanzânia está em Dodoma, com Dar es Salaam como um centro de negócios muito dinâmico e existe há centenas de anos.

A Tanzânia foi uma antiga colônia da Alemanha e da Inglaterra até que finalmente se tornou independente em 1962.

A Tanzânia faz fronteira com o Quênia e Uganda no norte; Ruanda, Burundi e República Democrática do Congo a oeste; Zâmbia, Malawi e Moçambique no sul; e o Oceano Índico no leste.

A Tanzânia tem uma população de 55,57 milhões, sendo a língua materna o suaíli. O inglês também é frequentemente usado como uma linguagem formal pelas agências governamentais da Tanzânia. Para visitar a Tanzânia é necessário um passaporte que ainda seja válido por pelo menos seis meses no momento da partida.

Veja também

Animais Exóticos da Austrália

A Austrália é um país rico nos mais diversos âmbitos e sentidos da palavra. Nele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *