Home / Animais / Leopardo de Amur Preto

Leopardo de Amur Preto

O leopardo de Amur é o felino mais raro do mundo! Ele costumava ser difundido. Você poderia encontrá-lo no leste da Sibéria entre a Coréia do Norte e a Tundra Russa, hoje ela só pode ser encontrada ao ar livre no rio Amur. Lá vivem cerca de 50 animais, os únicos leopardos de vida livre de Amur em todo o mundo! Hoje, cerca de 200 desses animais raros vivem em zoológicos.

A Pantera Negra do Parque

O primeiro leopardo de Amur negro nasceu da fêmea Ilka (que também nasceu no parque em 2004). O pantera negra nasceu em 2010 sob circunstâncias dramáticas. Chamado de Paulchen, era um leopardo era significativamente mais fraco do que sua irmã, que o mantinha longe das tetas da mãe, de modo que o pequeno pantera prretinho teve que ser infelizmente separado da mãe.

Paulchen teve de viver com pais adotivos, onde adotou pra si como uma irmã uma coelhinha (chamada Lisa) e só retornou ao reservado do parque em 2011. A readaptação foi complicada. Paulchen ficou dois dias sem comer e nem dormir, e ficava visivelmente nervoso com a presença de sua verdadeira imã pantera (Susan). A falta da companhia da coelhinha e de sua tratadora humana o afetou por um tempo, mas logo ele recuperou a fome e mostrou sua superioridade sobre a verdadeira irmã no reservado. Sua antiga tratadora humana, sra Hanza e sua irmão coelhinha adotiva, vão visitá-lo de vez em quando.

Em dezembro de 2013, a pantera Ilka, a mãe de Paulchen voltou a ter uma segunda ninhada de filhotes, mais uma vez um casal e mais uma vez um macho negro. Este pequeno não teve as mesmas dificuldades de seu irmão. Convive bem entre todos, inclusive com Paulchen e com o pai de todos eles.

O pantera Kater Kutno é o pai de todos esses filhotes. O curioso é que nem o sr Kate e nem a sra Ilka são leopardos negros.

Leopardo de Amur Preto

O leopardo de Amur é a subespécie mais ao norte do leopardo e extremamente ameaçada de extinção. Na natureza vivem apenas 49 leopardos de Amur. Em todo o mundo, apenas 4 a 6 animais nascem a cada ano em zoológicos. O estoque atual de leopardos de Amur negros não é detectável, mas pela última informação estima-se cerca de 5 animais. Leopardos adultos de Amur pesam entre 25 e 50 quilos, sendo os machos mais pesados ​​que as fêmeas e com até 15 anos de idade. Seu comprimento do corpo é de 140 cm e a altura do ombro 75 cm. Ao nascer, pesam cerca de 500 gramas e 25 a 35 cm de comprimento. Após cerca de 10 dias eles abrem os olhos e são amamentados por 3 meses pela mãe.

Com exceção do rio Amur, na Sibéria, esse felino vive em áreas da China e da Coréia do Norte. Ele é considerado um alpinista habilidoso e também pode usar sua cauda. A situação extrema de ameaça para esta espécie surgiu entre outras através de uma caça intensiva. Seu casaco maravilhoso e denso é muito procurado pelos caçadores. Seus órgãos internos são usados ​​na medicina asiática.

O Parque Serengeti foi dedicado à criação e reprodução deste grande felino extremamente raro durante 10 anos, um total de 13 animais jovens nasceram aqui até 2015. A herança da coloração negra do pêlo é muito rara, talvez esteja presente em 5 a 7% dos leopardos de uma população. No entanto, visualmente obscurecida, é muito mais comum em leopardos do que ver “pontos negros” porque é herdada de forma recessiva, isto é, dominada pelo gene do ponto normal de um pai. Panteras negras só existem quando a cor preta é dobrada, tanto pela mãe quanto pelo pai, para o filhote “no berço”.

Porque Surgem os Leopardos Negros?

Tão distintivos são esses leopardos negros que os indígenas tradicionalmente achavam que eram uma espécie diferente. Estes leopardos inteiramente pretos são sabidos mais geralmente como panteras pretas. Desde a década de 1960, tem sido considerado por alguns politicamente incorreto chamar qualquer gato preto de pantera negra, devido a ligações com partidos políticos, criminosos.

Pantera Negra é, confusamente, o nome comum para leopardos melanísticos e onças melanísticas. A diferenciação é surpreendentemente fácil. As onças só são encontradas na natureza nas Américas, e os leopardos nunca são encontrados em estado selvagem nas Américas. Assim, um felino preto grande observado em qualquer lugar na natureza fora das Américas é um leopardo melanístico, e um grande felino preto observado dentro das Américas é um jaguar.

Nos leopardos, a aparência preta é causada por um alelo recessivo. Os alelos são formas diferentes de um gene – assim, por exemplo, em humanos, o gene da cor dos olhos tem um alelo azul e um alelo marrom. Como o alelo de todas as peles negras é um alelo recessivo em leopardos, para um leopardo ter pêlo preto em todo o corpo, ele precisa herdar o gene de ambos os pais.

Leopardos pintados podem produzir filhotes pretos, porque ambos os pais podem carregar o gene sem exibi-lo, o alelo para peles malhadas é dominante sobre o alelo para peles negras. Se dois leopardos pretos se acasalarem, eles sempre produzirão filhotes pretos. Se um negro e um malhado leopardo se acasalarem, então os filhotes negros só terão uma chance de ocorrer se o leopardo malhado carregar silenciosamente o alelo para pêlo preto.

Embora os leopardos melanísticos pareçam estar completamente pretos sem rosetas, uma inspeção atenta revela que as marcas ainda estão lá, elas estão bem escondidas porque o resto das peles também é preto. O padrão fraco é conhecido como “striping fantasma”.

Existe Alguma Outra Explicação?

Existem outras teorias que podem explicar por que os leopardos melanísticos são comuns em algumas áreas, teorias mais complicadas do que a camuflagem. Essas teorias são particularmente pertinentes aos leopardos malaios, onde a pele negra é a norma. Ser capaz de se esconder é incrivelmente importante para a sobrevivência de um leopardo.

Mas outras coisas também são, como lutar contra as doenças. Os cientistas descobriram uma ligação entre a cor da pele e a eficácia do sistema imunológico (os processos em todos os organismos vivos que impedem que ela adoeça). Assim, pode ser que durante um surto de doença em algum momento no passado, o pêlo preto surgiu como uma resposta à doença.

Ou pode ser que a teoria da camuflagem mais simples esteja correta. A única coisa que realmente sabemos com alguma certeza é que os leopardos que chegaram na Malásia por volta de 150.000 anos atrás, foram vistos assim como os gatos africanos originais. Então, com o tempo, o pêlo preto teria se desenvolvido e, eventualmente, se tornara mais comum. Mas a verdade por trás dos leopardos melanísticos é tão misteriosa quanto os próprios leopardos.

Leopardo e Pantera Negra
Leopardo e Pantera Negra

Como seres humanos, somos insaciavelmente curiosos sobre essas misteriosas criaturas melanisticas, e assim elas são uma das formas mais comuns de grandes felinos negros em cativeiro. Os gatos pretos em cativeiro são mais temperamentais do que seus equivalentes pintados, e as mães rejeitam com mais frequência seus filhotes.

Embora tenha sido alegado que isso é por causa de sua cor preta, na verdade é uma resposta à endogamia. Na tentativa de garantir filhotes com pêlo preto, no passado os zoológicos criavam membros próximos da família, o que resultava em mau temperamento e uma maior probabilidade de as mães rejeitarem seus filhotes.

Veja também

Caça Esportiva de Javali

Como Caçar Javali Legalmente?

Por quase três décadas, porcos selvagens invasivos estão se espalhando por todo o Brasil, arrancando …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *