Home / Animais / Foca Comum Características

Foca Comum Características

A melhor característica da foca comum, talvez a mais engraçada, é seu comportamento na beira do mar. Quando a água sobe, a foca assume uma posição típica de arco ou banana, cabeça e barbatanas fora da água, a fim de ficar em contato com o banco de areia e atrasar o seu deslocamento máximo devido à maré. Testemunhar essa cena é hilário.

A Espécie e Subespécies

A expectativa de vida pode chegar a 25 anos para o masculino e 35 anos para o feminino, com variações importantes de acordo com as zonas de vida e as subpopulações ou subespécies. Pertencem a família phocidae e existem cinco subespécies da foca comum:

Phoca vitulina concolor, que vive nas costas islandesas do leste da Groenlândia e leste da América do Norte (do Canadá para os Estados Unidos).

Phoca vitulina richardii, que vive em frente à costa do Pacífico da América do Norte (do Alasca ao México).

Phoca vitulina stejnegeri, que freqüenta as costas ocidentais do Oceano Pacífico ( Ilhas Curilas, Kamchatka, Japão, etc).

Phoca vitulina vitulina, que freqüenta apenas a costa da Europa Atlântica, de Portugal ao Mar de Barents, ao norte.

Phoca vitulina mellonae, que é uma das poucas focas de água doce. Esta subespécie é endêmica ao Lacs des Loups Marins e está criticamente ameaçada de extinção.

Características Físicas da Foca

O macho tem 160 a 190 cm de comprimento e pesa entre 80 e 170 kg. A fêmea mede 160 a 170 cm para um peso de 60 a 145 kg. A coloração da espécie vai de cinzenta a castanho claro, mais ou menos manchado. Tem cabeça arredondada com um corte claro entre a testa e o focinho, e narinas em forma de “V”.

Nada escapa desse danado no mar, graças aos seus bigodes ou vibrissas. Estes saem dos folículos, cavidades celulares contendo cerca de dez vezes mais terminações nervosas do que as dos bigodes de um rato. De acordo com um especialista em biologia sensorial, as vibrissas da foca se adaptaram ao longo de mais de 25 milhões de anos para ler as menores mudanças nos movimentos da água.

Casal de Foca
Casal de Foca

As focas podem detectar traços de um objeto em águas calmas, mesmo trinta segundos após sua passagem. Testes revelaram que eles também distinguiam formas e tamanhos usando apenas seus bigodes.

Característica de sua Dieta

Quando filhote, a foca é alimentado com o leite de sua mãe, que é muito rico. Já a dieta de adultos é oportunista e varia com a estação, a abundância de presas e a facilidade com que são capturados.

É principalmente peixe, consumindo diariamente cerca de 2 kg de peixe (arenque, robalo, anchova, pescada, bacalhau, solha, linguado, salmão, bacalhau, etc). Mas também come voluntariamente crustáceos tipo camarão, cefalópodes tipo lulas ou moluscos. Destes consome até cerca de 4 kg diários, quando presas são abundantes, para indivíduos grandes.

Mergulha facilmente até 20 metros e, se necessário, a mais de 50 m de fundo, com apneias com duração média de três minutos, mas até 10 minutos . Ele não mastiga sua comida, mas pode destruí-la se a presa for muito grande e volumosa para sua boca e garganta e se for potencialmente difícil de digerir.

Caracterizando a Reprodução

A maturidade sexual da foca é atingida em torno de 4 a 7 anos para os machos e mais cedo (cerca de 3 a 6 anos) para as fêmeas. Parece eficaz para a fêmea quando excede 50 kg e para o macho quando excede 75 kg. O acasalamento ocorre na água, um macho pode acasalar com várias fêmeas.

A estação do amor é dupla: primavera e início do outono. A fêmea pode diferir em dois meses a partir da implantação do embrião. A gestação dura cerca de 9,5 meses, às vezes 11 meses devido a implante tardio.

Geralmente, há apenas um pequeno (excepcionalmente dois), que nasce pesando entre 9 a 13 kg (média de 11 kg) e medindo entre 70 a 90 cm. Os filhotes podem nadar e mergulhar algumas horas após o parto, o que é feito sempre na praia. O macho não participa do cuidado parental. A amamentação dura de 3 a 4 semanas.

Distribuição e Habitat

Esta foca, outrora “comum” como o próprio nome sugere, ainda está presente nas águas costeiras dos oceanos do hemisfério norte (Atlântico e Pacífico). Ela vive na plataforma continental que explora na maré alta em busca de peixes ou outros organismos que consome. E ela gosta de descansar na maré baixa nas margens ou nos estuários. Às vezes é visto em portos e alguns indivíduos podem explorar a montante de alguns rios.

A foca comum também pode ser observadas regularmente em certas praias do norte e noroeste da França, que é considerado sua principal área de reprodução. No geral, a população de focas é estimada em 315 000 indivíduos. A IUCN as classifica com o status de “Perigo”. No entanto, o status de algumas subespécies, particularmente phoca vitullina mellonae, já pode ser considerado como criticamente ameaçado.

Mãe e Filhote de Foca Comum na Beira da Praia
Mãe e Filhote de Foca Comum na Beira da Praia

Enquanto a população não é ameaçada como um todo, as populações da Groenlândia, Hokkaido e Mar Báltico são exceções. Populações locais foram reduzidas ou eliminadas através de doenças (especialmente o vírus da cinomose) e conflitos com seres humanos, intencionalmente e não intencionalmente.

Além da pesca predatória e da caça legal ou ilegal às focas, essas criaturas tem sido vítimas também da poluição, dos predadores naturais como o grande tubarão branco e de epidemias ou surtos nocivos à sua saúde.

Males com Patologias

Uma pesquisa científica importante sobre a incidência e transmissão de doenças nas focas em seu habitat natural, incluindo uma análise do herpesvírus “focina”, foi realizada no início dos anos 80. Em 2002, uma epidemia de focina surgiu, causando doença viral em focas do norte da Europa, e levando a uma mortalidade significativa naquela região.

Um novo agente causador de doenças infecciosas surgiu em 2000 pouco após o aparecimento do chamado vírus do oeste do Nilo, um vírus causado por mosquito, causando pneumonia, encefalite e pancreatite em focas, e levou mais de 10.000 focas a morte.

Na Baía de São Francisco nos EUA, algumas focas manchadas com uma coloração parcial ou completamente avermelhada. Isso pode ter sido causado por uma acumulação de oligoelementos, como ferro ou selênio no oceano ou uma mudança no folículo piloso.

Veja também

Queimadura de Piolho de Cobra

A Lei da Selva Desde de que a vida surgiu no planeta Terra, há 3,5 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *