Home / Animais / Coruja Suindara Branca

Coruja Suindara Branca

Uma equipe britânica de jornalismo ficaram profundamente impressionados quando foram surpreendidos pelo vôo de uma coruja Suindara enquanto rodavam uma reportagem externa. Porque a surpresa? Porque ela era totalmente branca.

Coruja Suindara

Medindo em média entre 30 e 50 centímetros, a coruja Suindara é mais facilmente identificada por sua cabeça e corpo bronzeados, peito pálido, disco facial triangular e olhos castanhos. Parte de um pequeno grupo de corujas encontradas principalmente na Australásia, é improvável que essa espécie seja confundida com corujas fora de sua própria família. As corujas Suindara masculinas e femininas são semelhantes entre si em todas as estações. Corujas ocorrem em grande parte do globo. No Novo Mundo, esta espécie ocorre do sul do Canadá e do sul dos Estados Unidos até o extremo sul da América do Sul, incluindo as ilhas do Caribe. No Velho Mundo, esta espécie ocorre na maior parte da Europa, África, Sul da Ásia e Austrália.

As corujas habitam uma enorme variedade de habitats abertos e semi-abertos em toda a gama desta espécie. Estes habitats incluem bordas de floresta, pastagens, matagais, prados, campos agrícolas e até mesmo áreas urbanas e suburbanas. As corujas comem uma variedade de pequenos animais, principalmente roedores (incluindo ratos, ratazanas e musaranhos). Como a maioria das corujas, as Suindaras caçam à noite, ouvindo o movimento na vegetação rasteira com sua soberba audição e descendo para capturar presas. Os observadores de pássaros podem observar esta espécie ao amanhecer ou ao anoitecer, e podem ouvir a chamada “kschh” dessa espécie. As espécies e subespécies de tyto são reconhecidas com base nas diferenças de tamanho e cor do corpo.

Aqui no Brasil as subespécies da coruja suindara mais comuns são a tyto furcata hellmayri (no norte do Brasil) e tyto furcata tuidara (que vive no Brasil desde o extremo noroete em direção a Terra do Fogo até o extremo sudoeste em direção as Ilhas Malvinas). No Brasil a coruja suindara também é conhecida como coruja das torres, rasga mortalha, coruja da igreja e outros nomes regionais populares.

Corujas Suindara são corujas de tamanho médio com pernas longas que são esparsamente penas até seus dedos cinzentos. A cabeça é grande e arredondada sem tufos de orelha. As corujas suindara têm asas arredondadas e cauda curta coberta de penas douradas de cor castanho claro e penas felpudas. As costas e a cabeça da ave são de um castanho claro com manchas pretas e brancas, enquanto a parte inferior é de um branco acinzentado. Corujas são muito marcantes na aparência. As fêmeas tendem a ser maiores, pesando cerca de 570 gramas, enquanto os machos pesam cerca de 470 gramas. As fêmeas também têm um comprimento corporal ligeiramente maior e a envergadura tanto de machos e fêmeas fica em torno de um metro, ou alguns poucos centímetros mais.

Voltando a Reportagem

O apresentador de televisão e o naturalista experiente foram surpreendidos por um vôo ágil maravilhoso da coruja suindara, tendo suas imagens imediatamente registradas também por fotógrafos. O objetivo da matéria é justamente sobre dimorfismo na pigmentação de animais.

Coruja Suindara Branca Voando
Coruja Suindara Branca Voando

Seu deslumbrante retrato da coruja mostra-a em toda a sua glória fantasmagórica, com suas penas brancas salpicadas de pontas prateadas que brilham como diamantes. A equipe de reportagem britânica fez uma triagem do voo da coruja durante um foco em criaturas leucísticas, uma característica genética que dilui pigmentos em animais e os deixa com uma aparência leitosa ou com manchas brancas.

Depois de mostrar aos espectadores uma fotografia de um papagaio branco manchado, os produtores da reportagem se voltaram para a coruja, deixando apresentador e auxiliares em êxtase.

As páginas de mídia social da empresa jornalística foi rapidamente preenchida de fotos e comentários de espectadores falando sobre seus encontros com os chamados fantasmas voadores do campo. Cerca de 4.000 pares de corujas suindara aninham-se em toda a Grã-Bretanha, desde Cornwall até o norte das Terras Altas da Escócia, mas as aves leucísticas continuam extremamente raras. O jornal noticiou que suas sublimes fotos foram tiradas em um local secreto em Somerset.

Desde então, apresentador, comentaristas e outros repórteres encheram o noticiário de elogios e admiração a aparição rara de coruja suindara branca e muitas especulações foram feitas a respeito. Especialistas convidados encerraram suas entrevistas declarando que seria preciso obviamente um estudo mais detalhado da espécie mas todos foram unânimes em confirmar que trata-se de uma variedade leucística da coruja suindara.

O Leucismo e o Albinismo na Flora e Fauna

De fato, deve mesmo ser mágico ver uma aparição fantasmagórica branca assim diante de você. E existem outros relatos de pessoas que tiveram essa sorte, não só na Grâ Bretanha. Uma especialista em leucismo exibi orgulhosa uma foto que ela mesmo conseguiu de uma em Pine Mountain Lake em Groveland, além de outras fotos mais de outros animais com leucismo como cervos, beija-flor, etc. Ela mencionou como tem sido intrigante e obviamente interessante para os pesquisadores tantos relatos cada vez mais frequentes de albinismo e leucismo em nossa flora e fauna nativas.

Muito raro na natureza, essas criaturas brancas destacam-se de seus arredores, tornando difícil para elas serem um predador e ainda mais difíceis de serem presas. Essas condições genéticas também carregam outros riscos, incluindo a sensibilidade à luz solar com maior risco de câncer de pele e penas enfraquecidas em aves. Encontrar parceiros também pode ser mais desafiador. Plantas sem a clorofila não conseguem prosperar e precisam ser associadas a uma planta parental verde para crescer. Curiosamente, no caso das sequóias albinas, há evidências de que os brotos albinos estão realmente processando toxinas no solo.

Com a expansão do desenvolvimento humano, os espaços selvagens reais estão encolhendo e se tornando desconectados, criando reservatórios gênicos isolados que aumentam as oportunidades de o albinismo recessivo e o leucismo expressarem onde não poderia estar em um pool genético mais diversificado. Animais como veados, esquilos e guaxinins que podem viver próximos a humanos se beneficiam do aumento da proteção contra predadores e comunidades inteiras de populações leucísticas e albinas estão surgindo. Claro que há mais pessoas e câmeras em busca dessas criaturas únicas e belas.

Leucismo é uma condição na qual há perda parcial da pigmentação em um animal, resultando em coloração branca, pálida ou desigual da pele, cabelo, penas, escamas ou cutícula, mas não dos olhos. Ao contrário do albinismo, é causado por uma redução em vários tipos de pigmentos, não apenas na melanina.

Coruja Suindara Branca

Os defeitos de cor herdados, como albinismo e leucismo, são bem conhecidos em várias espécies animais. Em aves, o leucismo se distingue pela completa falta de melanina em algumas ou em todas as penas, sem mudança de cor em partes nuas do corpo, como olhos, bico e pernas. Em alguns casos, as aves leucísticas podem apresentar diminuição da pigmentação no bico, nas pernas e em algumas partes do olho, embora difira de um albino por apresentar pupila escura, uma vez que pigmentos na parte posterior do globo ocular estão presentes.

A presença de penas brancas puras sobre grande parte da cabeça da ave, em áreas onde aves típicas têm penas coloridas, é aparentemente uma forma comum de leucismo já observada em algumas espécies de troglodytidae, furnariidae, rhinocryptidae, thraupidae, turdidae, emberizidae e parulidae e strigiformes.

Coruja Suindara Branca Com Asas Abertas
Coruja Suindara Branca Com Asas Abertas

As causas do leucismo são frequentemente atribuídas à expressão de alelos mutantes ou desvios da expressão gênica que perturbam a pigmentação no desenvolvimento das penas. Alternativamente, tais casos podem resultar de distúrbios fisiológicos. A causa imediata do albinismo é um traço hereditário devido a um único gene autossômico recessivo que causa a falta de atividade da enzima tirosinase, um componente chave da via que leva à formação da melanina.

O albinismo é definido pela perda completa de todos os pigmentos na plumagem e outras partes do corpo, resultando em aves com plumagem branca e falta de pigmento nos olhos, bico, pele, pernas e pés. A redução da melanina nos olhos resulta em redução da acuidade visual. No entanto, em casos de leucismo, a visão é normal.

Veja também

Animais em Extinção no Brasil

É fato que o Brasil muitas vezes é reconhecido no exterior por possuir a maior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *