Home / Animais / Coruja Serra Afiada Strigiformes

Coruja Serra Afiada Strigiformes

Eis aí mais um exemplar de coruja pequetitinha. E uma vítima do abuso de outras aves que já gostam de prevalecer sobre essas baixinhas. Vamos conhecer um pouco?

Aegolius Acadicus

A coruja de serra afiada, denominada cientificamente aegolius acadicus, tem mesmo um nome popular bem incomum, não é? Isso se dá porque essa coruja vocaliza um som furioso e repetitivo que muitos cientistas concordam parecer-se demais com o barulho de uma serra sendo amolada. Esse som característico é mais comum quando a coruja está à procura de um parceiro, normalmente entra abril e junho na sua região natural de habitat. Claro que essa coruja pode ser ouvida o ano todo, mas é mais frequente mesmo na primavera. Na verdade, foram identificadas cerca de onze vocalizações diferentes nessa coruja, algumas ouvidas apenas em ocasiões especiais como no período de acasalamento, quando trazem comida ou quando se defendem de inimigos.

A coruja de serra afiada habita a maior parte da América do Norte, incluindo o Sudeste do Alasca, sul do Canadá, a maioria dos Estados Unidos e as montanhas centrais do México. Esta ave vive nas cavidades das árvores e ninhos velhos feitos por outros pequenos predadores. Alguns membros da espécie são inquilinos, enquanto outros podem migrar para o sul durante o inverno ou descer de altitudes mais altas. Com um peso médio de cerca de 75 gramas em machos e 100 gramas em fêmeas, a coruja de serra afiada costuma ter cerca de 20 centímetros de altura.

Não há pinos de orelha, e o disco facial é característico do padrão em forma de Y branco. A parte superior do corpo é listrada e marrom, e as costas, asas e cauda são descascadas. Embora existam diversas variações geográficas, são agora reconhecidos oficialmente duas subespécies da coruja de serra afiada. A subespécie migratória aegolius acadicus acadicus, que ocorre em toda essa gama norte americana, e a inquilina aegolius acadicus brooks, que é endémica do arquipélago Haida Gwaii, antigas Ilhas da Rainha Carlota.

Esta espécie tem audição muito sofisticada. Isto é devido a orelhas verticalmente assimétricas e diferentes formas de orifícios auriculares. Como o som chega aos ouvidos em momentos diferentes e é diferente em intensidade, a coruja de serra afiada pode localizar sua presa com uma precisão muito alta. Uma localização tão precisa do som permite que esse tipo de coruja caia em completa escuridão, confiando apenas no sentido da audição.

Strigiformes – Subespécies e Espécies Semelhantes

Como já dissemos, duas subespécies são reconhecidas oficialmente: o aegolius acadicus acadicus e o aegolius acadicus brooks. Este último foi nomeado em 1916 e descrito por Fleming, com base em três adultos e um jovem encontrado em 1915 na ilha de Gray. Híbridos entre esses dois subtipos nunca foram registrados.

As duas subespécies são muito parecidas mas a endêmica do arquipélago é menor, tem cauda mais longa e é mais escura. As partes inferiores brancas do corpo e o ponto das penas de verão da subespécie acadicus acadicus são relaxados no acadicus brooks e não tão proeminentes.

Um terceiro subtipo foi proposto em 1954, mas sua existência é baseada em dados de origem controversa, por isso não é geralmente reconhecido. De acordo com cientistas, este terceiro subgrupo fundiria a coruja de serra afiada com a espécie aegolius ridgway.

A coruja de serra afiada é muito confundida com a coruja boreau (aegolius funereus) mas o boreau é maior, com o disco facial afiada branca em preto e tópicos cobrindo os pontos brancos mas não linhas como é o caso da coruja de serra afiada. Essa coruja também pode ser confundida com a coruja anã (glaucidium gnoma), embora seja menor, com uma cabeça relativamente menor, uma cauda longa e um disco facial imperceptível. A maior semelhança, porém, com a qual a coruja de serra afiada é associada é a coruja do nabal, ou mocho dos banhados (asio flammeus) porque não tem cordas para os ouvidos, mas é consideravelmente menor do que a mencionada. É bastante comum, mas difícil de perceber.

Demografia e Conservação

Aegolius Acadicus Em Cima de Árvore
Aegolius Acadicus Em Cima de Árvore

A coruja de serra afiada se torna maduro sexualmente e começa a se reproduzir com um ano de idade. Em média, uma fêmea tem uma postura de 5 ou 6 ovos mas a média de sobrevivência de filhotes é bem menor. O desempenho médio de nidificação é diferente de região para região, mas podemos afirmar que de cada 3 ovos, somente um eclode e sobrevive até a fase adulta. A expectativa de vida média da coruja de serra afiada na natureza é de 10 anos, enquanto em cativeiro pode ultrapassar os 16 anos de idade.

As estimativas do tamanho da população são, na melhor das hipóteses, insuficientemente precisas, principalmente devido a movimentos impróprios de indivíduos, dependendo da quantidade de presas em sua região de caça, o seu tamanho pequeno e natureza discreta de seus ninhos. Além disso, as densidades locais variam em diferentes regiões geográficas.

A morte de jovens é mais frequentemente devido à fome, mas isso nem sempre é o caso. As corujas adultas também sofrem frequentemente fatalidades devidos a fatores como doenças e parasitas do corpo, acidentes nas rodovias e também vitimadas como presas de corujas maiores ou outras espécies rapineiras. Aliás, uma grande desvantagem de seu pequenino tamanho é a constante perturbação de outras aves, muitas vezes expulsando a coruja de serra afiada e seus filhotes para usurpar seu ninho.

Efeitos da Atividade Humana

As fêmeas capturadas no ninho antes, durante ou imediatamente após a postura dos ovos pode deixar o ninho sob ameaça, ao passo que aqueles capturados durante os últimos estágios de ovos da ninhada ou durante a criação dos filhotes não saem do ninho.

Devido ao pequeno tamanho, esta coruja no passado não foi objecto de perseguição por caçadores como é o caso com outras corujas na América do Norte, embora algumas acabaram vitimadas facilmente para serem mantidas como animais de estimação.

Degradação da floresta velha e remoção de árvores podres e velhos afetam negativamente esta coruja, reduzindo o número de cavidades que são necessárias para o sucesso reprodutivo da coruja de serra afiada. Embora os ninhos em quase todos os tipos de florestas de coníferas e mistas, essa coruja prefere florestas com árvores antigas e de grande porte, já que floresta jovem muitas vezes é insuficientemente densa e sem lugares para colocar seus ovos, e florestas de vegetação baixa tornam-se um lugar favorito para procurar por comida. O habitat de inverno é menos crítico, uma vez que esta espécie sobrevive em habitats rurais e semi-rurais, que são consideravelmente mais extensos em comparação com habitats de nidificação.

Veja também

Queimadura de Piolho de Cobra

A Lei da Selva Desde de que a vida surgiu no planeta Terra, há 3,5 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *