Home / Animais / Coruja Caburé Miudinho

Coruja Caburé Miudinho

Como acontece com todas as corujas anãs, ou pigmeus, as informações sobre morfologia e taxonomia dessas espécies são muito divergentes e contestadas. Por isso, pode haver uma ou outra afirmação que não corresponda 100% a realidade sobre a espécie que queremos apresentar.

O gênero glaucidium a qual nossa personagem do artigo pertence é ainda muito contestado no meio científico, sem haver ainda qualquer definição sobre quantas espécies realmente pertencem a esse gênero exatamente. Calcula-se que entre 25 e 35 espécies de pequeninas corujas são classificadas aqui e muito pouco sabe-se sobre todas estas.

Mas voltemos a falar de nossa corujinha.

Glaucidium Minutissimum

A coruja caburé miudinho, ou glaucidium minutissimum, é um tipo de coruja pigmeu. Os dados que parecem corresponder a ela indicam que essas corujas habitam florestas e bordas sempre-verdes e úmidas tropicais e subtropicais, além de copas abertas.

É considerada nativa nativa do México, América Central (Guatemala, Belize, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá) e América do Sul (Colômbia, Bolívia, Peru, Brasil e Paraguai). No Brasil, a área de circulação se estende do sudeste da Bahia ao sul de Santa Catarina, do leste de Minas Gerais ao sul de Mato Grosso e Paraná. Continua na adjacente leste do Paraguai e, provavelmente, para o leste do estado nordestino de Misiones, na Argentina.

Taxonomia Duvidosa

Houve quem argumentasse que o nome científico aqui utilizado (glaucidium minutissimum), na verdade, pertence à coruja caburé de Pernambuco, e que a coruja caburé miudinho deve ser encaminhada para glaucidium sicki. Além disso, também houve que classificasse essa coruja como tendo quatro subespécies que incluía a glaucidium sanchezi, a glaucidium griseiceps, a glaucidium parkeri e a glaucidium hoskinsii.

Claus e Friedhelm apresentou o táxon em 2005 glaucidium sicki em homenagem ao Brasil-Alemanha de 2002. Afirmaram que o espécime típico em 1830 pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied como Strix minutissima foi descrito no Museu Zoológico de Walter Rothschild em Tring é quase idêntica à glaucidium mooreorum (Glaucidi mooreorum). Claus King apresentou a proposta ao Comitê de Classificação da América do Sul (SACC), o binômio Glaucidium minutissimum seria usado para a coruja caburé de Pernambuco e considerar o nome Glaucidium mooreorum como um sinônimo inválido.

Esta proposta foi recusada pela SACC em 2008, já que seu argumento principal refere-se apenas a descrição do príncipe zu Wied-Neuwied, mas não em um estudo genético detalhado da espécie típica, que foi recolhido na Bahia e, portanto, não a partir da área de distribuição conhecida de Pernambuco, de onde a coruja é nativa.

Em contraste com King & Weick (2008), a coruja está nas principais listas taxonômicas (Howard & Moore, Clements, IOC), onde continua com o nome glaucidium minutissimum e o nome glaucidium mooreorum usado para a coruja caburé de Pernambuco. Ocasionalmente foram anteriormente o glaucidi palmarumg, o glaucidi griseiceps, o glaucidi hardyi, o glaucidi parkeri, o glaucidi sanchezi e o glaucidi hoskinsii que foram considerados como uma subespécie de glaucidi minutissimum; mas novamente não há convicções cientificas que corroboram essa afirmação.

Características Físicas

A miniatura da coruja caburé miudinho é uma pequena coruja que atinge um tamanho de 14 a 15 centímetros. Em aves adultas, o véu facial é marrom-acinzentado claro com algumas linhas concêntricas marrom-avermelhadas indistintas. As sobrancelhas são esbranquiçadas. O topo e o topo são castanhos canela-escuros a castanho-vivo. No topo da cabeça são pequenos pontos esbranquiçados. No pescoço é uma face occipital que tem manchas finas esbranquiçadas ou claras ou manchas.

A Característica da Coruja Caburé
A Característica da Coruja Caburé

Casaco e costas são simplesmente vivas marrom. Os élitros mostram poucas manchas brilhantes, mas não maiores, manchas esbranquiçadas irregulares. As asas das mãos e dos braços são castanho-escuras com manchas esbranquiçadas no interior e nas bandeiras exteriores formando laços brilhantes sobre as asas abertas. As asas da mão são esbranquiçadas no fundo. A cauda é marrom escuro com três a quatro bandagens esbranquiçadas visíveis. Ao redor da garganta, uma área arredondada e esbranquiçada é vista limitada acima de uma estreita faixa marrom-avermelhada e lateralmente por uma densa marmorização que forma áreas com alguns pontos.

O resto do lado de baixo é branco sujo com uma faixa marrom-avermelhada nos flancos. A corrida é emplumada, os dedos dos pés estão eriçados. Os olhos são amarelos. A pele de cera é cinza amarelado. O bico é amarelado, com um toque levemente esverdeado. Os dedos são amarelados. As garras são cor de chifre com pontas escuras. Asas e cauda são bastante gordas.

Cria de Caburé Miudinho
Cria de Caburé Miudinho

As crias são esbranquiçadas quando nascem. As dunas de nidificação (Mesoptil) parecem semelhantes em coloração e estrutura às penas das aves adultas. O topo das aves juvenis é castanho-avermelhado sem manchas. A testa, por vezes, mostra alguns pontos brilhantes.

Comportamento e Etc

A coruja caburé miudinho habita florestas tropicais e bordas florestais em climas tropicais e subtropicais, onde as florestas primárias parecem ser preferidas. Geralmente ocorre do nível do mar a altitudes de 500 a 800 m. No sudeste do Brasil, também é encontrado em altitudes de até 1000 m. miniatura habita florestas tropicais e bordas florestais em climas tropicais e subtropicais, onde as florestas primárias parecem ser preferidas. Geralmente ocorre do nível do mar a altitudes de 500 a 800 m. No sudeste do Brasil, também é encontrado em altitudes de até 1000 m.

As vocalizações do macho consistem em um tom duplo bastante alto e monótono, que soa ligeiramente sobrecarregado e repetido em intervalos de alguns segundos. Quando o pássaro está chateado, às vezes três a quatro notas são reproduzidas em uma frase.

A coruja caburé miudinho é uma ave realista. Ele é parcialmente diurno, mas geralmente vai à noite e madrugada forrageando. Seu modo de vida é pouco estudado até agora, mas provavelmente semelhante ao de outras corujas sul-americanas. A comida consiste em insetos e pequenos vertebrados. Também sobre o seu comportamento de criação não é conhecido. Presumivelmente, ele constrói seus ninhos em cavernas abandonadas de pica-pau em troncos de árvores ou galhos maiores. Ele é muito confiante para as pessoas. Muitas vezes ele é atacado por pássaros menores.

Infelizmente, a coruja caburé miudinho, ou glaucidium minutissimum, já consta na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN como uma ave extinta, sem confirmação alguma de registros recentes documentados de sua aparição em habitat natural.

Veja também

Escorpião Preto Andando em Terras Asiáticas

Habitat do Escorpião Preto: Onde eles Vivem?

Os escorpiões, ao mesmo tempo que parecem ser animais assustadores, são seres fascinantes também. Obviamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *