Home / Animais / Cobra Surucucu Tapete

Cobra Surucucu Tapete

Jararacuçu, jararacuçu-verdadeiro, patrona, surucucu, surucucu-dourada, surucucu-tapete, urutu-dourado, urutu-estrela… Não importa o nome, a víbora venenosa é a mesma.

Bothrops Jararacussu

A surucucu tapete é uma víbora muito grande, atinge comprimentos totais superior até a 150 cm, no caso dos machos. As fêmeas ocasionalmente têm mais de 200 cm de comprimento. A cabeça em forma de lança é claramente separada do pescoço e tem em cada lado oito sinais do lábio superior, onze sinais do lábio inferior, bem como um olho pequeno com uma pupila perpendicularmente fenda quando exposto à luz.

O topo da cabeça é preto brilhante e é separado por uma faixa de luz de uma fáscia temporal escura, que corre entre o olho e o canto da boca. O topo da cabeça é amarelado a alaranjado na cor. Ao redor do meio do corpo há de 23 a 27 fileiras de escamas dorsais severamente quilhadas. A superfície superior do corpo é caracterizada por pontos angulares alternados triangulares e em forma de losango, alguns dos quais convergem para formar um padrão em ziguezague. Na face abdominal de coloração amarelada e irregularmente escura há 166 a 188 sinais abdominais e 44 a 66 subcaudais.

O Veneno da Víbora

A surucucu tapete tem tubo retrácteis presas na mandíbula superior da parte dianteira, através do qual existem glândulas de veneno produzidos de veneno de cobra (Ophiotoxin) é injectado para dentro da ferida mordida. As presas desta espécie são conspicuamente longas e seu veneno é muito potente. Além disso, há uma quantidade extremamente grande de veneno com até 300 miligramas, que pode ser administrada com uma única mordida.

A letalidade ocorre quando não se consegue alcançar os devidos cuidados médicos entre 15 e 18% dos casos. Como resultado de uma mordida deste tipo, danos no sistema sanguíneo e no sistema cardiovascular são efeitos possíveis, bem como os danos nos tecidos, levando à necrose. Pode haver cegueira.

Comportamento da Espécie

A surucucu tapete é conhecida por um estilo de vida noturno, principalmente bem tarde na noite, e costuma ser uma boa nadadora. Ela se esconde na vegetação arbustiva e entre as formações rochosas e os fragmentos de água. Nas proximidades dos esconderijos, ela ocasionalmente também é capaz de se expor ao sol durante o dia. Em geral, no entanto, a espécie vive muito retraída, por isso dificilmente entra em contato com as pessoas. O espectro de presas para alimentação inclui pequenos mamíferos, bem como vários sapos.

Durante a estação mais fria, entre julho e setembro, os locais de inverno, como buracos no chão, fendas de rocha ou estruturas similares são escolhidos para recolhimento. A hibernação também é interrompida nesse meio tempo. A surucucu tapete são ovovíparas, com suas fêmeas dando à luz entre quinze a vinte filhotes em cada ciclo. De descendentes em cativeiro são ninhadas com um volume de até 40 jovens cobras conhecidas. Os animais medem cerca de 28 cm no nascimento e perdem a pele pela primeira vez cinco dias após o nascimento.

Distribuição Geográfica

Ela habita os estados do centro e leste do Brasil, desde Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, seguindo o Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina, ao norte do Rio Grande do Sul. Também vive na Bolívia, o Paraguai e o nordeste da Argentina, com florestas restritos à paranaenses distribuição província de Misiones, no nordeste da Mesopotâmia, em ambientes pertencentes à ecorregião terrestre da selva paranaense.

Surucucu Tapete Rastejando no Chão
Surucucu Tapete Rastejando no Chão

A espécie está na Lista Vermelha da IUCN como “menos preocupação” (não em perigo), fundada pela grande distribuição e presença de ecossistemas florestais intactas na área de distribuição. A ameaça local é a destruição do habitat que ocorre localmente. Os habitats habitados são florestas úmidas e virgens. Muitas vezes, a surucucu tapete pode ser encontrado nas imediações da água (lagos, lagoas, pântanos e rios). Em parte, pode ser encontrado em terrenos cultivados. A surucucu tapete não é tão comum quanto outras espécies de bothrops.

O Potencial do Veneno

Surucucu tapete pertence a um gênero cujos membros são responsáveis ​​por mais fatalidades nas Américas do que qualquer outro grupo de cobras venenosas no mundo. Neste sentido, as espécies mais importantes incluem essa víbora. Sem tratamento, a taxa de mortalidade é estimada em cerca de 10 a 17%, mas com o tratamento, esta é reduzida para 0,5 a 3%.

As misturas de toxinas das víboras desse gênero são, de longe, os venenos naturais mais complexos. Contêm uma mistura de enzimas, polipéptidos de baixo peso molecular, íons metálicos e outros componentes até agora mal compreendidos na sua função. Por conseguinte, diversos são os efeitos desses venenos. A picada venenosa desse gênero botrópico pode se diversificar em uma série de sintomas, variando entre sintomas locais e de corpo inteiro (sistêmicos).

Os sintomas típicos de envenenamento botrópico incluem dor imediata, queima, tonturas, náuseas, vômitos, sudorese, dor de cabeça, inchaço maciço da extremidade mordida, bolhas hemorrágicas, locais de necrose, sangramento do nariz e gengivas, equimose, eritema, hipotensão, taquicardia, coagulopatia com hipofibrinogenemia e trombocitopenia, hematêmese, melena, epistaxe, hematúria, hemorragia intracerebral e insuficiência renal secundária a hipotensão e cortical bilateralnecrose. Geralmente, há alguma descoloração ao redor do local da mordida, e erupções cutâneas podem se desenvolver no tronco ou nas extremidades.

Em geral, a morte resulta de hipotensão secundária à perda de sangue, insuficiência renal e hemorragia intracraniana. Complicações comuns incluem necrose e insuficiência renal secundária ao choque e os efeitos tóxicos do veneno.O veneno é hemolítico e hemorrágico devido a metaloproteinases (destruição dos vasos sanguíneos). A hemorragia mais importante no veneno do tipo é jarargina, uma metaloproteinase contendo zinco. A toxina provoca por enzimas semelhantes à trombina uma alteração no fibrinogénio precursor da coagulação sanguínea e, desse modo, uma ativação patológica da coagulação do sangue.

Isso leva a etapas adicionais para o consumo rápido dos fatores de coagulação e, portanto, atua como anticoagulante. A síndrome é chamada de coagulopatia intravascular disseminada. Os pacientes sangram a partir do local da picada, das cicatrizes não resolvidas, das picadas de mosquito e das membranas mucosas, e ocorrem hemorragias internas. O veneno aparentemente tem uma toxicidade direta do rim. Complicações adicionais surgem da infecção pela fauna bacteriana contida nas membranas mucosas da cobra. As mortes são atribuídas a insuficiência renal aguda, hemorragia cerebral e envenenamento do sangue.

Veja também

Animais Exóticos da Austrália

A Austrália é um país rico nos mais diversos âmbitos e sentidos da palavra. Nele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *