Home / Animais / Cobra Cipó Cinza

Cobra Cipó Cinza

Ninguém é imune de levar um baita susto se estiver perto de um arbusto ou árvore, especialmente em regiões de lagoas ou pantanosas e se deparar de repente com uma cobra enrolada no meio dos galhos. Você provavelmente acaba de encontrar uma cobra cipó.

Cobra Cipó Cinza

As cobras da família chironius são em geral as que recebem essa nomenclatura de cobras cipó, por sua predileção em regiões arborizadas próximo a pântanos, lagoas e rios, com muitos arbustos e moitas. Seu habitat preferido é tanto para facilitar a tocaia em busca de seu alimento como proteção contra predadores ou invasores.

As cobras cipó em geral são bem finas e relativamente compridas, podendo ultrapassar os dois metros e seu corpo delgado e ágil. Suas presas principais incluem pequenos anfíbios, aves e roedores. Não é incomum ver cobras do gênero chilonius nadando agilmente nas águas em busca de sapos ou pererecas.

Em geral essas cobras são retraídas, evitando o contato. Se encontrar uma, provavelmente ela irá procurar abrigo, se distanciando de você o mais rápido possível. Mas não se engane. Embora não sejam venenosas, as cobras cipó tendem a ser agressivas. Caso ela se sinta acuada, certamente ela vai atacar você como recurso de defesa, armando o bote e picando. Pode não injetar veneno mas essa mordida vai doer.

A cor de cobras cipós são em geral variações de verde e vermelho. A mistura dessas pigmentos podem criar variações diversas nas cores das espécies, fazendo com que umas sejam vistas amarronzadas, ou amareladas, bem esverdeadas, avermelhadas, ou até acinzentadas. Essa coloração acaba sendo um bom disfarce pois somado a seu corpo fino acaba mesmo se parecendo muito a cipós e por isso o nome popular dado a ela.

As espécies que mais possuem coloração que em alguns casos parecem cinza são a chironius flavolineatus, a chironius laevicollis, a chironius laurenti e a chironius vincenti.

A Ilusão de Cores

O cinza na verdade não é propriamente uma cor mas um estímulo de cor, porque é mais escuro do que branco e mais brilhante do que o preto, mas nenhuma ou apenas uma pequena impressão colorida (estímulo de cor) é gerado. Então cinza não tem croma, é uma cor acromática. O cinza surge em mistura de cor aditiva e subtrativa quando as proporções das respectivas cores primárias são as mesmas, mas o brilho não é máximo (branco) nem mínimo (preto).

No caso da cobra cipó isso se dá com a pigmentação de cores aditivas quentes, como o verde e o vermelho, associados a ilusão de ótica condicionadas em nossa percepção cerebral. Ou seja, a cobra que vi cinza pode ser vista por outra pessoa esverdeada, amarelada, amarronzada, etc. A questão da luz também influencia muito nessa percepção.

A cor é energia, é um fenômeno eletromagnético, que depende da maneira como a luz é refletida nos objetos. Cada objeto absorve uma parte da luz que atinge e desvia o resto em direção aos nossos olhos: essa luz refletida é interpretada pelo nosso cérebro como uma cor particular. Não devemos, portanto, ficar surpresos ao descobrir que a palavra cor vem do latim raiz celare (isto é, ‘aquilo que cobre, oculta’).

A cor já é uma ilusão em si, um fantasma que só ganha vida em nosso sistema visual, quando a luz estimula os foto-receptores, as antenas que captam sinais luminosos e que preenchem o fundo dos nossos olhos. O mundo que nos rodeia é, infelizmente, na realidade monocromático.

Coba Cipó Fotograda de Perto
Coba Cipó Fotograda de Perto

Mas há também outro truque: a cor dos olhos é medida em parte com base na freqüência da luz que a atinge, mas acima de tudo em relação às cores próximas. Uma cor é percebida como mais brilhante, por exemplo, se for envolvida por uma cor complementar (duas cores são consideradas complementares se a soma de sua radiação for igual ou superior a branca) ou mais clara se a cor de fundo for mais escura.

Existe então um mecanismo que aumenta o contraste do contorno de um objeto relativamente ao seu contexto: é chamado de inibição lateral, porque cada grupo de foto-receptores tende a inibir a resposta daquele ao lado dele. O resultado é que o que parece ser claro parece ser ainda mais e vice-versa. O mesmo mecanismo funciona para as cores: quando um foto-receptor de uma área da retina se torna estimulado por uma cor, as próximas a ele se tornam menos sensíveis a essa cor.

Assim, por exemplo, a luz azul de um pequeno quadrado que você vê em um fundo azul, aparece aos nossos olhos mais claros do que seria em um fundo amarelo (porque o amarelo não contém azul).

A Ilusão de Ótica

É sério isso? Quer dizer que cores é ilusão de ótica? Pois é, e pra entender isso só a ciência. Como humanos e organismos não-humanos processam a informação visual, como a percepção visual consciente funciona em seres humanos, como explorar percepção visual para uma comunicação eficaz, e como os sistemas artificiais podem fazer as mesmas tarefas, tudo isso só estudando essa ciência.

A ciência da visão se sobrepõe ou abrange disciplinas como oftalmologia e optometria, neurociência, psicologia sensorial e da percepção, psicologia cognitiva, biopsicologia, psicofísica e neuropsicologia, física óptica, etologia, etc. Estas e outras áreas relacionadas a fatores humanos e ergonomia é que poderiam explicar esse fenômeno de nossa visão e não cabe a esse artigo se aprofundar tanto nisso.

Aqui só nos cabe dizer que o cinza, assim como as outras cores é baseada em variações, inclusive de luz e até mesmo de temperatura. Esses fatores alteram nossa percepção visual e consequentemente a absorção dessa informação em nosso cérebro.

O fenômeno da constância de cores ocorre quando a fonte de iluminação não é diretamente conhecida. É por essa razão que a constância de cores tem um efeito maior em dias com sol e céu claro em oposição a dias que estão encobertos. Mesmo quando o sol está visível, a constância da cor pode afetar a percepção da cor. Isto é devido a uma ignorância de todas as fontes possíveis de iluminação. Embora um objeto possa refletir múltiplas fontes de luz no olho, a constância de cor faz com que as identidades objetivas permaneçam constantes.

Cobra Cipó Verde
Cobra Cipó Verde

A constância de cores é um exemplo de constância subjetiva e uma característica do sistema de percepção de cores humanas que garante que a cor percebida dos objetos permaneça relativamente constante sob condições variáveis ​​de iluminação. Uma maçã verde, por exemplo, parece-nos verde ao meio-dia, quando a iluminação principal é a luz solar branca, e também ao pôr-do-sol, quando a iluminação principal é vermelha. Isso nos ajuda a identificar as coisas.

Cobra Cinza no Esoterismo

Cobra cinzenta é geralmente significa uma cor opaca e, portanto, simboliza o tédio e a solidão na interpretação esotérica. A cor cinza é uma sombra que vem entre preto e branco. Assim, representa a energia para equilibrar as diferentes situações da vida. Cinza também relaciona sintomas do envelhecimento. O cinza também simboliza o estado mental confuso.

O ato de ser infeliz na vida pode refletir no cinza. Uma cobra cinzenta no esoterismo pode significar que a pessoa está solitária por dentro ou enfrentará o tédio em poucos dias. Precisará se reenergizar e fazer coisas que a ajudem a quebrar esse sentimento infeliz.

Para o esoterismo, no caso da pessoa ter sonhado com cobra cinza por exemplo, animais de cor cinzenta em sonho são um sinal de má sorte. Isso significa que o tédio estará ao redor dessa pessoa por alguns dias. Se houver outra pessoa interagindo com a cobra cinza no sonho, tal pessoa reconhecida enfrentará dificuldades. Se você não é capaz de reconhecer essa pessoa no sonho, então é você que sonhou quem enfrentará dificuldades no futuro próximo.

Veja também

Animais em Extinção no Brasil

É fato que o Brasil muitas vezes é reconhecido no exterior por possuir a maior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *