Home / Animais / Classe Dos Diplópodes

Classe Dos Diplópodes

O nome científico “Diplópodes” vem do grego antigo palavras διπλοῦς (diplous), “double” e ποδός (podos), “pé”, referindo-se ao aparecimento de dois pares de pernas na maioria dos segmentos. A ciência da biologia e da taxonomia dos diplópodes é chamada diplopodologia.

Classe dos Diplópodes

Aproximadamente 12.000 espécies de diplópodes foram descritas. As estimativas do número real de espécies na Terra variam de 15.000 a 80.000. Poucas espécies de diplópodes são difundidas. Eles têm habilidades de dispersão muito pobres, dependendo da locomoção terrestre e dos habitats úmidos. Esses fatores favoreceram o isolamento genético e a especiação rápida, produzindo muitas linhagens com faixas restritas.

Os membros vivos dos diplópodes são divididos em dezesseis ordens em duas subclasses. A subclasse basal penicillata contém uma única ordem, polyxenida (cerdas de milípedes). Todos os outros diplópodes pertencem à subclasse chilognatha, consistindo em duas infraclasses: pentazonia, contendo os diplópodes de pílula de corpo curto, e helminthomorpha, contendo a grande maioria das espécies.

Estudos cladísticos e moleculares recentes têm desafiado os esquemas de classificação tradicionais, e em particular a posição das ordens siphoniulida e polyzoniida ainda não está bem estabelecida. A colocação e posições de grupos extintos conhecidos apenas de fósseis são provisórios e não totalmente resolvidos.

A Evolução da Espécie

Diplópodes estão entre os primeiros animais a ter colonizado a terra durante o período da Silúria . É bem provável que as formas precoces se alimentassem de musgos e plantas vasculares primitivas. Existem dois grandes grupos de diplópodes cujos membros estão todos extintos: os archipolypoda (“antigos, com muitas pernas”) que contêm os animais terrestres mais antigos conhecidos, e arthropleuridea, que contém os maiores invertebrados terrestres conhecidos.

A mais antiga criatura terrestre conhecida, pneumodesmus newmani, era um arquipolipodano de 1 cm de comprimento que viveu há 428 milhões de anos na parte alta da Silúria e tem clara evidência de espiráculos (orifícios respiratórios) atestando seus hábitos de respiração.

Durante o Carbonífero Superior (340 a 280 milhões de anos atrás), arthropleura se tornou o maior invertebrado habitacional conhecido no registro, alcançando comprimentos de pelo menos 2 metros. Diplópodes também exibem as primeiras evidências de defesa química, pois alguns fósseis do devoniano têm aberturas de glândulas defensivas chamadas ozoporos.

Diplópodes, lacraias e outros artrópodes terrestres atingiram tamanhos muito grandes em comparação com espécies modernas nos ambientes ricos em oxigênio dos períodos Devoniano e Carbonífero, e alguns poderiam crescer mais de um metro. Como os níveis de oxigênio diminuíram com o tempo, os artrópodes se tornaram menores.

Taxonomia Moderna

A história da classificação científica dos diplópodes começou com um cientista americano em 1758, classificando sete espécies de julus como “Insecta Aptera” (insetos sem asas). Em 1802, um zoólogo francês propôs o nome chilognatha como o primeiro grupo do que hoje é os diplópodes, e em 1840 um naturalista alemão produziu a primeira classificação detalhada. O nome diplópodes foi cunhado em 1844 por um zoólogo francês de Blainville.

De 1890 a 1940, a taxonomia dos diplópodes foi impulsionada por relativamente poucos pesquisadores em um dado momento, com importantes contribuições de alguns cientistas que descreveram mais de 1.000 espécies. Esta foi a época em que o estudo da diplopodologia se desenvolveu: as taxas de descrições de espécies foram, em média, as mais altas da história, às vezes excedendo 300 por ano.

Em 1971, um biólogo holandês publicou uma lista abrangente de todos os gêneros e famílias de diplópodes conhecidos descritos entre 1758 e 1957, um trabalho creditado como o lançamento da “era moderna” da taxonomia de diplópodes. Em 1980, um biólogo americano publicou uma classificação de diplópodes que reconheceu a penicillata, pentazonia e helminthomorpha, e a primeira análise filogenética de ordens de diplópodes usando métodos cladísticos modernos foi publicada em 1984. por um dinamarquês.

Uma classificação de 2003 de um americano é similar à originalmente proposta por um pesquisador anterior, e continua sendo o esquema de classificação atualmente aceito, apesar dos estudos moleculares mais recentes propondo relações conflitantes. Um resumo de 2011 da diversidade da família dos diplópodes colocou a ordem siphoniulida dentro do grupo maior nematophora.

Além das 16 ordens de vida, existem 9 ordens extintas e uma superfamília conhecida apenas de fósseis. A relação destes com grupos vivos e entre si é controversa. A extinta arthropleuridea foi por muito tempo considerada uma classe de diplópodes distintas, embora o trabalho no início do século XXI tenha estabelecido o grupo como uma subclasse de diplópodes. Várias ordens de vida também aparecem no registro fóssil. Grupos extintos são indicados com um punhal nas listagens taxonômicas (†).

Conexão Com os Miriápodes

Miriápodes
Miriápodes

Embora as listagen das ordens de diplópodes ainda ocupem um controverso debate, a classe deles em geral é aceita como um grupo monofilético de artrópodes: todos os diplópodes são mais intimamente relacionados entre si do que com qualquer outro artrópode.

Os diplópodes estão numa classe dentro do subfilo artrópode Myriapoda, os miriápodes, que inclui centopéias (classe chilopoda), bem como os menos conhecidos paurópodos (classe Pauropoda) e sínfilos (classe Symphyla).

Em diplópodes, os parentes mais próximos ou o grupo irmão dos diplópodes há muito são considerados os paurópodos, que também têm um colo e vários explosivos.

Diplópodes e Centopéias

As diferenças entre diplópodes e centopéias são uma questão comum do público em geral. Ambos os grupos de miríades têm semelhanças, como corpos longos e segmentados, muitas pernas, um único par de antenas e a presença de órgãos temporais, mas têm muitas diferenças e histórias evolutivas distintas, como o ancestral comum mais recente de centopéias e diplópodes que viviam em torno de 450 a 475 milhões de anos atrás no Siluriano.

A cabeça sozinha exemplifica as diferenças. Os diplópodes têm antenas curtas e cotoveladas para sondar o substrato, um par de mandíbulas robustas e um único par de maxilas fundidas em um lábio. As centopéias têm longas antenas filiformes, um par de pequenas mandíbulas, dois pares de maxilas e um par de grandes garras de veneno. Outros traços tangíveis entre as espécies:

Pernas: nos diplópodes são dois pares na maioria dos segmentos do corpo, anexado a parte inferior do corpo. Nas centopéias apenas um par por segmento do corpo, preso aos lados do corpo, com o último par se estendendo para trás.

Locomoção: os diplópodes são geralmente adaptados para escavar ou habitar pequenas fendas, movendo-se devagar. As centopéias são geralmente adaptadas para corrida, exceto as centopéias de solo escavadoras.

Alimentação: os diplópodes são principalmente detritívoros, alguns herbívoros, poucos carnívoros e sem veneno. As centopéias são principalmente carnívoras com garras modificadas em presas venenosas.

Espiráculos: em diplópodes situam-se na parte de baixo do corpo. Nas centopéias situam-se nas laterais ou no topo do corpo.

Aberturas reprodutivas: em diplópodes situam-se no terceiro segmento corporal. Nas centopéias situam-se no último segmento corporal.

Comportamento reprodutivo: o macho diplópode geralmente insere o espermatóforo na fêmea com gonópodes. Em centopéias, o macho produz espermatóforo que normalmente é coletado por fêmeas.

Veja também

Escorpião Preto Andando em Terras Asiáticas

Habitat do Escorpião Preto: Onde eles Vivem?

Os escorpiões, ao mesmo tempo que parecem ser animais assustadores, são seres fascinantes também. Obviamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *